Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Uma ideia luminosa

por Kruzes Kanhoto, em 13.12.19

download.jpeg

Toda a gente, numa ou noutra ocasião, já teve uma ideia parva. Acontece o mesmo com as organizações. Sejam elas empresas, governos ou gangues de criminosos. Relativamente a ideias parvas que ocorreram aos governos, tenho poucas dúvidas que, no âmbito das ideias desconchavadas, as da geringonça pulverizam todos os recordes. Quer em quantidade quer em qualidade.

Quando tinha para mim que aquela ideia do Passos Coelho de baixar a TSU dos patrões - que até os putativos beneficiários acharam parva - iria estar durante muitos anos no topo da idiotices governativas, eis que a António Costa ocorre a ideia de criar um regime de IVA progressivo no consumo de electricidade. Para estimular o uso mais racional da energia e combater as alterações climáticas, diz o homem. Com alguma razão quanto a este fundamento, diga-se. Com a luz a este preço não serão muitos a alterar o clima da respectiva habitação de frio para quente no Inverno, nem o contrário no Verão.

Mas esta ideia, para além de parva, é perigosa. Abre precedentes para o mesmo principio se aplicar a outros produtos ou serviços e, dada a nossa tendência para a trafulhice, pode potenciar esquemas da mais variada ordem. Ocorre-me, assim de repente, que o IVA é o imposto onde se verificam mais fraudes, que muito do consumo de energia é medido de forma estimada ou através de contagem fornecida pelo consumidor e que, por não terem condições para aceder a outras alternativas, possam ser os mais pobres a pagar a taxa mais alta. O que até nem admira. As ideias parvas têm, por norma, resultados parvos.

Compartilhar no WhatsApp