Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Vão mas é fazer festinhas ao animal...

por Kruzes Kanhoto, em 07.04.19

Captura de ecrã de 2019-04-06 12-55-28.jpg

Os amiguinhos dos animais voltaram ontem a manifestar-se em Lisboa. Pelos direitos dos bichinhos, argumentaram. Por mim, embora não me manifeste, também acho que os bichos devem ter direito a ter direitos. Nomeadamente o direito a não serem mal-tratados. Para além disso não estou, assim de repente, a ver que outros direitos devem ser concedidos à bicharada.

Muitas daquelas pessoinhas pugnam pelo direito de não serem usados na alimentação humana. Mas isso, convenhamos, é uma coisa assim a atirar  para o parvo. E doentio, já agora. Contra-natura, também. Eles que experimentem – numa realidade paralela qualquer, obviamente – contrariar a natureza, impondo um regime em que nenhum animal seja comido por outro, e vão ver o sarilho que arranjam. Um leão ou um crocodilo vegan seria algo interessante de ver...

Compartilhar no WhatsApp

Animalistas, os novos terroristas.

por Kruzes Kanhoto, em 27.08.18

picadas-de-insetos-5.jpg

 

Esta mania de equiparar, no âmbito dos direitos, os animais às pessoas já ultrapassou há muito aquela fase do ridículo. Que provocava risota. Hoje é um tema que suscita preocupação. Muita, mesmo. Os maníacos autointitulados defensores da causa animal têm conseguido impor as suas ideias e, mais cedo do que tarde, os seus conceitos de vida tornar-se-ão obrigatórios para todos. 

Não é que me importe que os cavalos que puxam as charretes gozem de semana inglesa.  Ou que os cães que guardam os rebanhos trabalhem por turnos para evitar, coitados, um excesso de horas de trabalho. Igualmente não me aflige o fim das touradas. A isso o mercado se encarregará de colocar um ponto final. O que me aborrece de verdade é que tudo isto faz parte de uma estratégia perigosa e que, depois destas, outras causas virão. Algumas até já se perfilam. Como, por exemplo, reconhecer o animal como mais um elemento do agregado familiar para efeitos fiscais ou outros de natureza civil e social.  

Mas o objectivo – claramente já assumido por algumas destas organizações, diga-se - é eliminar a carne da alimentação humana. Será uma questão de tempo. Parece que a alternativa serão os insectos. A ideia está aí. A menos que antes disso se conclua que, afinal, uma melga também tem sentimentos.

Compartilhar no WhatsApp