Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Tourada de desconfinamento

por Kruzes Kanhoto, em 26.06.20

png-clipart-spanish-fighting-bull-a-matador-bullfi

A praça de touros cá da terra vai receber a primeira tourada a realizar no pós confinamento. O que constituirá, segundo os organizadores, a reabertura mundial da cultura tauromáquica. Nada que me entusiasme. Nem, tão-pouco, me orgulhe. Causa-me, antes, alguma preocupação. O acontecimento trará à cidade ainda mais gente do que o habitual – sejam aficionados ou amiguinhos dos animais – o que, a juntar aos que resolveram vir para aqui “acampar” durante a pandemia, não augura nada de especialmente bom.

A recuperação do praça de touros foi, na minha opinião de eleitor e contribuinte que gosta de ver dar bom uso aos seus impostos, um dos piores investimentos realizados no concelho com dinheiro público. Por várias razões. Primeiro porque o imóvel tem um valor histórico irrelevante, depois por se tratar de propriedade privada – a transferência para a autarquia durante umas dezenas de anos dá um jeitão à entidade que é dona daquilo – e, finalmente, porque é usada apenas em duas ou três ocasiões por ano. Se, como tudo indica, as touradas acabarem em meia-dúzia de anos é só fazer a conta ao custo de cada uma. Que, recorde-se, não é apenas suportado pelos poucos aficionados locais que frequentam os ditos espectáculos.

O que não se pode quantificar é a má fama que estas iniciativas trazem à cidade. Nem, igualmente, os ganhos para a população se o edifício tivesse sido demolido e, naquele e no espaço envolvente, existisse algo de que todos pudessem desfrutar. Ou, até, nem existisse nada. Não seria pior.

Compartilhar no WhatsApp

Ainda que mal pergunte...

por Kruzes Kanhoto, em 21.07.18

A fotografia de um homem com o filho ao colo enquanto enfrentava um bezerro numa garraiada foi, há poucos dias, amplamente popularizada na Internet. Como seria de esperar suscitou as mais variadas criticas, insultos e, suponho, a apresentação de algumas queixas juntos das entidades que tratam destas coisas. A atitude da criatura foi, como é óbvio, absolutamente irresponsável. Colocou em perigo a integridade física da criança e merece por isso todos os reparos e ainda mais uns quantos. De salientar, no entanto, que a criancinha saiu daquela situação sem um único risco nos cromados.

O que não deixa de ser curioso é que não existe o mesmo espírito critico quando, por exemplo, são publicadas imagens de pirralhos palestinianos levados pelos pais para as sessões de apedrejamento aos soldados israelitas. Quanto a esses parece até haver um elevadíssimo grau de condescendência. Mesmo quando a coisa corre mal. O que, como se sabe, acontece com frequência. Mas, nem nessas circunstâncias, estas alminhas preocupadas atiram a culpa aos progenitores. Porque será?

Compartilhar no WhatsApp