Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Manifestontos

por Kruzes Kanhoto, em 08.04.18

Admito que posso estar a ser injusto nas minhas apreciações – até porque generalizar, normalmente, dá nisso – mas tendo a considerar as manifestações como coisas de gente excêntrica. É que isto ao olhar para quem vai saindo à rua, em defesa de causas ou protestando contra consequências, não me canso de achar que tenho razão.

Os artistas, por exemplo. Têm um produto para vender, que a julgar pelas vidas que vão expondo parece bastante rentável, mas, ainda assim, insistem que o Estado pague a produção. Ou, então, andam-nos a enganar a todos. Pode também, acredito, haver produto que não vende. Não prestará, certamente. Mas, se é assim, o melhor é deixar de o produzir e procurar outra vida. Que isto o contribuinte não tem de andar a financiar falhados. Ah, espera. Tem. Que a essa malta ninguém critica com medo de fazer figura de inculto.

Os gajos dos animais também se manifestaram. Diz que não estão lá muito de acordo que alguns sirvam para degustar. Há que acabar com essa cena, reclamam. Uns tontos, estes manifestantes. Pena que se tenham esquecido de reivindicar o fim dos inseticidas. Baratas, pulgas e moscas têm tanto direito a viver nesta planeta como todos os outros seres vivos, pá!

Compartilhar no WhatsApp

Que se f**** todos os subsio-dependentes!

por Kruzes Kanhoto, em 02.04.18

Por alguma razão, que assim de repente não estou a ver, o Estado retira anualmente uma percentagem – felizmente pequena, diga-se – ao orçamento do país para distribuir pela malta da cultura. Não percebo porquê. Mas, presumo, algum motivo deve haver para o dinheiro dos nossos impostos servir para produzir, entre outras coisas, peças de teatro e películas cinematográficas. Não admira, por isso, a má qualidade. Pouco se terão de preocupar com o sucesso de bilheteira, dado que o graveto está garantido. Que se f*** o público, portanto.

Ainda assim acham pouco. Querem mais. Muito mais. E não admitem que se pense de maneira diferente. Nem mesmo aos seus parceiros de profissões. Houve um deles que ousou criticar a postura de subsidio-dependência dos seus pares e, coitado, têm lhe dito das boas. Que se f**** os subsídios, terá proclamado o homem. E que se f**** também quem os recebe e quem os atribui, acrescento eu.

Compartilhar no WhatsApp