Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Salvar bancos agora já é uma coisa boa?!

por Kruzes Kanhoto, em 14.03.18

74909433128d48836a5deafc5edbdbbc.jpg

 

Primeiro foi o BPN. Sócrates, contra a opinião do seu ministro das finanças, tratou de o salvar. Opção que, como todos sabemos, nos tem custado os olhos da cara. Depois, com o regresso ao poder dos socialistas, foram o Banif e a Caixa a reclamar mais uns milhões – muitos, mesmo – ao erário público. Agora foi o Montepio. Estava à rasca e, naturalmente, o governo socialista sustentado no poder por comunas e blocas lá deu uma mãozinha. Pelo meio, a mesma gente, resolveu o problema aos lesados do BES pagando-lhes com o nosso dinheiro. E, por falar em BES, só não salvaram esse porque, por sorte nossa e azar do Salgado, não estavam no poder.

Ora, essa coisa de salvar bancos andou durante anos a servir de argumento a toda a gente para malhar do governo. No de então. Dava para tudo. Quando, afinal, o governo que era alvo das criticas não tinha salvo nenhum. Curiosamente este argumentário desapareceu do léxico político. Já ninguém o usa. Logo agora que temos um governo especialista em matéria de salvamento bancário! Mas ainda bem que já não temos um governo da direita bafienta, que apenas se preocupava com o capital e só queria o mal das pessoas.

 

Compartilhar no WhatsApp

Um mau comunicador estraga sempre uma boa ideia...

por Kruzes Kanhoto, em 25.09.15

Custa-me a acreditar que António Costa e a sua trupe consigam perder as eleições. Se isso acontecer será um caso de estudo. Algo que servirá de exemplo durante muitos anos sempre que se pretenda demonstrar o que não deve fazer um politico, um partido ou uma candidatura que, de facto, pretenda ser eleito. Nomeadamente quando o adversário é daqueles a quem até o Pato Donald dava uma coça.

Aquilo é cada tiro cada melro. A começar pela tralha que gravita à volta do homem. Gente que cada vez que abre a boca convence cem eleitores a votar noutro partido. Qualquer que ele seja. Depois a maneira de comunicar. Absolutamente incapaz de transmitir uma ideia com clareza, de forma convincente e que faça os ouvintes acreditar que a proposta é séria, exequível e justa.

Veja-se, a titulo de exemplo, aquela coisa das prestações não contributivas ficarem sujeitas à condição de recurso. Uma excelente intenção e, acrescente-se, uma medida da mais elementar justiça. No entanto até mete dó a incapacidade - ou o medo, talvez - dos socialistas explicarem isto de forma a que o eleitorado perceba. Teria a sua piada se uma boa proposta, como esta é, fosse um dos principais motivos para a derrota do seu proponente. Ou, talvez, apenas revelador da qualidade do eleitorado.

Compartilhar no WhatsApp