Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Deve ser aquela cena do multiculturalismo, ou lá o que é...

por Kruzes Kanhoto, em 04.04.19

GPRDHZS74u4.jpg

Não falta gente a esganiçar-se e a rasgar as vestes de indignação perante qualquer declaração de Trump, de Bolsonaro ou dos respetivos acólitos quando em causa estão as referências às mulheres ou às chamadas minorias. Nomeadamente, no âmbito das minorias, aos homossexuais. Ainda que, em muitas circunstâncias, as declarações de ambas as personagens acerca destes assuntos não passem de patetices.

Curiosamente, ou talvez não, as novas punições anunciadas no Brunei, que incluem apedrejamento até à morte para mulheres adulteras e gays, não causam o mesmo nível de irritabilidade. Militantes de causas parvas, gente que faz cenas esquisitas com as partes pudibundas e esquerda em geral, não parecem particularmente aborrecidos. Nos sites destes cavalheiros o destaque vai, no Esquerda.net, para a preocupação por uns quantos italianos pretenderem chegar a roupa ao pelo a setenta ciganos. No “Avante” revoltam-se por os israelitas continuarem a malhar nos palestinianos. Outros, diga-se, que também não apreciam mulheres que praticam o adultério e costumam untar as molas aos marmanjos com tendências desviantes.

E é assim que funciona a indignaçãozinha por cá. Sempre selectiva.

Compartilhar no WhatsApp

Greve inclusiva. Inclusivamente ao consumo.

por Kruzes Kanhoto, em 20.02.19

IMG-20190211-WA0000.jpg

 

Greves, greves e mais greves. Por tudo e por nada, quase. Embora, reconheça-se, a greve constitua um direito pelo qual eu, que sou um grevista não praticante, tenho um enorme apreço e uma invulgar simpatia.

Por isso manifesto, desde já, o meu incondicional apoio à greve anunciada nestes mini-cartazes, folhetos, papéis ou lá o que se queira chamar. Concordo com todas as reivindicações. Mesmo que não saiba ao certo o que é essa coisa da “educação sexual inclusiva”, nem tencione deixar de consumir no dia marcado para a jornada de luta contra a “sociedade de consumo”.

Desconfio que isso da “educação sexual inclusiva” deve ter a ver com introduzir cenas nos orifícios errados. Assim, tipo, lápis nos ouvidos ou nas narinas. Mas também não me interessa muito, que isto cada um goza a seu modo. Como sempre garantia, convictamente, a minha avó quando a informavam dos gostos esquisitos de algum invertido. Já acerca daquilo da “sociedade de consumo” estou mais ou menos elucidado. É aquela “sociedade” onde gente como os promotores de iniciativas desta natureza, vive à conta dos pais até ter idade para viver à conta dos filhos. Ou à nossa. Vai dar ao mesmo.

Compartilhar no WhatsApp

Nó no gorgomilo

por Kruzes Kanhoto, em 05.02.19

IMG_20190127_160641.jpg

O amor é uma coisa muito linda. Mas, ainda assim, proclamá-lo numa parede não se me afigura grande ideia. Mesmo que a parede em causa fique no percurso da amada. Até porque, dado o anonimato da declaração, o mais certo é não resultar.

Quando se discute a utilidade das redes sociais, esta parece ser uma daquelas circunstâncias em que a sua utilidade é por de mais evidente. Não sei se resultava no que diz respeito a desatar o nó que deve andar ali por alturas do gorgomilo mas, ao menos, não borrava a pintura.

Compartilhar no WhatsApp

Trauma colonial, só pode...

por Kruzes Kanhoto, em 13.01.19

Serão, porventura, resquícios mal resolvidos do colonialismo que levam os portugueses a inquietarem-se com tudo o que os governantes das ex-colónias dizem, fazem ou pensam. Nomeadamente de Angola e Brasil. Uma parvoíce, está bem de ver, até porque, desconfio, as populações daqueles países estão-se nas tintas para nós e para os nossos políticos. O que, diga-se, constitui um evidente sinal de inteligência.

Desta vez a indignação vai direitinha para a ministra brasileira que opinou acerca da homossexualidade. Aqui d’el rei, que a senhora é uma besta. Então essa coisa pode lá ser doença, indignou-se a tugalhada. Pois que não sei se é ou deixa de ser, que de medicina nada percebo. Só desconfio é que quem enfia coisas no intestino, seu ou dos outros, não deve regular lá muito bem da caixa dos pirolitos. E já nem vou para a parte religiosa da questão, até por não ser muito dado a isso de acreditar em amigos imaginários. Mas, mesmo assim, estou em crer que Jesus terá dito “ide e multiplicai-vos” e que jamais lhe passaria pela cabeça proclamar “ide e enrabai-vos”.

Compartilhar no WhatsApp

Cada um sabe de si...

por Kruzes Kanhoto, em 02.01.19

IMG_20181231_155017.jpg

Não estou, assim de repente, a perceber que mensagem pretende transmitir a criatura que se deu ao trabalho de escrever esta enigmática e perturbadora frase numa parede situada num espaço público. Bem no centro de uma cidade, mais propriamente. Estará, se calhar, a considerar que isto é tudo uma cambada de medricas, cagarolas e fracotes que é o significado que o dicionário de português atribui a “coninhas”. Mas isso, lá está, sou só eu a divagar. Até porque, embora não seja essa a minha intenção, esta leitura pode revelar-se ofensiva para um - ou mais, que sei eu – dos muitos géneros que agora para aí há.

Quanto ao “e picha”, que alguém acrescentou, disso então nem digo nada. Deve ter sido obra de um machista, sexista, misógino, fascista e portador de mais uma infinidade de defeitos, que não respeitou a criatividade do autor do acto de vandalismo.

Compartilhar no WhatsApp

Sexo só para um?!

por Kruzes Kanhoto, em 23.10.18

IMG_20181020_103947.jpg

 

Houve em tempos uma colecção de livros “Faça você mesmo”. Aquilo ensinava de tudo. Coisas úteis, esclareço. Assim tipo fazer pequenas reparações. Este deve ser algo do género. Ou pior. Provavelmente nem passa de um amontoado de parvoíces rabiscadas por um idiota qualquer. Ou talvez seja uma espécie de manual de instruções sobre a melhor maneira de esgalhar uma segóvia. Ou de espancar o marreco, vá.

Compartilhar no WhatsApp

Insultar está a ficar difícil...

por Kruzes Kanhoto, em 30.06.18

34463517_608624259506801_7156589677590347776_n.jpg

 

Sabe-se que quem disputa não mede bem as palavras. Daí que qualquer desinquieta entre duas pessoas – ou mais, mas fiquemos pela parelha para simplificar – envolva a troca de insultos. Mas isso, pelo caminho que isto está a levar, terá os dias contados. A menos que os envolvidos queiram arriscar pesadas condenações. Não pelas eventuais maleitas físicas que possam provocar ao outro – que um olho furado ou uns miolos à mostra não têm importância nenhuma - mas, antes, por causa das palavras proferidas durante a refega. Estas sim, são perigosas. Podem consubstanciar uns quantos crimes de ódio. Daqueles gravíssimos. E que, certamente, consubstanciam.

O mais avisado é evitar zaragatas. Mas, não sendo de todo possível, o ideal é o oponente ser um homem, branco, heterossexual, sem qualquer defeito físico ou mental e, preferencialmente, que não seja pobre. Mas, ainda assim, são de evitar durante a peleja referências à mãe da criatura ou às suas orientações políticas. A menos que as últimas incluam a admiração por Trump ou a simpatia por tendências fascistas, o que constituiria um insulto bastante valorizável. Todas as restantes ofensas podem ser consideradas como uma atitude discriminatória ou, pior, uma fobia. Conhecida ou, ainda, por inventar.

Compartilhar no WhatsApp

O amor é uma coisa muito linda...

por Kruzes Kanhoto, em 20.06.18

59cb867c070d2.jpg

 

Isto das novas tecnologias é uma coisa catita. Antes - em tempos idos, digamos – havia os anúncios nos jornais e nas revistas, nomeadamente na “Crónica Feminina”, onde o pessoal – tropas e presos na sua maioria, acho eu – publicitava a vontade de conhecer a miúda dos seus sonhos.

Hoje é tudo muito mais moderno, rápido e eficaz. A começar por – e ainda bem que assim é – serem também elas a publicitar o desejo de encontrar um parceiro. Depois, graças à Internet e outras modernices, queimam-se logo uma quantidade de etapas. Nada de esperar pela volta do correio. Nem, tão-pouco, pela chegada de uma fotografia que confirme os atributos até aí imaginados. Agora sabe-se e vê-se logo tudo. Bom...mais ou menos!

Compartilhar no WhatsApp

E contra a trifobia, pázinhos, ninguém luta?!

por Kruzes Kanhoto, em 17.05.18

Diz que hoje é o dia internacional contra a homofobia, a bifobia e a transfobia. Não é que isso me importe – nem exporte, a bem dizer – mas, assim de repente, parece-me uma coisa esquisita. Daí que não vá desenvolver nenhuma acção de luta contra qualquer uma dessas fobias. Até porque, coitadas, nunca me fizeram mal nenhum.

Nestas matérias – como noutras, confesso – sou um bocado ignorante. Se relativamente à primeira – a homofobia – tenho uma vaga ideia do que seja, já quanto às outras são conceitos que escapam ao meu conhecimento. Bifobia será alguém com duas fobias, certamente. E transfobia deve ser quando um gajo ou uma gaja - ou um coiso, vá - tem medo ou aversão a transportes. Públicos, nomeadamente. Que, calculo, deve ser uma fobia muito comum. A não ser assim haverá aqui uma ilegítima apropriação linguística, em beneficio próprio, de algum grupo modernaço...

Compartilhar no WhatsApp

Cidadania activa

por Kruzes Kanhoto, em 20.04.18

IMG-20180418-WA0000.jpg

 

Há quem considere os automóveis uma praga. Os dos outros, nomeadamente. Mas lá que são muitos, são. A circular e parados. Alguns no mesmo sítio durante semanas, meses e, até, anos a fio. Sendo sobejamente conhecida a pouca competência revelada pelas autoridades supostamente competentes nesta matéria, é natural que os cidadãos, para chamar a atenção, desenvolvam acções. E estas parecem boas. Haja quem as siga. Às acções. Ou a estes exemplos, sei lá.

Compartilhar no WhatsApp

Casa para meliantes

por Kruzes Kanhoto, em 19.04.18

Quem lê as capas da imprensa portuguesa facilmente conclui que vivemos num país de malucos, governado por doidos varridos e onde as correntes com os mais graves problemas demenciais se tornaram nos novos donos disto tudo. Todos os dias temos maluquices novas. Já não estranho. Nem, na maior parte dos dias, ligo. É o hábito. O tal que se não faz o monge, faz o eleitor revoltado que acaba a votar nos "populistas".  

Hoje ficámos a saber, pelo JN, que o Estado vai financiar casas para jovens delinquentes. Ou seja, vamos pagar, para além da nossas, as casas dos meliantes. Mesmo que estes escondam nas suas habitações verdadeiras fortunas. Como o outro, a quem a polícia apreendeu trezentos mil euros. Enquanto isso quem faz uma vida normal vai pagando estes desmandos. Como aqueles ricaços que ganham dez mil euros por ano e pagam quinhentos de IRS. Bem-feita. Ninguém os manda ser parvos. Só trabalham porque querem. 

Compartilhar no WhatsApp

Gajas nuas!!!!

por Kruzes Kanhoto, em 12.04.18

el_movil.jpg

 

O investimento e o empreendedorismo estão, definitivamente, a passar por aqui. São, ao que se diz, mais que muitos os investidores, os milhões e os postos de trabalho. Agora é um "Parque de campismo e caravanismo naturista" que vai ser construído no concelho. Parece-me bem. Esse ou qualquer outro investimento. Vestidos ou nús, precisamos de quem invista e traga dinheiro a uma região quase despida de investidores. Neste caso, presumo, os empregos a criar não serão muitos. Se calhar serão mais os mirones. Mas não importa. O que interessa é que essa malta, mesmo andando em pelota, não se esqueça de trazer a carteira.  

De salientar que isto por aqui está a ficar esquisito. Parque para nudistas, hotéis para gays, no mercado de sábado de manhã gente até mais não com ar de quem agasalha o croquete... começo a desconfiar que, mais dia menos dia, ainda fazem disto a San Francisco de Portugal. 

Compartilhar no WhatsApp

Que se f**** todos os subsio-dependentes!

por Kruzes Kanhoto, em 02.04.18

Por alguma razão, que assim de repente não estou a ver, o Estado retira anualmente uma percentagem – felizmente pequena, diga-se – ao orçamento do país para distribuir pela malta da cultura. Não percebo porquê. Mas, presumo, algum motivo deve haver para o dinheiro dos nossos impostos servir para produzir, entre outras coisas, peças de teatro e películas cinematográficas. Não admira, por isso, a má qualidade. Pouco se terão de preocupar com o sucesso de bilheteira, dado que o graveto está garantido. Que se f*** o público, portanto.

Ainda assim acham pouco. Querem mais. Muito mais. E não admitem que se pense de maneira diferente. Nem mesmo aos seus parceiros de profissões. Houve um deles que ousou criticar a postura de subsidio-dependência dos seus pares e, coitado, têm lhe dito das boas. Que se f**** os subsídios, terá proclamado o homem. E que se f**** também quem os recebe e quem os atribui, acrescento eu.

Compartilhar no WhatsApp

Enrolem-se à vontade...mas não aborreçam os outros!

por Kruzes Kanhoto, em 16.03.18

images.jpeg

 

Não sendo utilizador de transportes colectivos, desconhecia que é possível pessoas e animais viajarem juntos. Cuidava eu que tal misturada era coisa de comédia cinematográfica a parodiar aqueles países atrasados onde galinhas, porcos e pessoas viajam todos todos em alegre promiscuidade. Mas diz que não. Parece que, também por cá, pode ir tudo no mesmo espaço. Seja comboio, autocarro ou avião. Desde que, parece, o bicho vá devidamente acondicionado numa maleta colocada debaixo do banco onde se senta o dono. Como se o animal que viaje nessas condições não mije, cague ou faça barulho. Que incomode, em suma.

Isto a propósito daquela noticia da morte de uma canito que não foi autorizado a viajar de avião junto do dono. A Internet, como seria de esperar, indignou-se. Por mim a companhia de aviação fez muitíssimo bem. O passageiro do lado não tem nada de aturar a presença de um bicho.

Deve ser, presumo, um sinal dos tempos. Ou não, porque gente esquisita sempre houve. A diferença é que antes não nos aborreciam com as suas esquisitices e agora somos nós que somos considerados esquisitos se nos aborrecermos com as suas manias. Por mim, insisto, desde que não chateiem os demais façam o que quiserem com a bicharada. Até coisar e isso, como alguns e algumas já fazem com os de maior porte.

Compartilhar no WhatsApp

Paineleiros...

por Kruzes Kanhoto, em 18.01.18

DD7MyLRUMAAe5RI.jpg

 

Os homens não se medem aos palmos, já garantia a minha avó. Medem-se, queria a minha antepassada dizer na dela, pelo carácter. Entre outras coisas, acrescento eu. Daí que, pese a ausência de ambos, não pretenda gozar com o cavalheiro da imagem. Até por não conhecer os motivos que levam o sujeito a colocar as almofadas debaixo da peida. Ele lá saberá o que andou a fazer antes de ir para o estúdio. Há, no entanto, quem garanta que será tudo uma questão de tamanho. Por mim, que há muito deixei de ouvir as patacoadas da alimária, que seja apenas isso do tamanho. Dele ou do outro.

Compartilhar no WhatsApp

Piripiri na patareca

por Kruzes Kanhoto, em 11.12.17

 

Depois do rasgar de vestes a que assistimos na sequência daquele acórdão manhoso - que metia citações da bíblia e alarvidades diversas - relativamente a um caso de adultério, estou curioso quanto ao que se vai seguir quando for conhecida a sentença de um crime de carácter passional que está a ser julgado por estes dias. É o caso de uma senhora que, chateada com a traição do companheiro, entendeu vingar-se despejando piripiri na patareca da rival. Entre outras patifarias, ao que consta.

Admito que, para os anteriores indignados e nomeadamente para as militantes feministas, não se trate de um assunto fácil. Reconhecer a perversidade desta criatura quando descobriu o alegado encornanço e a violência da agressão cometida sobre a “outra”, era coisa que só ficaria bem a todos os que andaram por aí a largar postas de pescada acerca do machismo de que, afiançam, ainda padece a sociedade portuguesa. Mesmo que na sentença deste caso não conste nenhum provérbio.

Compartilhar no WhatsApp

Reescrevam-se as histórias infantis!

por Kruzes Kanhoto, em 26.11.17

Uma inglesa doida varrida pretende banir a história da “Bela Adormecida” da escola do filho – desgraçada da criança que tal mãe tem – com o fantástico argumento que isso transmite às crianças que é legitimo a um homem beijar uma mulher enquanto esta dorme e, por consequência, sem o seu consentimento. Por incrível que possa parecer, a ideia suscita a simpatia de muita gente e merece um assustador número de comentários concordantes. Está tudo doido. Só pode. Ou, então, é um sinal dos tempos. Ou do fim deles.

Por cá, não há assim tanto tempo, já tivemos casos parecidos. Como aquela cena do “atirei o pau ao gato” e isso, que levou uns quantos patetas a argumentar que se tratava de promover a violência contra os bichanos. Só não percebo é porque não se indignam com o outro conto infantil em que a garota beija o sapo e o batráquio se transforma num príncipe. Oscular um bicho parece-me um acto repugnante e próprio de javardos.

Fico, também, à espera de um levantamento popular relativamente a outras histórias infantis. A Branca de Neve, por exemplo, que suspeito anda enrolada com sete gajos de baixa estatura. Comportamento que, convenhamos, não se afigura como o mais adequado para transmitir a criancinhas de tenra idade. E, pior ainda, nenhum desses baixinhos é negro, cigano ou muçulmano. Nem, mais grave, há entre eles qualquer homossexual. O que configura uma evidente promoção do racismo, homofobia e islamofobia. Só não vê quem não quer.

Compartilhar no WhatsApp

A igreja e os homossexuais

por Kruzes Kanhoto, em 17.11.17

Mesmo não sendo devoto de nenhuma causa religiosa – a minha religião é o Benfica, e isso me envaidece – tenho a vaga sensação de, em algum lado, ter lido ou ouvido que a igreja católica estaria a atravessar uma grave crise de vocações. Tanto assim seria que, ao que até agora era a minha crença, os candidatos a percorrer os caminhos da fé e a dedicarem a vida a Cristo seriam em número quase insignificante. Ou seja, ninguém queria ir para padre.

Parece que, também nisto, não podia estar mais enganado. Afinal existirá uma legião imensa de gente que aquilo porque mais anseia é vestir a sotaina. Bastou um clérigo qualquer afirmar que os homossexuais não reúnem as condições necessárias para o acesso à profissão – de fé, no caso – e que, portanto, não serão admitidos no sacerdócio para, quase de imediato, serem mais do que muitos os que, de repente, descobriram a vocação. Isto, claro, a julgar pelas reacções exacerbadas que as palavras do senhor – o vigário, não o Outro – motivaram entre, quero acreditar, os putativos candidatos a seminaristas. Ou, então, são apenas os cães raivosos do politicamente correcto a mostrarem os dentes quando alguém lhes “vai ao cú”.

Mas, a bem dizer, a posição da igreja quanto a esta temática não se me afigura muito católica. Podiam, digo eu, aceitar os homossexuais. Pelo menos os não praticantes.

 

Compartilhar no WhatsApp

Uma questão de anatomia

por Kruzes Kanhoto, em 13.11.17

Dizer que um dia destes não se pode manifestar uma opinião divergente do modelo de pensamento único que está a ser imposto à sociedade, não constitui nenhuma espécie de premonição. É, apenas, constatar o óbvio. E, em algumas circunstâncias, nem é necessário expressar opinião nenhuma. Basta distraidamente dizer qualquer coisa que ofenda os policias do politicamente correcto que, quais pides dos tempos modernos, se encontram ao virar da esquina. Ou da tecla, que agora é mais moderno.

Uma das muitas vitimas destas bestas foi, ao que é noticiado, um professor inglês que – por uma confusão qualquer – chamou menina a uma gaiata que tem a mania que é um gajo. “Aquilo simplesmente saiu-me”, ter-se-á desculpado o docente que – veja-se lá a ignorância do homem – acredita que o sexo de cada um é definido quando se nasce. As pessoas acreditam em cada coisa…

Mas, crenças à parte, o professor está metido em sarilhos. A pirralha levou aquilo a peito, fez queixinha e agora o mais certo é ser despedido. Por mim a coisa resolvia-se muito facilmente. Homem tem próstata. Portanto alguém que enfie o dedo no cú da catraia e ficam as dúvidas esclarecidas quanto ao que ela é ou não. O resto são ideias de merda.

Compartilhar no WhatsApp

O Estado serve, ao certo, para quê?!

por Kruzes Kanhoto, em 12.11.17

Que um policia seja malhado por um meliante não me parece nada de por aí além. É um dos riscos, talvez o principal, que consigo associar à profissão. Inquietante é a ausência de reacção à agressão. Quer o agente agredido quer o colega teriam, como todos os agentes da autoridade, uma arma à cintura. E, ambos, optaram por não a utilizar. Em cumprimento, presumo, de alguma lei ou regulamento que determina o protocolo a seguir numa daquelas situações. Ou, mais inquietante ainda, por receio do que viria a seguir se, por sorte, limpassem o sebo ao agressor. Ora é precisamente aqui que a coisa se torna extremamente preocupante. Se os policias agiram assim quando em causa estava o seu próprio coiro, nem quero imaginar o que fariam se fosse o meu.

Perante situações deste género, a pergunta “para que serve o Estado?” é cada vez mais pertinente. Se abandona o território, deixa as populações à sua sorte e não garante a segurança dos cidadãos não parece que sirva para grande coisa. Excepto, talvez, para aquilo de recolher impostos com vista a satisfazer pensionistas e sindicatos.

Compartilhar no WhatsApp