Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Meninos rabinos…

por Kruzes Kanhoto, em 24.09.19

Parece que um motorista se deparou, face a facínora, com um grupo de meliantes a assaltar-lhe a viatura. Não terá, a fazer fé no que se sabe acerca do acontecimento, sido particularmente simpático para com os patifes e, pasme-se, até os terá impedido de continuar a exercer a sua actividade. O que, naturalmente, os deixou indignados levando a que tenham recorrido à GNR para que a normalidade fosse reposta. Esta, chegada ao local da altercação, tomou conta da ocorrência e tratou de deter o motorista. Bem feita, que isto de prejudicar quem trabalha bem bastou no tempo do governo da direita.

Identificados pela PSP também foram uns quantos militantes, simpatizantes ou lá que eram, do PNR que pintaram uma parede onde antes um grupo de BE tinha rabiscado uns gatafunhos. Uma ilegalidade, isso de limpar o que outros sujam. Diz que em tempo de eleições pode-se sujar à vontade e quem se atrever a reparar os estragos arrisca-se a ir de cana. O mesmo princípio, presumo, aplica-se a todas as paredes. Sejam elas de edifícios públicos ou de prédios do Robles. Embora desconfie – mas isso é o meu mau feitio – que nem o Bloco ia fazer javardices para os prédios daquele gajo nem, se o fizesse, o PNR lá ia pintar por cima.

O que têm estas duas historietas em comum? Pouca coisa, se calhar. Eu é que ando com a impressão - vá lá saber-se porquê - que os legisladores tugas são grandes apreciadores da obra do Ary dos Santos. Aqueles versos, cantados pelo Fernando Tordo, onde se proclama a páginas tantas “detesto os bonzinhos, adoro os malvados” fazem cada vez mais sentido.

Compartilhar no WhatsApp

Ca' marados!

por Kruzes Kanhoto, em 12.11.18

Nem seria preciso uma confissão pública. Já toda a gente sabia que o Bloco – ou Bloca, para usar o seu linguajar – pretende fazer parte de um futuro governo. Nada de mais, diga-se. Qualquer partido terá igual ambição. Até o PNR, que nem tem representação parlamentar, desejará o mesmo. Estranho é que, não sendo a esmagadora maioria dos portugueses absolutamente estúpidos, a quase certeza de, pela mão do partido socialista, esta hipótese se concretizar não cause alvoroço e um sentimento de indignação perante a perspetiva de ver um bando de gente – ainda mais - alucinada tomar o poder. Para já motivou o entusiasmo da generalidade dos meios de comunicação social. O que não admira. Tenho esperança que, tendo os média e a esmagadora maioria dos portugueses pouco em comum, essa desgraça nunca se concretize. 

Compartilhar no WhatsApp