Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Nova PIDE

por Kruzes Kanhoto, em 30.12.18

Parece que um cidadão - membro de uma Assembleia Municipal, embora para o caso essa condição pouco importe – foi notificado para pagar uma multa no valor de umas centenas de euros por, no seu discurso, juntar na mesma frase palavras como “ciganos, romenos e meliantes”, a que terá acrescentado expressões como “incomodar residentes” e “causar desacatos”. A sanção pecuniária terá sido aplicada por uma dessas novas organizações criadas para vigiar a linguagem, os comportamentos e as atitudes de pessoas e instituições. Uma nova PIDE, no fundo. O dito cidadão irá, certamente, recorrer à justiça de tão grave atentado à sua liberdade de expressão. Será, muito provavelmente, absolvido desta acusação. Ficam, no entanto, o incómodo, o aborrecimento e, principalmente, o procedimento pidesco de que foi alvo.

Andam há anos a impingir-nos o papão da extrema-direita, do regresso do fascismo e dos perigos que isso representa para democracia. Temeram, primeiro, a propagação destes ideais pela Europa e começam agora a recear a sua chegada a Portugal. O que, face a ocorrências desta natureza, não constituirá motivo para grande surpresa, diga-se. A PIDE não era propriamente uma organização apreciada pelos portugueses. Nem, tão-pouco, a bufaria é algo que suscite a nossa simpatia. Por mais justificações que procurem encontrar.

Compartilhar no WhatsApp

Novas Pides

por Kruzes Kanhoto, em 28.01.18

166108666.jpg

 

O governo das esquerdalhas e de outros malucos, sustentado por uma base social constituída maioritariamente por grupos de interesse, doidos varridos de vários quadrantes, militantes de causas desprezíveis e uma comunicação social ao serviço destas e de outras matilhas vai, pouco a pouco, limitando as liberdades dos cidadãos e transformando o país num amplo manicómio a céu aberto.

Para lá das opções políticas rumo ao socialismo a que temos assistido desde que a geringonça tomou conta disto, não falta de legislação a condicionar as escolhas de cada um, a imposição - sob diversas formas - da censura e, pior, a manipulação da informação. Voltou-se a proibir a emissão de programas de televisão e agora, ao que parece, preparam-se para proibir o acesso à Internet, sem autorização dos pais, aos jovens até aos dezasseis anos.

Nem vou questionar aquela cena dos “Magalhães”. Igualmente me abstenho quanto à maneira como pensam aquelas mentes censórias aplicar essa legislação. Mas ninguém, pelo menos por enquanto, me pode impedir de pensar nas mais que prováveis consequências desta tramóia. Até parece que já estou a ver as tais CPCJ’s a chamarem à sua presença os papás que autorizarem os rebentos a navegar livremente pela rede. E outras coisas mais de que as novas pides do politicamente correcto se hão-de lembrar.

Compartilhar no WhatsApp