Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Dissertações

por Kruzes Kanhoto, em 20.03.18

478358138.jpg

 

Anda para aí meio mundo indignado por Passos Coelho ter sido convidado para professor numa universidade. Não se me afigura que exista motivo para tanto. Nomeadamente num país onde, a julgar pela ausência de igual nível de irritabilidade, toda a gente parece achar normal que o líder da claque do futebol clube do Porto seja orador em palestras acerca da ética no desporto. Ou que, para além de mim, poucos mais achem um disparate que José Sócrates vá dissertar sobre economia na universidade de Coimbra.

Admito não estar a ver bem a coisa. Se calhar, no caso do macaco e do ex-detido de Évora, a intenção será demonstrar aos participantes nas respectivas iniciativas aquilo que nunca devem fazer. Assim tipo, “estão a ouvir estes senhores? Façam o contrário do que eles dizem e vão ver que o mundo será um lugar melhor”.

Quanto ao Passos Coelho… coube-lhe aquela chatice de tirar o país da terceira bancarrota originada por governos socialistas. Fez, à conta disso, um rol imenso de disparates. Menos, ainda assim, que qualquer dos outros dissertantes acima mencionados. Mas, como forma de expiação, devia era ir dar aulas para uma universidade sénior...

Compartilhar no WhatsApp

A culpa é do Passos, pá!

por Kruzes Kanhoto, em 13.12.17

Parece que aquela cena da Raríssimas já tem um culpado. Ou responsável, vá. E não, não é o actual ministro da Segurança Social que, para além de tutelar a instituição, até foi vice-presidente da assembleia geral daquela coisa, onde, pelos vistos, fazia como a Cristas enquanto ministra.

Desengane-se, também, quem esteja com ideias de culpabilizar os restantes membros de todos os outros corpos sociais da associação. Não viram nada, não sabiam de nada e coisa nenhuma lhes levantou suspeita. Livrem-se, igualmente, de suspeitar que os serviços públicos competentes – é, obviamente, uma força de expressão – possam ter no caso, ainda que ao de leve, alguma responsabilidade no assunto. Não tiveram. Nunca têm.

A culpa, como ando desde ontem a ler e a ouvir, foi do Passos Coelho. Nem podia ser de outro. E não vale a pena perguntar porquê. Os acusadores disparam, de rajada e à queima-roupa, um infindável rol de motivos que, todos juntos, me deixam convencido da sua razão. Desde aquilo de ter reduzido o Estado ao mínimo indispensável, à promoção da caridade, ao retirar o apoio que o Estado devia dar a tudo e mais alguma coisa para passar essa função para os privados, até apenas porque sim e porque Passos é Passos, tudo tem servido para culpar o ex-governante pelas alegadas tramóias que agora vieram a público.

Nada disto é surpreendente. A culpa, seja do que for, nunca pode ser de ninguém de esquerda. Nem, sequer, a solução que a canhota apresenta para que casos destes não se repitam causa grande espanto. Ponha-se o Estado a prestar todos esses serviços de assistência social, defendem. Assim estilo ex-União Soviética e outros paraísos felizmente extintos.

Compartilhar no WhatsApp

Há muita falta de memória...

por Kruzes Kanhoto, em 12.09.15

Escrevi em inúmeras ocasiões que os portugueses nada aprenderam com a crise. Nada. Nadinha. Népia. A maioria não percebe a ponta de um corno de politica, são iletrados em matéria financeira e, quase todos, uns perfeitos ignorantes da nossa história. Mesmo da mais recente. Além de que padecem de outro problema. São terrivelmente esquecidos e apenas conseguem reter na memória as recordações de curtíssimo prazo.

Tanto assim é que se preparam para colocar outra vez o PS no poder e eleger toda a tralha de incompetentes que nos levou à falência. Outro sinal – tão preocupante como o primeiro - é que, a julgar pela amostra de hoje, se puderem vão às trombas ao Parvus Coelho. Já não se lembram que o último politico que levou nas fuças foi Presidente da República durante dez anos quando, na campanha em que foi escovado, não tinha mais de oito por cento das intenções de voto...



Compartilhar no WhatsApp