Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

A inclusão é uma cena muito fixe...

Kruzes Kanhoto, 15.07.21

E está na moda. Hoje tudo tem de parecer inclusivo e todos se esforçam muito por incluir nesse conceito alarve o quer que seja mais um par de botas. Ou não. É que isto da inclusão é o raio de uma modernice idiota que nada significa e faz parecer quem a pratica ou promove, quase sempre, um verdadeiro imbecil. Veja-se este dialogo, deveras edificante se fosse verdadeiro, que circula pelas redes sociais:

Fui a um restaurante com uma amiga. A empregada chega para nos atender e cumprimenta-nos com um sorriso:

- "Olá Amigues!"

- "Amigues?", interrogo, também com um sorriso.

- "Isso mesmo, somos um restaurante inclusivo!", respondeu ela, com orgulho.

- "Olha que bom! Isso é ótimo porque daqui pouco tempo chegará um amigo que é cego. Você tem a carta em Braille?"

- "Não, não temos isso.”

- "Ok, mas também espero uma amiga, que virá com a afilhada, que é autista. Menu com pictogramas, otimizado para pessoas autistas, vocês têm?”

- "Não, desculpe...", ela disse visivelmente nervosa.

- "Não tem problema, isso geralmente acontece. Imagino que a linguagem de sinais para clientes surdos você deve saber certo?"

- "A verdade é que você está me encurralando", responde sorrindo de nervoso.

Ela não estava mais confortável, tímida de vergonha, um pouco de culpa e um pouco de desconforto também.

Então eu disse:

"- Não se preocupe, isso geralmente acontece. Mas então lamento dizer que vocês não são um lugar inclusivo, vocês querem estar na moda. Aqui, essas pessoas não conseguiriam comunicar ou pedir para comer ou beber.

Se quer ser inclusivo, inclua todos.

Todos aqueles a quem o sistema não dá oportunidade. É difícil sim, e muito, mas não devemos achar que um E, um X, ou @ no final faz de você inclusivo.”

Em conclusão. Vão ser inclusivos para a puta que vos pariu. Se todos tratar-mos os outros com o devido respeito, essa coisa da inclusão está resolvida sem necessidade de assassinar a língua portuguesa.

A culpa é das abelhas...

Kruzes Kanhoto, 20.05.21

Captura de ecrã 2021-05-20 224553.png

Ah, pronto, então é isso. Fico mais descansado. Eu para aqui a pensar em inúmeros outros motivos e, afinal, é por uma boa causa. Tão boa que, desconfio, nem a maior parte dos gajos que decidem sobre estas coisas pensou nela como desculpa para não cortar as ervas que invadem os espaços públicos. Mas ainda bem que as preocupações ambientais chegaram a este ponto. Ou idiotice, se preferirem. Está encontrada uma boa razão para os proprietários de terrenos não gastarem uma pequena fortuna a limpá-los. Sim, que as abelhas podem ser espertas, mas tenho sérias dúvidas que consigam distinguir ervas públicas de ervas privadas. Isso, desconfio, só estará ao alcance de um génio como o ministro da administração interna. Ou não se chamasse ele Cabrita…