Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Alqueva

Kruzes Kanhoto, 08.08.22

1659199128743.jpg

Ainda me lembro da maior parte dos argumentos daqueles que se opunham à construção da barragem de Alqueva. Eram muitos. Os opositores e os argumentos. Felizmente não foram ouvidos e quem tinha de decidir resolveu fazê-lo sem atender às opiniões dos que – e são muitíssimos – não fazem nem deixam fazer. Ou como dizia o meu tio-avô preferido, “não f**** nem saem de cima”.

Estes anos todos depois está mais do que à vista que valeu a pena. Só um tolinho ou um daqueles espécimes que está sempre do contra – o que, no fundo, é a mesma coisa – defenderá o contrário. Não me interessa se a terra está nas mãos de empresários espanhóis, americanos ou chineses. Pouco me importam essas e outras minudências com que certos figurões estão sempre a embirrar. O que verdadeiramente importa é que agora existe algum progresso – infelizmente ainda não o bastante – há emprego e, sobretudo, água onde antes só havia pastos e calhaus. O resto é conversa fiada. Ah, e também praias fantásticas, de águas mornas logo ali quase ao virar da curva.

Contribuintes vão dar casa a mais de 52 mil...

Kruzes Kanhoto, 06.08.22

Captura de ecrã de 2022-08-06 16-56-11.png

O que eu gosto destas noticias que envolvem aquele conceito tão fixe de o Estado dar coisas. Por norma - até porque fica sempre bem - aos pobres e desfavorecidos desta vida. Sejam estes últimos, os desfavorecidos, quem forem. O leque desta malta é vasto e o Estado, nomeadamente quando gerido pelo partido socialista, evidencia especial apreço em financiar a sua existência. Vai desde os que padecem de alergia ao labor aos sofrem da permanente vontade de se governar à conta do Orçamento. E quem, quando no poder, assim não fizer pode encomendar o funeral político. Veja-se o caso de Passos Coelho por ter recusado, contra o que ainda hoje defende o PS, financiar o Ricardo Salgado quando da queda do BES.

Mas há, também, o reverso da medalha. Muitos destes cento e oitenta e cinco autarcas – ou outros, se a dádiva não for cumprida neste mandato - vão tê-lo nas próximas autárquicas. No Alentejo não existe o hábito de “dar casinhas” e os resultados desastrosos dessas oferendas, nos poucos concelhos onde isso aconteceu, tem servido de “vacina” para que outros não enveredem por esse caminho. Não posso ter a certeza absoluta que aqueles que derem casas vão perder as eleições, que isto há sempre quem não se importe com a maneira como esturram o dinheiro dos seus impostos. O que sei é que, garantidamente, não levam o meu voto.

Uma sombra só para mim

Kruzes Kanhoto, 05.08.22

IMG_20220804_174149.jpg

Com a canícula a teimar em não dar tréguas, vale tudo para conseguir um lugar à sombra. Nomeadamente se estivermos num parque de estacionamento, o sol estiver a pino, a temperatura andar pelos quarenta graus e estivermos no Alentejo que, como diz a canção, não tem sombra a não ser a que vem do céu.

Não, não vou implicar com a criatura que deixou o carro estacionado em posição contrária ao que indicam as marcas. Prefiro fazê-lo com todos aqueles que ao longo dos tempos – desde que me lembro, mas já antes devia ser a mesma coisa – têm optado por não plantar árvores na cidade. Nesta e em quase todas as outras do Alentejo. E nem venham, como já ouvi argumentar, com a falta de água. As árvores ao fundo da minha rua só são “regadas” quando chove e continuam verdes e frondosas.

Não tenho os autarcas alentejanos na conta de incompetentes. São mas é uns malandrecos – um ou outro será, quando muito, um malandro, mas isso é outra história – que preferem manter o Alentejo apenas com as sombras que vêm do céu, para que as “Marias” desta vida se cheguem para a sombra do respectivo chapéu...

Deixem o "Kompanheiro" sossegado lá no caixote do lixo da história

Kruzes Kanhoto, 31.07.22

Que os políticos tenham, com inusitada frequência, ideias parvas é coisa a que já estamos habituados. Todos nós, nas nossas vidas, padecemos dessa maleita. A diferença é que quando eu tenho uma ideia parva – e tenho muitas, confesso – tudo o que daí resultar é apenas problema meu. Com as ideias dos políticos não é assim. As consequências, nomeadamente ao nível dos custos, são para todos. E quando escrevo custos estou a pensar não só nos económicos mas, principalmente, noutros.

Isto a propósito da intenção da Câmara de Lisboa erigir uma estátua, busto ou seja lá o que for em homenagem a Vasco Gonçalves. Se a ideia viesse dos comunistas – a muralha de aço daqueles tempos - ainda se percebia. Seria coerente com os princípios absolutamente loucos e inaplicáveis à vida em sociedade que defendem. Tão inaplicáveis que nem eles os conseguem aplicar à sua própria vida. Mas essa intenção provir de gente oriunda de partidos democráticos, que lutaram contra as ideias daquele maluco, constitui algo de absolutamente inexplicável. Ou então, no caso do autarca de Lisboa, será algum resquício de infância ainda por resolver. Mas disso não têm os lisboetas, nem os portugueses em geral, culpa nenhuma. Se for o caso, então que construa um monumento ao “companheiro Vasco” no quintal da casa paterna e não incomode quem gosta da democracia. Que é como quem diz a esmagadora maioria dos portugueses. Por enquanto.

Lucros excessivos...até do Estado!

Kruzes Kanhoto, 27.07.22

Algumas das maiores empresas a operar em Portugal apresentam, nos primeiros seis meses do ano, um lucro no montante de algumas centenas de milhões de euros e isso provoca a ira generalizada. No mesmo período o governo anuncia um excesso de cobrança fiscal, face ao previsto, superior a mil e cem milhões de euros e ninguém parecer ficar chateado. Vá lá perceber-se esta gente.

Por mim – lá está, é a minha mania de ser do contra - gosto do lucro. É um conceito que aprecio. Quando é razoável deve estar sujeito a impostos razoáveis e quando elevado devido a circunstâncias extraordinárias, como é agora o caso, taxado também de forma extraordinária. O mesmo, obviamente, em relação à receita do Estado. Se ela é muito superior à prevista, então é porque está a cobrar impostos em excesso e das duas uma. Ou os baixa ou paga as dividas.

Na boa tradição socialista nada disso ocorrerá. O governo não taxará as empresas com lucros elevados não vão esses empresários ficarem aborrecidos e já não os contratarem quando passarem à condição de ex-governantes. Igualmente não baixarão o IRS ou outro imposto. Nem, menos ainda, amortizarão a divida pública. Pelo contrário. Vão esturrar tudo. Sabem que o povo gosta de circo. Tanto que até escolhe palhaços para o governar.

Vou mas é a pé...

Kruzes Kanhoto, 24.07.22

As férias constituem quase sempre um tempo em que as leituras são postas em dia. Foi o que fiz nestes últimos dias. Dado que pouco ou nada sabia acerca do tema, aproveitei para ler umas cenas sobre automóveis eléctricos. Prática que sempre sigo quando me quero informar sobre assuntos em que o meu nível de conhecimento anda perto do zero.

Aquilo é coisa que gera paixões assolapadas e ódios de estimação, especialmente entre os especialistas especializados na especialidade. Os argumentos a favor são, maioritariamente, a defesa do ambiente e a alegada poupança com a sua utilização. Contra, o preço, a autonomia e a pouca durabilidade das baterias. Diz que ao fim de oito anos estão capazes de ir para o lixo e substitui-las, parece, custa tanto como um carro novo.

Mas nem precisava de tanta leitura. Bastou ouvir o tipo que há trinta anos e tal anos me vende automóveis. Garante-me o cavalheiro que com um “eléctrico” acessível à minha carteira – aquele em que deixo no stand o automóvel antigo e as notas no montante da diferença – uma carga da bateria dará para ir a Badajoz e voltar. Se, acrescentou, não vier por aí a conduzir à maluca. O que, obviamente, é motivo mais do que suficiente para obstaculizar aquela opção. Não estou para isso. Já não tenho idade para andar constantemente a meter e a tirar a ficha na tomada.

Não mexam no meu “rodinhas”!!!

Kruzes Kanhoto, 23.07.22

 

Captura de ecrã de 2022-07-23 17-42-49.png

Costa - o primeiro ministro – pode fazer coligações com partidos extremistas e de ideologia totalitária, manter ministros com vocação para a trapalhada, rebentar com o SNS, endividar o país a um nível nunca visto, sufocar-nos com a maior carga fiscal que as gerações actuais já conheceram ou trapacear-nos com as mais variadas promessas. Poucos se importam com isso. E os raros que manifestam alguma preocupação com esta tragédia são rapidamente silenciados pelo imenso clamor que sai em defesa do governante.

O coro de adoradores do socialismo vigente apenas desafina quando em causa está o carrinho. Tem sido assim com o elevado preço dos combustíveis – área onde a “muralha de aço” de defensores da criatura já revela algumas fissuras - e, a julgar pelas reacções, será ainda pior se António Costa continuar a investir contra o automóvel.

Desta vez o homem foi racional e disse o óbvio. As cidades têm de se habituar a viver sem o carro e “o melhor a fazer é estacionar o automóvel”, acrescentou. Para os portugueses foi demais. Não se importam de serem governados por comunistas e outros malucos, não terem médico de família ou atendimento decente nos hospitais também é como o outro e toleram que lhes vão à carteira com o maior descaramento, mas deixar de lado o carrinho é que nem pensar. Se persistir nesta demanda está tramado. Bem pode distribuir subsídios aos fiscalmente pobres, iludir os reformados e a malta do salário mínimo com aumentos ou anunciar pela octingentésima décima segunda vez os milhões do PRR. De nada lhe vai servir de continuar a implicar com “ai Jesus” dos portugueses.

Tudólogos

Kruzes Kanhoto, 16.07.22

O calor trouxe de volta os incêndios e, com eles, os especialistas em matagais, fogaréus e afins. Todos têm soluções para resolver este flagelo e poucos hesitam em apontar o dedo aos proprietários dos terrenos, esses patifes gananciosos. A ideia que qualquer sub-urbano tem de um proprietário rural é a de alguém cheio de dinheiro que apenas por velhacaria ou sovinice não cuida dos seus terrenos. Esquecem-se, ou não sabem, que em muitas circunstâncias são pessoas pobres, velhas, ou que não conseguem tirar a rentabilidade necessária para pagar a limpeza anual das propriedades. Sim, surpreendam-se, aquilo é coisa que se tem de fazer todos os anos porque a natureza não está sempre como o urbano-depressivo a vê na televisão ou quando esporadicamente vem à “província”.

Aflige-me que aos especialistas da especialidade, paineleiros televisivos de ocasião e comentadores de rede social, quando debitam as mais variadas e estapafúrdias alarvidades acerca do tema, nunca lhes ocorra que se as suas ideias fossem alguma coisa de jeito existiria uma elevada probabilidade de já terem ocorrido aos espanhóis, franceses, italianos ou gregos. A menos que esses também desconheçam que onde há floresta, muito calor e pessoas existe sempre uma forte hipótese de haver incêndios.

Não sejam piegas, pá!

Kruzes Kanhoto, 15.07.22

Nunca, como agora, os bancos tiveram tanto dinheiro depositado. Contudo os portugueses continuam a chorar-se. Ou seja, a lamentar-se da falta de guito. Ora, partindo do principio que não são os estrangeiros que vêm cá depositar o seu dinheirinho, há aqui qualquer coisa que não bate certo. É que isto parece o dia seguinte às eleições. Ninguém votava no Ventura mas, vai-se a ver, o homem teve o resultado que se sabe. Com o dinheiro é a mesma cena. Quase todos garantem não ter a ponta de um chavo, mas que “ele” está amontoado na banca lá isso está. De resto os sinais exteriores de riqueza do tuga estão aí. Audi’s, BM’s e outros que tais são aos pontapés. Gasolina e gasóleo a mais de dois euros (quatrocentos e quatro escudos, porra!) cada litro e, mesmo assim, o transito é o que se vê...

Apesar da comiseração que suscita a magreza do salário mínimo, desconfio que até aos que o auferem lhes dá para muito mais do que apenas para os alfinetes. Admito estar enganado, mas da observação do parque automóvel dos quatrocentos (ou serão quinhentos?) funcionários do município cá da terra – 80% ganham o SMN ou pouco mais - não consigo tirar outra conclusão. Não que, obviamente, isso constitua qualquer espécie de problema. Antes pelo contrário. Chato, chato é estarem sempre a queixarem-se. De barriga cheia, pelo que aparentam.

É mais ou menos o mesmo que o assaltante queixar-se que levou nas trombas...

Kruzes Kanhoto, 11.07.22

IMG_20220710_150234.jpg

IMG_20220710_150322.jpg

Para os média russos – e para os comunistas portugueses, também - o país agressor é a Ucrânia. A Rússia, coitada, apenas se está a defender do ataque infame que perpetrado pelos ucranianos apoiados pela Nato e restante camarilha europeia. Que cidadãos russos acreditem, não é caso para admirar. Afinal não têm acesso a outras fontes de informação para além daquelas que o regime lhes fornece. Que no ocidente haja quem assim pense é para lá de deplorável. É gente, apesar do discurso mais condicente com o estatuto de vencedora de um qualquer concurso de beleza, que apoia convictamente a Rússia. Estou mesmo convicto que se um dia Putin resolver avançar até ao extremo mais ocidental do continente europeu, isto é malta para ir esperar as tropas russas à fronteira e distribuir-lhes cravos vermelhos ao som da Grândola vila morena.

PS-Hesito quanto à bondade da ideia de proibir a emissão da RT na União Europeia. Admito que a guerra possa suspender a democracia, mas, neste caso, bloquear aquele canal russo só beneficia a própria Rússia. Se os comunistas o vissem, perante tanto disparate, seria quase impossível continuarem a acreditar naquelas patranhas. Ou, se continuassem, ficariamos definitivamente a saber que ainda são mais burros do que aquilo que pensamos.