Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Quem é amigo, quem é?

Kruzes Kanhoto, 16.04.21

 

Nunca como agora faz tanto sentido afirmar que os impostos levam uma parte de leão ao nosso ordenado. Mas, descansa-nos o governo – aquela instituição que só quer o nosso bem se for de esquerda ou apenas pensa em nos tramar quando é de direita – não vai aumentar ainda mais o saque fiscal que faz aos nossos rendimentos. O roubo perpetrado no tempo do ministro Gaspar – que, antes como o seu enorme aumento de impostos, condenava os portugueses à fome – é agora uma cena boa e para manter.

Nada disto, obviamente, constitui grande novidade. A máquina precisa de dinheiro para se alimentar. As “fotocópias” ou lá o que cada um chama “aquela coisa”, têm de ser pagas. Até porque – imagino eu – não será só o Sócrates a viver graças ao financiamento dos amigos. Coisa que, diga-se, não me faz grande espécie nem suscita preocupação por aí além. Chato, mas mesmo chato, é sermos nós a financiar os gajos que financiam os amigos...

Impasse

Kruzes Kanhoto, 14.04.21

IMG_20210413_181806.jpg

A definição de beco é, segundo a generalidade dos dicionários on-line de língua portuguesa, “rua escura, estreita e curta, e às vezes sem saída”. A última é a única condição que este arruamento preenche para ser enquadrado na categoria dos becos. Não obstante isso, foi essa a classificação atribuída. Coisa que, presumo, não terá suscitado grande apreço entre os moradores, como aparentemente mostra a ausência de tinta das letras. Menos mal que assim, graças ao coeficiente de localização, se calhar até pagam menos IMI. Bem que podiam, digo eu, ter-lhe chamado “Impasse da Fonte do Imperador”. Sempre era mais adequado. À rua e ao resto.

Passadiços...a obra da moda!

Kruzes Kanhoto, 12.04.21

IMG_20210411_172026.jpg

IMG_20210411_172713.jpg

Esta coisa dos passadiços está na moda. Qualquer dia, por este andar, são mais do que os centros culturais e quase tantos como as rotundas. Mas o pessoal gosta. Até eu, feito alarve, me dei ao trabalho de caminhar uma hora e tal numa destas modernices. Eu e mais umas centenas de pessoas, que aquilo – apesar de ainda não estar pronto – já constitui um atrativo para o pagode ansioso por desconfinar.

Pode, isto, ser uma oportunidade de negócio para a aldeia. Ou, se calhar, não. Provavelmente chegou demasiado tarde. Os habitantes foram-se quase todos embora e os poucos que ficaram já não têm idade para aventuras. Esses, os que ainda restam, até se admiram de haver tanta gente interessada em ver ervas.

São muitos números...

Kruzes Kanhoto, 10.04.21

Desde ontem tenho visto muita gente indignada com a decisão judicial acerca do caso que envolve José Sócrates. Também, confesso, estou ligeiramente aborrecido. Obviamente não tive paciência para ouvir o juiz ler aquela treta toda. Fiquei-me, portanto, pelo resumo da coisa feito pela comunicação social. Ao que leio o homem terá atirado sobre tudo o que mexe e concluído que são todos burros menos ele. Isto, reitero, ao que leio por aí nos resumos e conclusões disponíveis na Internet.

Não me surpreende que assim seja. Aquilo envolve números – muitos e grandes – transações financeiras mais ou menos complexas e artimanhas a atirar para o esquisito. Esperar que alguém da área do direito, ou de outras ciências parecidas, perceba essas negociatas não difere muito de acreditar que com a geringonça tivemos o melhor governo desde que vivemos em democracia e, parvamente, não falta por aí quem esteja convencido disso.

Ouvi contar – não sei se verdade – que em determinado tribunal um cavalheiro terá sido condenado a pagar uma pensão de alimentos no valor de um quarto do salário. Inconformado com o montante, terá recorrido da sentença. A decisão do recurso, a ser a história verdadeira, ter-lhe-á sido favorável. O tribunal, sensível aos argumentos da criatura, terá entendido reduzir a pensão a pagar para um terço do ordenado...Desconheço, reitero, se a história tem ou não algum fundo de verdade. Do que tenho a certeza é que, salvo raríssimas excepções, quem sabe muito de “letras” tem muito pouca sensibilidade para números. No caso presente não se podia esperar algo muito diferente.

Já agora fiquem com tudo...

Kruzes Kanhoto, 08.04.21

Impostos, impostos e mais impostos. Agora é o FMI a sugerir um aumento de impostos sobre os ricos, as empresas, as heranças, a propriedade e o que mais calhar. A ideia parece reunir um consenso bastante alargado entre os especialistas da especialidade, os invejosos e todos aqueles que procuram meter a mão na massa alheia. Basta ver as reacções, em artigos de opinião ou nas redes sociais, para se perceber o entusiasmo que a ideia suscitou. Por mim estou contra. E não me importo nada se for o único a pensar assim. Primeiro porque impostos para além do razoável – como é o caso português – causam-me brotoeja, depois porque o conceito de rico é, por cá, muito elástico e, finalmente, faz-me confusão que poucos percebam que aumentar impostos não é garantia de crescimento da receita fiscal. Nisto nada melhor do que lembrar a novela que envolveu a falhada contratação do Cavani pelo Benfica. O homem não veio para o glorioso por não ser do seu agrado que as finanças lhe roubassem metade do ordenado. Se o furto se ficasse “apenas”, vá, por dez ou vinte por cento talvez o gajo por cá andasse aos chutos à bola. Assim, como quem tudo quer tudo perde, nem o Benfica é campeão nem o fisco recebe um tostão.

Ao menos podiam ter feito uma cábula...

Kruzes Kanhoto, 06.04.21

Assim, de repente, passaram dez anos desde que o país faliu e teve de ser intervencionado por entidades externas. O “que ganhámos com isso” é a questão que mais vezes tenho visto suscitada. Tirando aquela parte de ninguém ter ficado sem vencimento ou reforma, não lucrámos nada. Mas, obviamente, a pergunta devia ser antes “o que aprendemos com isso”. Infelizmente a resposta é a mesma. Nada. Não aprendemos nada. Continuamos, enquanto cidadãos, os mesmos ignorantes e, enquanto políticos, os mesmos irresponsáveis. Mantemos o pensamento de um burgesso que há mais de vinte anos teve responsabilidades na gestão de dinheiros públicos e que, quando tocava a gastar, não se cansava de me garantir que “isto não pode parar e quem vier atrás que feche a porta”. De facto não parou. O azar é que levámos com a porta nas trombas. Mas, pelos vistos, nem isso nos serviu de lição.

Ervanarium...

Kruzes Kanhoto, 04.04.21

IMG_20210404_185643.jpg

Cá pelo meu bairro qualquer recanto apresenta este aspecto. Um verde luxuriante, a natureza no seu estado mais puro, capaz de fazer roer de inveja todos os que têm o azar de residir em locais onde fazem aquelas cenas das intervenções de requalificação paisagística, ou lá o que é. Má sorte a deles, que não moram deste lado da cidade. Por mim, prefiro assim. Até porque já estou habituado.

Melros, chineses e Extraterrestres.

Kruzes Kanhoto, 03.04.21

politicos.jpg

 

Isto das autárquicas promete. Coisa absolutamente normal, diga-se, que estas como as demais eleições são sempre pródigas em promessas. Embora, neste caso, com especiais particularidades. A começar nos candidatos e a acabar no que se promete. Quanto aos primeiros, é o PSD quem mais tem contribuído para a animação que as escolhas para os lugares a ocupar sempre proporcionam. Aquilo é quase cada tiro cada melro. Desde “Andrés Venturas” de saias e peito avantajado a devoradores de papéis e ex-presidiários, os nomes apontados a putativos candidatos têm-se revelado bastante apelativos. Digamos assim, vá.

Por cá, quanto à escolha dos nomes, o cenário é muito menos divertido. Pode ser que a coisa anime quando se começar a falar de promessas. Por mim, programa que não inclua a construção de um teleférico a ligar o Rossio ao Castelo ou um Centro de acolhimento a investidores oriundos de outros planetas é dececionante. Promessas de fábricas de preservativos ou de investidores chineses já tivemos que cheguem. Ao menos que arranjem pantominices novas. Para isso, convenhamos, capacidade não falta.

Agricultura da crise

Kruzes Kanhoto, 02.04.21

IMG_20210320_112023 (1).jpg

Este é um dos nabos da crise produzidos cá no quintal. Não é grande nabo, convenhamos. Há espécimes seus congéneres muito maiores. Mas, independentemente do tamanho, não sou especial apreciador. Mesmo que estes constituam, ao que garantem os especialistas da especialidade, uma fonte de benefícios para a saúde. Diz que, desde a tosse às hemorroidas, faz bem a tudo. A julgar pela merda resultante das conversas de certos e determinados nabos, talvez tenham razão. É que isto anda mesmo tudo ligado.

O elogio da loucura

Kruzes Kanhoto, 31.03.21

Se há gente por quem tenho um enorme apreço e admiração é aquela malta que se entrega de alma e coração à política. Nomeadamente os que, coitados, se sacrificam anos a fio – largas dezenas, até – à causa pública. São os chamados dinossauros. Criaturas que estão tanto tempo à frente das instituições que, às tantas, o lugar já se confunde com a pessoa. Pior. Em muitas circunstâncias é a pessoa que se confunde com o lugar e, qual Salazar após a queda da cadeira, mesmo não mandando nada, continua a pensar que ainda manda alguma coisa. É o que dá, por medo ou outra coisa qualquer, ninguém ter coragem de lhe dizer que o seu tempo de dedicação à causa já pertence ao passado. Mas, confesso, até a estes eu admiro. Quase venero, digamos. A dedicação, o empenho, a magnanimidade com que servem a causa pública e tudo o que fizeram em prol das suas terras e dos seus concidadãos deixam-me prostrado perante a grandeza do seu carácter.   

Lamentavelmente a infinita generosidade de que esta gente é dotada, nem sempre é reconhecida. Por vezes aparece quem sugira que se “amanharam” enquanto lá estiveram ou que “arranjaram uns esquemas manhosos para se continuarem a amanhar agora que já lá não estão”. Atoardas, está bem de ver. Quem tem um coração tão grande – maior do que a barriga, às vezes – nunca trilhará esses caminhos. Garanto eu e até sou capaz de o jurar pela saúde do meu gato.