Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Os publicanos do asfalto

Kruzes Kanhoto, 28.11.22

Cerca de doze mil condutores terão sido multados, em poucos dias, por excesso de velocidade. Excluindo os próprios é, para a maioria,  algo muito apreciado. Bem feita, cumprissem a lei, a mim nunca me apanharão numa dessas, é um discurso que ouço com demasiada frequência e indisfarçável desagrado. Face às ratoeiras, quer a nível de sinalização quer do comportamento das autoridades, só por milagre se consegue escapar. 

Esta actuação das policias constitui um assalto ao bolso dos portugueses e não tem nada a ver com segurança. Se a preocupação fosse melhorar a segurança rodoviária e não apenas encher os cofres do Estado, os radares não estariam escondidos, como acontece quase sempre, em locais onde o perigo é praticamente nulo. Para não ir mais longe, socorro-me apenas do caso das estradas municipais onde agora lhes deu para fazer controlo de velocidade, enquanto ignoram o perigo que constituem os javalis. Os bichos são responsáveis por inúmeros acidentes, alguns que resultaram na morte dos condutores, contudo o controlo desta praga continua por fazer. Sendo, até, proibido o seu abate.

Por mim, que também tento não ser apanhado, procuro cumprir rigorosamente a sinalização que vou encontrando. Por mais ridícula que seja. Sim, limites de 70Km/hora, em rectas com boa visibilidade no IP2, é para lá de parvo. Hoje, fazer uma viagem de duzentos e oitenta quilómetros sempre por estradas nacionais demora quatro horas. Poupa-se nos impostos, mas esturra a paciência de qualquer um. Nomeadamente dos desgraçado que têm o azar de ir atrás de mim. Isto apesar de já ter instaladas umas quantas “apps” que me alertam para a presenças desses salteadores. Mas, mesmo assim, nunca fiando.

O pib não interessa nada!

Kruzes Kanhoto, 27.11.22

1669578099276.jpg

 

Diz que em 2024 também a Roménia nos vai ultrapassar nessa coisa do PIB per capita, ou lá o que é. Nada com que valha a pena preocupar-nos, já me sossegaram. Aquilo é apenas um indicador sem credibilidade. Parece que, no caso presente, essa ultrapassagem não se deve a nenhum aumento de riqueza. Os romenos é que são menos – estão a perder população - e, portanto, o mesmo PIB a dividir por menos tem de, logicamente, dar mais a cada um. Como pouco percebo destas cenas da economia, sou levado a crer na razoabilidade da explicação. Até porque me foi dada por um reputado especialista na especialidade. É socialista, mas isso é só um pequeno pormenor a que nem dou grande importância. Se ele diz que isso do PIB por cabeça não tem nada a ver com riqueza, então é porque não tem e não se fala mais nisso. Além do mais deve ser uma ultrapassagem transitória. Como os nós, os portugueses, também somos cada vez menos, dentro de poucos anos estaremos à frente da Alemanha ou da França. 

Cuidado com a carteira!

Kruzes Kanhoto, 21.11.22

16696.jpg

Dado que o governo inscreveu no orçamento do Estado uma previsão de receita proveniente das multas de trânsito absolutamente astronómica, cabe agora às forças policiais fazer com que a cobrança atinja o objectivo orçamental traçado pela tutela. Vale tudo. Colocam os radares nos locais mais inusitados. Já não lhes chegam as auto-estradas, os itinerários principais ou complementares ou, vá, as estradas nacionais. O desespero para multar é de tal ordem que vão à caça para onde a presa menos espera. Nem as estradas municipais escapam à sanha destes bravos angariadores de receita. Briosos agentes de cobrança da Fazenda Pública, diria. Talvez consigam um louvor, que isto de arriscar a vida a colocar radares atrás de um qualquer sinal limitador de velocidade, não é para qualquer um. 

Para quem não conhece, o radar referido na imagem acima foi colocado numa estrada com pouco trânsito onde, apesar do bom piso, a velocidade máxima permitida em toda a sua extensão é, no máximo, de 60Km/hora com troços em que o limite não vai além de 30 e 40Km/hora. Até parece de propósito...ou, então, é para facilitar o “trabalhinho”.

Afinal (quase) todos gostaram do "enorme aumento de impostos"

Kruzes Kanhoto, 20.11.22

Nunca hei-de entender a estranha relação que os portugueses têm com os impostos. Deve ser problema meu, admito. Mas lá que é uma coisa esquisita, isso é. Por um lado adoram eximir-se ao seu pagamento, mas, por outro, reclamam daqueles que lhes conseguem escapar. Quando, na sequência da intervenção da troika - pedida por Sócrates para salvar o país da falência provocada pela governação do Partido Socialista – foi necessário fazer “enorme aumento de impostos”, toda a gente reclamou. E bem, diga-se. Agora, se alguém se atreve a sugerir a necessidade de uma redução dos mesmos impostos – até nem precisa de ser enorme – é, no mínimo, acusado de ser um perigoso liberal que quer ver destruído o SNS, a escola pública ou o que mais calhar. Só falta aos defensores da elevadíssima carga fiscal acrescentarem que “o Passos é que tinha razão”…

Também esta cena do clima lhes está a afectar a moleirinha. Quase rejubilam por na COP-27 se ter chegado a acordo para a criação de um Fundo qualquer que irá, alegadamente, ajudar os países mais pobres a minorar esta problemática. Não sei se eles sabem quem é que vai pagar. Talvez saibam. Mas, das duas uma, ou não se importam ou acham que conseguem escapar ao seu pagamento. Numa ou noutra circunstância encontrarão sempre um culpado. Qualquer um serve. Menos eles.

Micro especuladores

Kruzes Kanhoto, 19.11.22

Parece que essa ideia tonta de taxar os lucros extraordinários do sector alimentar em 33% sempre vai avançar. Mas só para as grandes e médias empresas de distribuição. As micro e pequenas ficam de fora. Significa isto que a especulação pode ser uma coisa boa ou má, logo punida ou não fiscalmente, consoante a dimensão económica do especulador. Como se isso, para o bolso do consumidor, fizesse alguma diferença. Não é, como já escrevi noutras ocasiões, que me pareça mal tributar os lucros decorrentes da especulação. Mas, no caso, duvido da eficácia da medida, por um lado e, por outro, da sua justiça.

No âmbito da eficácia, desconfio que a cobrança resultante desta taxa será meramente residual. Os grandes grupos da distribuição sabem-na toda no que ao planeamento fiscal diz respeito e só se estiverem distraídos, coisa em que poucos acreditarão, é que serão apanhados na curva. Depois a questão da justiça. Para mim, que a uns pago e a outros dou o dinheiro, não me interessa nada quem é o especulador. Se é para pagar, que paguem todos. Se o gajo das alfaces, só porque sim, aumenta de uma semana para a outra o produto em 25%, então, nessa lógica do lucro extraordinário, também devia ser taxado. Ou, pior ainda, a mulher dos ovos. Sim, porque não me vão querer convencer que o custo de produção dos ovos do campo subiu trinta ou quarenta por cento nos últimos meses. Que eu saiba os “restos”, ervas e pequenos bicharocos que as galinhas encontram no campo continuam ao mesmo preço de sempre.

Jornalixo

Kruzes Kanhoto, 17.11.22

A reportagem da SIC sobre as alegadas actividades racistas nas redes sociais, por parte de cidadãos que por acaso são policias, pode ou não constituir um frete daquela estação de televisão em beneficio de uma qualquer causa da moda. Mas, se alcançou o objectivo junto da opinião publicada, foi um monumental tiro no pé junto da opinião pública. Aí o resultado conseguido foi exactamente o contrário do pretendido.

Deixo de lado a questão do alegado racismo. Nem vale a pena. Quando o jornalista enaltece os “jovens” e outros indivíduos “racializados” pelo facto de serem isso mesmo - “racializados” – está tudo dito acerca da moralidade que aquela gente tem para falar de comportamentos discriminatórios ou linguagem de ódio.

Prefiro salientar a simpatia com que foi apresentado um alegado caloteiro e a forma como, na parte em que falaram dos ciganos de Beja se referiram a uma comunidade de novecentas pessoas onde apenas dois trabalham. Não sei quem é que educou nem que valores foram transmitidos às criaturas que exercem funções na área do jornalismo. Sei é essa não é a educação nem esses são os valores felizmente ainda vigentes maioritariamente na nossa sociedade. A maior parte das pessoas não tem muito apreço por quem não trabalha – os que comem o pão de alguém, como dizia o Aleixo – nem especial simpatia pelo vizinho que não paga as quotas do condomínio.

Os activistas do clima que vão mas é semear batatas!

Kruzes Kanhoto, 12.11.22

IMG_20221112_131657.jpg

Por alturas do PREC havia manifestações todos os dias. Com gente ao magotes, todas elas. Ajuntamentos por tudo e por nada, também.  Em relação a todos, independentemente da causa ou dos protagonistas, tive um antepassado que invariavelmente sentenciava, com evidente desprezo e muitos decibéis acima do razoável, um categórico “vão mas é semear batatas!”

Foi o que me ocorreu hoje quando vi um grupo de gente mal apessoada e de aspecto pouco recomendável a tentar invadir – ou ocupar, nem sei ao certo – a sede da Ordem dos Contabilistas. Pareceu-me apropriado. Se calhar, caso se dedicassem a essa actividade agrícola que o meu antepassado sempre sugeria, estariam a fazer muito mais pelo clima do que a entrar num prédio onde, parece, estaria um ministro que eles não apreciam por aí além. Mas isso de semear batatas não será, presumo, coisa que lhes suscite especial interesse. Faz calos nas mãos e dores nas costas. Até porque podem sempre manda-las vir, já devidamente fritas e embaladas, por um estafeta que se desloque numa mota movida a combustível fóssil.

Caridadezinha comunista

Kruzes Kanhoto, 09.11.22

download.jpeg

O PCP, como partido amiguinho dos pobres, explorados e oprimidos, tratou de apresentar uma proposta que limita a actualização das rendas a menos de meio por cento. Numa altura em que, recorde-se, a taxa de inflação já se escreve com dois dígitos. Não contente com isso terá ainda, segundo a comunicação social, proposto que ninguém seja despejado mesmo que não possa pagar a renda. Tenho pena de não conseguir ser tão generoso. Embora isto de fazer generosidade com o dinheiro e os bens dos outros não seja algo particularmente difícil. Mas nisso os comunistas têm uma longa prática. Fazem-no desde há muitos anos. Desconheço é se com o seu imenso património também são tão magnânimos. Se calhar sim.

Esta gente ainda não entendeu que a intervenção do Estado no mercado não resulta. Especialmente quando levada a este extremo. O resultado, se o governo for a reboque destes e de outros malucos, será uma menor oferta de habitação para arrendar e, por mais que tentem contrariar, o contínuo aumento dos preços devido à escassez da oferta. É, por mais que lhes custe, assim que funciona. A menos que queiram nacionalizar tudo. Ou roubar. Não seria a primeira vez.

O marmelo e o aspone

Kruzes Kanhoto, 08.11.22

IMG_20221106_090259.jpg

Um marmelo qualquer, com vinte e um anos e acabadinho de se licenciar em Direito, terá sido contratado para assessorar uma ministra. Irá, ao que se diz e escreve, auferir o simpático vencimento de quatro mil euros mensais. Coisa que, vá lá saber-se porquê, está a causar uma certa irritabilidade em muita gente.

Embora defenda com veemência o direito à irritação e, confesso, até o use com demasiada frequência, desta vez não estou do lado dos irritados. Não podemos andar a lamentar os baixos salários que são pagos aos jovens e depois ficarmos chateados quando aparece um a ser generosamente remunerado. Devemos ficar aborrecidos, isso sim, com os baixos salários que recebem os jovens que trabalham. Não quero, obviamente, estar par aqui a insinuar que este marmelo – seria o que a minha avó lhe chamaria – não passa de um aspone*. Se calhar até vai ser muito útil à ministra. Mas mesmo que não seja ganhará experiência para, num futuro próximo, chegar ele próprio a ministro. É o que acontece aos marmelos que estão na jota certa no tempo certo.

*Aspone – (acrónimo de assessor de porra nenhuma) Individuo que se dá ares de importante pelo cargo que ocupa mas que é perfeitamente desnecessário, uma vez que não desempenha nenhuma função útil.

Apanhados do clima

Kruzes Kanhoto, 07.11.22

Tenho pouco apreço por activistas. Seja qual for a causa do seu activismo. Por estes dias o clima constitui a desculpa para umas quantas criaturas fazerem disparates. Desde atirar sopa a quadros famosos ou a barricar-se em lugares públicos, parece valer tudo para levar a comunicação social a falar deles.

Posso, até, achar a causa pela qual se manifestam muito valorizável. E, se alguma pode integrar o rol das causas valorizáveis, a do clima está à frente de todas. Apesar disso continuo a detestá-los. Nem, sequer, lhes consigo dar razão. Basta-me olhar para eles para saber que, por piores que sejam os governantes que agora decidem sobre essas e outras temáticas, se esta gentinha um dia chega ao poder o mundo será um lugar muitíssimo pior.

Também se me afigura assaz estranho que sejam, esmagadoramente, pessoas ligadas às “artes” e às “letras” - daquelas que seguiram essa via por não terem aproveitamento escolar que lhes permitisse tirar cursos a sério -  a integrarem estes protestos. Não tenho nada contra os palhaços nem, em geral, contra os filósofos ou outras criaturas que vivem no mundo da fantasia. Só não os consigo levar a sério.