Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Compreensão lenta...e pouco educada, também.

Kruzes Kanhoto, 15.04.20

A TVI passou ontem parte significativa dos serviços informativos a pedir desculpa ao norte do país. Fica-lhe bem. O conteúdo do noticiário da noite anterior terá sido ofensivo para os habitantes da região. Justifica-se, por isso, a indignação dos habitantes daquela região face ao que consideram – e bem – como afirmações manifestamente despropositadas e depreciativas.

Mas, por outro lado, os mesmos que agora se sentem ofendidos e, até, aqueles que consideraram inadequados os considerandos da TVI a propósito dos nortenhos, continuam a achar muita piada às anedotas de alentejanos. Assim de repente não vislumbro grande diferença. Considero tão pejorativo chamar “pouco educado” a um habitante do norte, como “preguiçoso” a um alentejano. Por que raio em relação ao primeiro é ofensivo e em relação ao segundo é piada? E não, não venham com aquela treta que os alentejanos acham graça às piadolas a seu respeito, porque os alentejanos não contam anedotas que os achincalhem ou menorizem.

A este propósito tenho andado envolvido numa polémica, noutra rede social, com uma emigrante portuguesa no Brasil que está pelos cabelos com as “anedotas de português” que ouve constantemente. Não gosta. Quando lhe expliquei que a compreendia perfeitamente e que eu sentia o mesmo em relação às piadas depreciativas que os portugueses contam sobre os alentejanos, não percebeu os meus motivos. Tal como percebem a generalidade dos tugas de cá. E depois o “lento” sou eu...

Deve ser obra do rácio, ou isso...

Kruzes Kanhoto, 14.06.19

Apesar das incontáveis referências que neste espaço já foram feitas às câmaras do norte, não tenho, confesso, nenhum tipo de informação privilegiada acerca de eventuais manigâncias que por lá possam ser praticadas. Embora, a julgar pela intensa actividade policial junto de vários municípios daquela região, as manigâncias talvez não se fiquem apenas pela eventualidade.

Mas, embora os exemplos por vezes possam ser associados a aspectos negativos da governação que se pratica a norte, nem tudo é mau. Há coisas positivas a salientar e que devem ser mencionadas. Hoje, por exemplo. Numa breve incursão a norte deparei-me com vários grupos de petizes, alunos dos jardins de infância públicos lá do sitio, em alegre passeata. Cada grupo, composto por vinte ou trinta pirralhos, devidamente acompanhado por sete ou oito pessoas adultas. Professoras e auxiliares, presumo. Ora isto é extremamente valorizável. Acautela-se a segurança dos putos, promove-se o emprego, satisfazem-se as clientelas e garantem-se mais uns votos. Tudo enquanto se faz caridade com o dinheiro do contribuintes. Pormenores que, lá para o norte, nunca são deixados ao acaso.