Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Ele não quer é que a malta se divirta, pá!!!!*

por Kruzes Kanhoto, em 26.02.18

Perante a reclamação dos autarcas acerca da falta de dinheiro para a limpeza da floresta, o ministro da agricultura terá hoje deixado a recomendação para que, se necessário, cortem nas festas. Das duas uma. Ou o ministro não conhece os autarcas e o eleitorado que temos, nomeadamente quanto ao entusiasmo que ambos evidenciam no âmbito do festejo, ou está desejoso de ir gozar a reforma. Mas, reconheço, o homem tem razão. Toda. Apesar do rasgar de vestes a que, não tarda, assistiremos. Seja pela parte de responsáveis autárquicos, de comentadores e povo em geral ou dos profissionais da indignação que habitam as redes sociais, em particular.

Qualquer político orienta a sua actividade tendo em vista a reeleição. Para o que dá votos, portanto. Os autarcas, obviamente, não fogem à regra. Ora sabedores de quanto o povinho aprecia uma boa festarola, de preferência com comes e bebes em abundância e moçoilas aos pinotes, é natural que optem por aquilo que o povo quer. A festança. E o pior é que este pensamento não é exclusivo da classe política. Também haverá – dizem, que eu dessas coisas não sei nada – dirigentes associativos, incluindo daquelas instituições com acrescida responsabilidade social, que utilizam os subsídios das autarquias para a promoção de comezainas diversas e festins manhosos. E, depois, queixam-se da falta de meios, fazem peditórios ou aborrecem-nos com pedinchices várias.

 

*Só para citar uma critica que, já lá vão uns anos, me foi dirigida por um "dirigente" associativo...

 

Compartilhar no WhatsApp

Valha-lhe um burro aos coices!

por Kruzes Kanhoto, em 03.11.15

pateta.jpg

Óbvio que, naquilo das cheias em Albufeira, o Ministro teve um discurso patético. Numa coisa tem, no entanto, toda a razão. Podiam os comerciantes ter um seguro que lhes garantisse uma indemnização pelo prejuízo sofrido. Afinal o homem não fez mais do que recordar aquela coisa da malta só se lembrar de Santa Bárbara quando fazem trovões. Era, se calhar, a referência que mais lógica teria feito em todo aquele discurso a atirar para o religioso.

Compartilhar no WhatsApp