Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Licença para cagar

Kruzes Kanhoto, 29.09.22

merda.jpg

 

Vão-me faltando as palavras para adjectivar o comportamento dos donos – tutores, pais ou lá o que eles se consideram – que permitem aos seus cães – patudos, anjos, filhos e mais a puta que os pariu – cagar na via pública. Desde que se iniciaram as obras no centro da cidade essa malta ficou com menos espaço para levar a canzoada a arrear o calhau. Vai daí largam a bosta no escasso metro de passeio que resta para a passagem dos peões. Devem achar-se nesse direito, os javardos. Todos os dias são várias as cagadelas, de diversos tamanhos e consistências, que aparecem logo pela manhã numa zona com diversas lojas e de passagem obrigatória para muita gente.

Não é que em termos de merda e de javardice faça grande diferença, mas seria interessante uma entidade qualquer – se calhar uma junta de freguesia, ou isso – encomendar um estudo para saber quantos cães existem na cidade. Depois podia confrontar com a base de dados do registo dos canitos, divulgar as conclusões e agir em conformidade.

E que tal irem viver para a selva?

Kruzes Kanhoto, 25.09.22

I.jpg

 

Nunca entenderei o que leva alguém a ter um cão encerrado dentro de casa. Amor pelo bicho não é de certeza. Se fosse não o condenavam a uma vida de clausura apenas interrompida para o levarem a cagar e a mijar na via pública. Quem assim procede, em apartamentos ou outros alojamentos parecidos, demonstra uma total ausência de respeito pelo bicho, pelos vizinhos e pelos demais cidadãos. Por mais que lhes chamem “filhos”, os considerem da família ou proclamem a sua bondade por tanto amarem os “patudinhos” e os preferirem às pessoas, isso não os faz melhores do que os outros. Antes pelo contrário. Apenas realça aquilo que realmente são. Uma merda.

Dia do cão de apartamento

Kruzes Kanhoto, 26.08.22

HPIM0074.JPG

Diz que hoje há quem ache que se comemora o dia do cão. Não sabia da alegada efeméride. Nunca tinha lido ou ouvido nada acerca da pretensa comemoração de mais esta idiotice. Conheço é o “dia de cão”. Uma expressão caída em desuso e da qual já poucos conhecem o significado. Ou, então, atribuem-lhe um sentido completamente diferente atendendo à vida regalada que a canzoada leva hoje em dia.

Por mim podem comemorar o que muito bem entenderem. Mas podiam aproveitar a data para fazer alguma coisa de útil. Limpar a merda dos passeios ou desinfectar os postes e as paredes confinantes com a via pública usados como mictórios caninos e que constituem verdadeiros viveiros de pulgas. Mas não aproveitam. De certeza que preferirão praticar outras actividades. Todas muito modernas, civilizadas e reveladoras do seu amor pela bicharada. Até porque, como eles dizem citando o Gandhi, “a grandeza de um país e o seu progresso podem ser medidos pela maneira como trata os seus animais”. Se, ao entrar num prédio, levar com um bafo a cão e ouvir uma sinfonia de uivos constituir um indicador desse desenvolvimento, então, de certeza que estamos no rumo certo quanto a isso do progresso e da grandeza. Ao nível da estupidificação, pelo menos.

Ide, ide para a vossa casota

Kruzes Kanhoto, 30.06.22

IMG_20220618_094308.jpg

 

Merda, merda e mais merda de cão é o cenário que encontro todos os dias nas minhas deslocações pedestres. Sim, que eu ando a pé. Não sou como esses alarves que passam o tempo a lamentar-se do preço dos combustíveis, mas não largam o carrinho. Desses tratarei de desancar noutro dia. Hoje fico-me pelos javardos que vivem na casa dos cães. Que isto um gajo – ou uma gaja, que elas são igualmente umas porcazinhas – se sai de casa pela manhã e deixa um animal fechado em casa até à noite, então, a casa é do cão, não é dele. Ou dela. Certo é o asseio que deve ir lá por pela maison. Ainda assim seria preferível que mantivessem o bicho trancado as vinte e quatro horas do dia. Poupavam-nos a esta triste imagem. Uma cidade toda cagada por causa de gente porca, que gosta de viver no meio da porcaria e que acha que os outros têm obrigação dos aturar. Vão mas é bardamerda!

Prioridadezinhas...

Kruzes Kanhoto, 03.06.22

1654257973277.jpg

Os portugueses têm dos políticos a imagem que são gente pouco dada ao trabalho, com níveis de seriedade muito baixos e apenas preocupada em resolver os problemas próprios e de quem lhes está próximo. Quando a apreciação envolve os deputados, até pela natureza da sua função, a análise ainda é mais negativa. Injustamente, na maior parte das circunstâncias, que isto há muito filho de muita mãe na política e em todos os outros lugares.
Tenho, no entanto, a certeza que os “avaliadores” do desempenho da classe política não são melhores do que aqueles a quem direcionam a sua indignação. Veja-se este exemplo. Entre as muitas petições dirigidas ao parlamento encontram-se uma que pede justiça pela morte de um cão e outra pelo fim da evasão fiscal. Foram submetidas com poucos dias de intervalo entre ambas, mas uma delas conta com 4787 assinaturas e a outra com 55. Não preciso de escrever que número corresponde a qual. Nem, tão-pouco, tecer qualquer comentário acerca da seriedade, dos valores e das prioridades da generalidade da tugalhada.

Compete à familia a educação dos seus...

Kruzes Kanhoto, 30.01.22

1643567043994.jpg

Este vistoso e imponente cagalhão pode ser apreciado em todo o seu esplendor numa rua cá da cidade. A obra de arte terá sido produzida por um membro de uma família local - ou das que nos visitam, quem sabe - e está ali, à vista de todos e à mercê de um transeunte mais distraído.

Com elevada dose de probabilidade será um dos muitos animais de estimação que não estão registados e que não pagam a respetiva licença à junta da freguesia onde o seu agregado familiar tem residência. Os “pais”, provavelmente, serão daqueles que se lamentam da falta de limpeza das ruas, do pouco empenho dos funcionários que tratam de limpar o que os outros sujam e, quiçá, lamentarão igualmente que ande por aí malta - muitas vezes gente que apenas quer trabalhar e que o estado não se aproprie de parte significativa do resultado da sua labuta - a eximir-se ao pagamento de impostos.

Por mim - quem me segue sabe isso - sou contra a apropriação pelo Estado da riqueza produzida pelo esforço do trabalho. Em contrapartida, defendo uma mão fiscal pesada sobre o luxo, o supérfluo ou o fútil. Se, segundo alguns dados disponíveis, existem em Portugal seis milhões e setecentos mil animais de estimação, é só fazer a conta... mas claro que ninguém faz. O IRS sustenta tudo e quem diz o contrário é facho.

Já lançavam um imposto, uma taxa ou o que fosse...

Kruzes Kanhoto, 04.12.21

IMG_20211130_161146.jpg

Já me faltam as palavras para adjectivar o comportamento das pessoinhas que, mesmo habitando em zonas urbanas, insistem em ter um canito. Como se o bicho fosse um brinquedo ou a sua posse constituísse uma espécie de necessidade qualquer. Depois dá nisto. Merda por todo o lado.

Agora que tanto se fala da transição energética e dos muitos milhões que vão ser precisos para a financiar, seria uma boa altura para acabar com os benefícios fiscais concedidos aos donos da bicharada. Mais do que isso, se este é o momento em que se apela ao reforço da tributação sobre as fontes poluidoras então, por maioria de razão, quem possui animais domésticos devia ser chamado a contribuir para o esforço fiscal que vai ser preciso fazer para manter o planeta o mais saudável possível. É que isto, já dizia a minha avó, quem quer ter gostos que os pague. Taxar o luxo, o supérfluo e o desnecessário parece-me da mais elementar justiça.

Momentos

Kruzes Kanhoto, 07.01.21

IMG_20210107_085308.jpg

A merda de cão espalhada pelos passeios constitui uma das minhas principais irritações. Mas isso não é novidade. É um tema que acompanha este blogue desde o seu inicio. Ou não fossem mais que muitos os javardolas que permitem estes momentos aos seus amiguinhos de quatro patas. Sim momentos, foi isso que em certa ocasião uma defensora da bicharada chamou a isto num comentário onde, coitada, pretendia aborrecer-me. O que eu me ri. Momentos! Alguns são mais monumentos…

E a multazinha? Ou está tudo a coçar os tomates?

Kruzes Kanhoto, 18.02.20

IMG_20200218_174519.jpg

Ainda sou do tempo em que na cidade os cães eram uma raridade. Excepto nas vivendas com logradouro, ninguém que morasse em meio urbano, tinha animais. Tirando, vá lá um gato ou um passarito. Viver com eles dentro de casa era uma javardice, toda a gente achava. Era e continua a ser. Aos amiguinhos da bicharada é que pouco importa. Mas que queiram viver com e como os bichos é lá com eles. Não têm é o direito de conspurcar o espaço público ou, pior, o espaço privado de cada qual. Impunemente, como se sabe e com a complacência das autoridades incompetentes. Que multas a esta gentinha não há quem passe.

Tenho visto por estes dias gente a partilhar daquelas frases feitas jurando “morrer a defender os animais”. Não desejo mal a ninguém. Mas, confesso, gostava que alguns tivessem a sorte de concretizar esse desejo. Nomeadamente aqueles que permitem aos seus animais que caguem à porta dos outros.

Não lhes chega o passeio...

Kruzes Kanhoto, 02.11.19

IMG_20191031_140243.jpg

Um dos grandes temas de conversa de circunstância – e mesmo de outras – são os bichinhos e as suas traquinices. Uma delicia ouvir gente com idade para ter algum juízo a trocar ideias sobre o assunto. Garantem amar mais os bichos do que as pessoas, que os seus animais são dotados de uma inteligência superior e a quem, quase sempre, apenas falta falar. O que, digo eu, é uma pena isso de não comunicarem através da linguagem oral. Se o fizessem, eram gajos para chamarem parvos ao donos. Ou coisa pior.

O caso da fotografia eleva a jarvardice desta gente a um patamar superior. É daquelas coisas que - a mim, que aos amiguinhos dos patudinhos mais lindos não deve incomodar – dá vontade de partir os cornos a alguém. Vá lá que o morador tinha a porta fechada. Se estivesse aberta não duvido que o idiota do dono do cão não se importaria mesmo nada que o animal cagasse lá dentro. E ai do morador se desse um pontapé no canito...