Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Não queriam o Ventura?! Tivessem ido votar...noutro!

por Kruzes Kanhoto, em 09.10.19

Captura de ecrã_2019-10-08_17-36-15.jpeg

Captura de ecrã_2019-10-08_17-39-53.jpeg

Anda por aí muita gente em alvoroço por causa do “Chega” ter entrado no parlamento. Como se aquilo fosse, até agora, um lugar bem frequentado. Ou, de ora em diante, não existisse por lá outra mistela igualmente repulsiva. É que ninguém, minimamente ajuizado e que pretenda ser intelectualmente sério, pode colocar os deputados do PAN, BE, PCP ou aquela lady gaga do Livre num patamar diferente do André Ventura. Para não falar de outros que por lá se pavoneiam.

Depois há também os que se horrorizam com os resultados obtidos pelo “Chega” aqui no Alentejo. Em Estremoz, por exemplo, teve 3,32%. Mas se olharmos para a única freguesia urbana do concelho e onde estão mais de 60% dos eleitores, o resultado vai aos 4,01%. E o que tem a cidade que as freguesias rurais não têm? Ciganos, claro. Tal como acontece em Alvito, Moura, Elvas e Monforte. Ciganos que, na sua esmagadora maioria, não votam. Mas o melhor é nem falar nesses abstencionistas. Criticá-los por não cumprirem esse dever ainda é capaz de ser considerado racismo, xenofobia ou isso.

Compartilhar no WhatsApp

Andam a endrominar os trabalhadores e o povo, camaradas!

por Kruzes Kanhoto, em 08.10.19

IMG_20191004_203033.jpg

No dizer de um porta-voz do PCP, nada falhou na campanha comunista que justifique a miserável votação obtida. Do alto da sua imensa clarividência revolucionária, proclamou o camarada que a mensagem que pretenderam transmitir era mesmo aquela e que a votação apenas foi a que foi porque os trabalhadores e povo são burros. Têm o cérebro atrofiado, os patetas. E têm-no, os trabalhadores e o povo que não votaram na CDU, por causa da televisão. Essa coisa, que anda para aí a endrominar os trabalhadores e o povo.

Está coberto de razão, o camarada. De facto os trabalhadores e o povo votavam muito mais no PCP quando os camaradas andavam pelos povoados a fazer sessões de esclarecimento e nem os trabalhadores nem o povo tinham televisão. Ou – saudosos tempos, camarada – ainda que alguns trabalhadores e algum povo tivessem, só existia um canal que, liberto das garras da censura fascista, era controlado pela camaradagem. As saudades que eu tenho dos desenhos animados checo-eslovacos apresentados pelo Vasco Granja. Isso é que era programação de qualidade. Daquela capaz de educar os trabalhadores e o povo logo desde pequeninos.

Estas declarações fizeram-me recordar um episódio ocorrido quase quarenta anos numa tasca cá da terra, onde um conhecido comunista local olhava descorçoado para a televisão que dava a noticia de mais uma valente coça eleitoral do “partido”. Daquelas que, ao serão, o camarada secretário-geral transformaria em vitória. Disse-lhe, então, um amigo também conhecido militante social democrata: “ A culpa é daquilo”, enquanto apontava para a televisão. “Nunca mais vais conseguir enganar ninguém”.

Compartilhar no WhatsApp

As eleições do "poucochinho"

por Kruzes Kanhoto, em 07.10.19

Todos os resultados eleitorais se prestam às mais variadas interpretações. Como toda a gente também faço a minha mas, nem outra coisa seria de esperar, discordo da maioria das análises que, até agora, tenho lido ou ouvido.

Logo, a começar, pela vitória do PS. Foi por poucochinho. Teve, inclusivamente, uma votação menor – quer em termos percentuais quer em número de votos expressos - do que a da “PAF” em 2015. O que, convenhamos não abona muito a favor de um governo que, garantem, traz contente tanta gente.

O PSD, apesar das previsões catastróficas e de ter tido uma das piores votações da sua história, não teve a hecatombe que se anunciava. De recordar, por exemplo, que o PS teve 20,77% em 1985 e 22,24% em 1987. Ridicula foi a prestação do lider. Ontem, por momentos, pareceu-me estar a ouvir um qualquer dirigente do PCP quando ao Rio só faltou dizer que tinha ganho.

Mesmo a ser levado ao colo pela comunicação social o Bloco de Esquerda perdeu quase sessenta mil votos, caiu percentualmente e não ganhou um único deputado. Assim de repente não vislumbro motivo nenhum para ser considerado um dos vencedores nem, ainda menos, vejo razão para os guinchos das esganiçadas e companhia.

O PCP, esse, prossegue a sua gloriosa marcha em direcção à extinção. Um dia destes é ultrapassado pelo PAN. A menos que, quando menos se espere, os cientistas descubram uma maneira de prolongar a esperança média de vida em muito para lá dos cem anos.

O mesmo acontecerá ao CDS. Só que mais cedo.

Quanto ao PAN nem vale a pena massacrar o teclado. Aquilo é gente perigosa que nem respeito merece. A serem verdadeiras as suspeitas que pairam sobre aquela organização – um candidato de “Os Verdes” mencionou umas quantas – aquilo não é um partido. Será, antes, um caso de policia.

Quanto aos novos partidos são curiosas as reacções que a sua entrada no parlamento está a provocar. Nomeadamente as preocupações com o “Chega”. Até porque parece estar toda a gente muito feliz com a entrada da outra senhora que, sem gaguejar, confessou o seu radicalismo relativamente a diversas causas e manifestou a intenção de defender os interesses de minorias. Pensava eu, mas ninguém me manda ser alarve, que os deputados tinham como missão defender os interesses de todos os portugueses. Sem excepção.

Compartilhar no WhatsApp

Bloco à esquerda...de quem sai!

por Kruzes Kanhoto, em 02.10.19

IMG_20191002_135828.jpg

Cá pela terrinha a campanha vai morna. Quase não se dá por ela. Por razões que agora não vêm ao caso, mas sobre as quais um dia destes sou capaz de começar a dissertar, a representação partidária a nível local foi praticamente varrida para debaixo do tapete. Ou para outros sítios ainda menos dignos. Daí que não haja quem agite a coisa. Digamos que, nisto das eleições, a remoção deste cartaz e a sua colocação onde agora se encontra constitui a alegoria quase perfeita. Merecida, também. 

Compartilhar no WhatsApp

À politica o que é da politica...e à gastronomia o que é da gastrononia!

por Kruzes Kanhoto, em 30.09.19

Comer é um acto político”, proclamou o líder do PAN. Nunca tinha, confesso a minha ignorância e lastimável falta de perspicácia, visto a coisa nessa perspectiva. Cuidava eu que era mais um acto de sobrevivência e, dependendo das circunstâncias, com uma vertente social.

Mas sim, vendo bem o gajo tem razão. Morfes e política são unha com carne. Ou são como o tacho e a panela. Embora, quanto a estes utensílios de cozinha, a apreciação do ponto de vista político possa ser ainda mais abrangente.

Mas, voltando à vaca fria, o acto de comer é do mais político que há. Se não veja-se, por exemplo, a campanha eleitoral. Sucedem-se os jantares comício. Ou, a pretexto de tudo e de nada, os almoços e jantares de homenagem a este e àquele, as comezainas para comemorar isto ou aquilo, os comes e bebes sempre que se inaugura seja o que for ou as refeições que desbragadamente, por esse país fora, os autarcas pagam aos eleitores mais idosos.

Cada um terá a política gastronómica que muito bem entender. Mas, como sempre dizia a minha avó, quem não é para comer não é para trabalhar. Ora que trabalho se pode esperar de um fulano que só come verduras e merdas esquisitas?

Compartilhar no WhatsApp

O medo de ganhar...por muitos!

por Kruzes Kanhoto, em 26.09.19

Constou-se-me – ou então foi eu que inventei, já não sei ao certo – que um tal de António Costa, um fulaninho que desta vez é capaz de ser o mais votado, terá alertado os portugueses para a possibilidade de o PSD, caso ganhe as eleições, voltar a cortar nos vencimentos e reformas, bem como aumentar os impostos.

Não sei se sou só eu que acho estas declarações um bocado parvas ou, pelo contrário, elas são absolutamente idiotas. E nem sequer estou a pensar no histórico de cortes de rendimentos e de aumentos de impostos. Que isso, aos que não têm memória curta, podia recordar aquele governo chefiado pelo Mário Soares que, aquando da anterior falência igualmente provocada pelo PS, cortou o subsídio de Natal e desvalorizou fortemente o escudo. Nada disso. Só acho essa possibilidade – o PSD ganhar as eleições - tão irrealizável que apenas um lunático a consegue, sequer, imaginar. E mesmo que num golpe de asa como nunca visto os eleitores lhe deem a vitória, desconfio que havia gente suficiente entre os derrotados para fazer uma geringonça. Como daquela vez, nos idos de 2015, em que levaram uma banhada eleitoral.

Compartilhar no WhatsApp

Meninos rabinos…

por Kruzes Kanhoto, em 24.09.19

Parece que um motorista se deparou, face a facínora, com um grupo de meliantes a assaltar-lhe a viatura. Não terá, a fazer fé no que se sabe acerca do acontecimento, sido particularmente simpático para com os patifes e, pasme-se, até os terá impedido de continuar a exercer a sua actividade. O que, naturalmente, os deixou indignados levando a que tenham recorrido à GNR para que a normalidade fosse reposta. Esta, chegada ao local da altercação, tomou conta da ocorrência e tratou de deter o motorista. Bem feita, que isto de prejudicar quem trabalha bem bastou no tempo do governo da direita.

Identificados pela PSP também foram uns quantos militantes, simpatizantes ou lá que eram, do PNR que pintaram uma parede onde antes um grupo de BE tinha rabiscado uns gatafunhos. Uma ilegalidade, isso de limpar o que outros sujam. Diz que em tempo de eleições pode-se sujar à vontade e quem se atrever a reparar os estragos arrisca-se a ir de cana. O mesmo princípio, presumo, aplica-se a todas as paredes. Sejam elas de edifícios públicos ou de prédios do Robles. Embora desconfie – mas isso é o meu mau feitio – que nem o Bloco ia fazer javardices para os prédios daquele gajo nem, se o fizesse, o PNR lá ia pintar por cima.

O que têm estas duas historietas em comum? Pouca coisa, se calhar. Eu é que ando com a impressão - vá lá saber-se porquê - que os legisladores tugas são grandes apreciadores da obra do Ary dos Santos. Aqueles versos, cantados pelo Fernando Tordo, onde se proclama a páginas tantas “detesto os bonzinhos, adoro os malvados” fazem cada vez mais sentido.

Compartilhar no WhatsApp

A Madeira ainda é um jardim

por Kruzes Kanhoto, em 23.09.19

Andam por aí umas alminhas com a secreta esperança de que os resultados das próximas eleições serão bastante diferentes daqueles que as sondagens apontam. Tanto gente de direita como de esquerda. Os primeiros porque se tentam convencer a si próprios que o PSD e o CDS podem escapar à hecatombe anunciada e os segundos porque têm quase tanto medo de uma maioria absoluta do PS como de um novo governo daqueles partidos. Desenganem-se. As sondagens são o que são, mas não andarão longe de acertar. Se não em cheio, pelo menos na aproximação.

Atente-se no caso da Madeira. Mesmo após quarenta e três anos – irra! - no poder o PSD lá ganhou outra vez. O PS apesar das expectativas dos tais que não gostam de sondagens, teve uma votação como nunca mas perdeu como sempre. O BE foi corrido do parlamento. Que os madeirenses não estiveram para aturar palhaços - nem palhaças - e quase nenhum eleitor e nenhuma eleitora estiveram para dar o voto aqueles trambolhos. Ou trambolhas. A CDU, à rasquinha, lá meteu um deputadozinho. Entre os trabalhadores e o povo – que é feito do povo trabalhador, se mal pergunto? - ainda arranjou votos suficientes para manter um dos dois eleitos que tinha antes.

Será mais ou menos o mesmo nas legislativas. Em termos de sondagens, claro. Que, quanto a números a comparação com a Madeira ficar-se-á apenas pela indómita vontade dos socialistas se apegarem ao pote. Se não conseguirem sozinhos qualquer um lhes servirá para não o deixarem escapar. Até o Chega, se preciso fôr.

Compartilhar no WhatsApp

Ganhar por poucochinho é que é bom...

por Kruzes Kanhoto, em 16.09.19

Parece que todas as sondagens dão a vitória ao PS nas próximas eleições legislativas. Com maioria absoluta umas e à beira da dita outras. Nada de surpreendente, seja qual for o cenário. Nem, em matéria de resultado eleitoral, algo que desperte em mim um interesse por aí além.

Nisto dos votos – ou das intenções, vai dar ao mesmo – o que me chamou a atenção foi, ao que diz um inquérito qualquer, que os eleitores que afirmam ir votar no Partido Socialista não desejam que o partido em que votam ganhe por maioria absoluta. Confesso que fiquei baralhado. Com um nó ao nível do cérebro, quase. Não consigo perceber. Esta ideia é tão parva quanto eu, benfiquista de todos os costados, desejar que o Glorioso ganhe apenas por um – ou dois, vá – ao Porto e ao Sporting em vez de lhes enfiar uma goleada.

Presumo que para esse pagode a escolha do partido em quem votar seja um drama. Podem ser acometidos daquela coisa que costuma dar aos comunistas na noite eleitoral onde, apesar dos resultados sempre miseráveis, reclamam invariavelmente uma estrondosa vitória. Neste caso seria o contrário. Sentir-se-iam derrotados apesar do partido em que votaram ter obtido uma retumbante vitória.

Se calhar o melhor é organizarem-se. Fazerem uma escala, ou assim. De manhã votam todos no PS e da parte da tarde - ali pelo meio-dia, não vá o Diabo tecê-las – votam no PCP, BE e no PAN.

Compartilhar no WhatsApp

Desprezível, esta gente...

por Kruzes Kanhoto, em 14.09.19

Captura de ecrã no 2019-09-14 11-31-18.jpg

Há muita falta de memoria na política e nos políticos. E nos eleitores, principalmente. Se houvesse memória, proclamações como a do camarada Jerónimo a gabar-se do seu partido ser um acérrimo defensor do ambiente, destruído pelo capitalismo está bem de ver, teriam o merecido tratamento. É que eu ainda sou do tempo em que os comunistas portugueses consideravam as noticias acerca do acidente nuclear em Chernobyl como propaganda anti-comunista. Coerente, esta malta.

Compartilhar no WhatsApp

Infantilização ou idiotização do eleitorado?

por Kruzes Kanhoto, em 07.09.19

IMG_20190907_124318.jpg

 

Poucos assuntos me podiam interessar menos do que as eleições legislativas. Assim de repente, a bem dizer, nem estou a ver nenhum outro tema que me interesse tão pouco. Até, confesso, as noticias acerca do Sporting me interessam mais. Isto porque, para além do resultado ser mais do que previsível, o meu voto e o de quase todos os eleitores de dois terços do país não importam para nada. É como se não existíssemos. No distrito de Évora, por exemplo, apenas são eleitos três deputados. Ou seja, cada voto noutro partido que não o PS, PSD ou PCP vale tanto como não ir votar. E no caso de Portalegre, com apenas dois, ainda é pior.

A contribuir para o desinteresse que estas eleições me causam estão, também, os eleitores. Mais ainda do que os candidatos. Quando, ao que tudo indica, quase vinte por cento admite votar em partidos estalinistas adeptos confessos de regime ditatoriais diversos e perto de quarenta por cento num partido que renega as suas origens democráticas para se aliar aos primeiros, está tudo dito acerca da inteligência do eleitorado que escolherá quem nos vai governar. Se a isto juntarmos os seis ou sete por cento de malucos que admitem votar no PAN podemos, sem grande esforço, concluir que depois de seis de Outubro, para quem possa, o melhor será começar a equacionar a hipótese de emigrar. Para onde não sei. Mas, procurando bem, talvez ainda exista num recanto qualquer um país com menos idiotas.

Compartilhar no WhatsApp