Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

IRS - O outeiro pariu um escaravelho

Kruzes Kanhoto, 12.04.24

Afinal parece que a anunciada redução do imposto sobre o rendimento vai ser uma coisinha de nada. Começam bem. Para continuarem melhor só falta darem aos professores e às força de segurança o que estes reivindicam. Ou seja, não podem reduzir o imposto à generalidade da população porque precisam do dinheiro dessas pessoas para o dar a outras. Bonito.

Imposto, para além do razoável, é roubo. E o actual nível de fiscalidade sobre o rendimento – seja do trabalho ou das poupanças – está muito para além do suportável. Há quem goste de argumentar, especialmente a metade que não paga ou paga um insignificância, que baixar o IRS coloca em causa o estado-social. Pois que coloque. Quem, depois de todos os descontos, ganha pouco mais do que o salário mínimo não deve ser sacrificado para que outros usufruam das benesses dadas pelo governo. Mas, pelos vistos, vai continuar a ser.

Estado Ladrão...ou coisa pior!

Kruzes Kanhoto, 24.03.24

images (2).jpeg

Está a começar a época dos impostos. Dentro de dias inicia-se a entrega da declaração de IRS, mais semana menos semana aparece a cartinha do IMI e, no meu caso, o pagamento do IUC. Quanto ao primeiro, a manutenção das taxas escandalosas que incidem sobre o rendimento apenas tem sido possível por os governos isentarem sistematicamente mais de metade da população. Caso contrário, estou em crer, já teria havido um qualquer levantamento popular. Só para que se perceba a dimensão do roubo e a injustiça fiscal deste imposto, tenho como exemplo uma declaração que irei submeter este ano na qual o sujeito passivo tem despesas para dedução à colecta superiores ao rendimento colectável e, ainda assim, vai ter de pagar ao fisco umas centenas de euros em cima do que lhe foi retido mensalmente ao longo do ano. E não, não comprou nenhum Porche. Trataram-se todas de despesas essenciais à vida, mas das quais o Estado apenas aceita deduzir um valor meramente simbólico. Deve ser isto a que chamam Estado social, ou lá o que é.

Os outros – o IMI e o IUC – constituem receita dos municípios. O que incide sobre os imóveis é um dos impostos mais estúpidos do mundo e o que tributa os veículos automóveis, com a carga fiscal que incide sobre os combustíveis, não passa de uma redundância. Mas, lá está, é necessário dar dinheiro às autarquias para que estas o utilizem em prol das pessoinhas. Se não fosse assim como é que a malta se divertia?

O IRS do vizinho

Kruzes Kanhoto, 18.02.24

Não faço contas à viabilidade das propostas da direita, nomeadamente da Iniciativa Liberal, sobre a redução do IRS. Até porque não as sei fazer. Para quem apresenta a proposta seriam quatro ou cinco mil milhões, para a Esquerda, que está contra tudo o que é redução de impostos, os cofres do Estado deixariam de contar com nove mil milhões caso a proposta fosse implementada. Tudo, obviamente, estimativas. Nem uns nem outros saberão ao certo qual o impacto de uma medida desta natureza. Dependeria sempre do que cada um fizesse com o dinheiro que lhe sobraria no bolso. Se, por exemplo, eu gastasse os meus – suponhamos – cem euros de alivio fiscal em bifes o Estado perderia noventa e quatro euros, mas se optasse por gastá-los em gasolina só perdia quarenta, mais coisa menos coisa em ambos casos. Já se fosse gastar os cem paus ali a Badajoz, aí sim, o Estado perdia tudo.

Seja como for, reduzir o IRS é da mais elementar justiça. O que nos estão a fazer constitui um roubo. De tal forma que a Esquerda já nem recorre à lengalenga habitual do “Estado-social”, da Educação ou do SNS. Prefere apelar ao sentimento de inveja e justificar a sua oposição à redução do imposto sobre o trabalho com a desculpa que quem ganha ordenados milionários é mais beneficiado. Ou seja, prefere prejudicar milhões de trabalhadores para não beneficiar dois ou três mil indivíduos. Não espero, obviamente, que os portugueses entendam o que está em causa e deem o merecido castigo a quem tem estas opções. Metade não paga IRS e, portanto, estes assuntos nada lhes dizem. Da outra metade muitos não sabem sequer ler o recibo de vencimento ou sentem-se confortáveis com o que pagam. É lá com eles. Só me aborrece é que ainda tenham o descaramento de achar que eu é que estou errado. Perdoai-lhes Senhor, que deve ser doença…

Isto anda tudo ligado

Kruzes Kanhoto, 01.12.23

Screenshot_2023-11-30-21-57-06-863_com.facebook.ka

1 – Ai anda, anda. Há muito que dei conta que os gajos do Facebook escutam as nossas conversas. Falamos de um produto qualquer e, vai daí, aparece-nos publicidade a uma qualquer marca que comercializa o dito produto. A foto, no entanto, ilustra uma coisa diferente. Aquilo não é publicidade. Nem truncagem. É apenas uma curiosa sequência na timeline daquela rede social. Mesmo muito curiosa. Só isso. Até porque, quase de certeza, não será aquela funerária a fazer – num dia que se espera longínquo – o enterro do velho peidoso.


2 - Garante um estudo qualquer que a “maioria dos portugueses (63%) aceitaria um aumento do imposto sobre os rendimentos para ajudar as pessoas com rendimentos mais baixos a suportar os custos da adaptação climática e transição energética”. É o que dá fazer estes inquéritos na fila para o RSI. Ou a quem ganha o SMN. Eu, se me perguntarem, também garanto que aceitaria com toda a bonomia do mundo o aumento dos impostos sobre o tabaco, a posse de animais de estimação ou, até, sobre o sushi.

Screenshot_2023-11-29-10-55-37-914_com.twitter.and

3 - Entretanto fiquei hoje a saber que graças ao “Livre”, pelo incrível preço de quarenta e nove euros mensais posso adquirir um fantástico passe ferroviário que me vai permitir viajar de comboio por onde me apetecer. Ou quase. Que aquilo não serve para todos os comboios. Nem para todo o país. Nem, muito menos, para todos os portugueses. O que me parece mais uma boa razão a juntar a todas as outras pelas quais não gosto de pagar impostos.

Qual é a pressa?!

Kruzes Kanhoto, 11.11.23

Por alguma razão que me está a escapar, anda por aí um clamor nacional a favor da aprovação do Orçamento de Estado antes que o governo vá abaixo. Assim de repente não estou a ver vantagens, em quantidade substancialmente maiores do que as desvantagens, para que se reclame tanta urgência. Ou, como perguntava o outro, qual é a pressa? Verdade que, por uma ou outra razão, o atraso na entrada em vigor do OE no dia um de Janeiro pode causar constrangimentos em algumas áreas de decisão. Mas, por outro lado, vejo uma série de motivos para considerar positivo o seu adiamento. Um deles seria a impossibilidade do Estado aumentar a despesa em relação ao ano em curso. O que, convenhamos, não teria mal nenhum. O outro seria, pelo menos enquanto não houvesse novo Orçamento, o salário mínimo nacional ficar sujeito a retenção na fonte. O que era excelente para que uma larguíssima franja da população ficasse a saber o que é essa coisa do IRS. Quando tantos enchem a boca com a necessidade de políticas que promovam a inclusão, essa seria uma medida do mais inclusivo que há. Até, acredito, sentiriam o seu espírito de cidadania muito mais reconfortado.

De acordo com tudo e o seu contrário

Kruzes Kanhoto, 12.10.23

É enternecedora a preocupação que certas pessoas demonstram pelos pobres. Dá gosto ver e toca fundo até nos corações mais empedernidos. A mim comove-me sempre ouvir falar de vulneráveis, de gente que não dispõe de competências para gerir financeiramente a sua vida, da importância dos apoios sociais e, modo geral do Estado-Social, no combate à desigualdade e para tornar a sociedade mais justa. Um discurso bonito e que, confesso a minha lamechice, quase me faz verter uma lágrima. Tenho-o ouvido com frequência sempre que, pelo menos desde 2012, me insurjo contra o saque fiscal que se abate sobre o rendimento de quem trabalha, investe ou tem alguma coisa de seu. Nomeadamente para contrariar e reprovar a minha ambição de ver o magro estipêndio que aufiro, aliviado da gula tributária que lhe devora uma parcela significativa.

Agora, que finalmente parece ir haver uma redução de impostos sobre os financiadores disto tudo, estou mortinho por ouvir essas almas caridosas perorar acerca desta magnânima intenção do governo de me deixar ficar com mais umas centenas de euros no bolso. Será, estou preparado para ouvir e ler, reveladora de uma infinita genialidade na arte de bem governar pois, apesar de cortar na carga fiscal sobre os salários, ainda aumenta os tais apoios sociais, dirão os indefetíveis do regime. Isto porque, em contrapartida, vão aumentar – e muito – os impostos indirectos. Os tais impostos cegos que mais prejudicam quem menos tem, recordo-me de ouvir dizer para justificar o IRS elevado. Por mim, que sempre defendi essa opção, não me vou queixar do aumento destes tributos. Nem, sequer, quando pagar muito mais IUC de um carro com vinte anos para financiar o desconto das portagens onde não passo, aos donos dos “Teslas” acabadinhos de sair do stand.

Engordar gulosos

Kruzes Kanhoto, 16.08.23

1 - Diz que há restaurantes que cobram uma taxa quando os comensais partilham a sobremesa. Não conhecia esta prática, mas sendo por mais conhecido o espírito empreendedor da maioria dos tasqueiros não me surpreende que o façam. Qualquer dia vão também cobrar pela utilização da cadeira, pelo açúcar do café ou pelo número de vezes que o empregado se desloca à mesa. Mais, mas isso já fazem, a sugestão da gorjeta. Tudo sujeito à taxa legal de iva, suponho. O tal imposto que eles alegam pagar, mas que sai do nosso bolso.

2 – Leio que alguém do PS terá declarado – provavelmente depois de almoço – que “o governo de António Costa já baixou e vai continuar a baixar os impostos”. Por mais piadolas que se possam fazer acerca desta declaração, convenhamos, nenhuma teria tanta graça...

3 – Não fossem as redes sociais e nunca imaginaríamos a quantidade de malucos que andam por aí. Hoje um saiu-se com esta: “Impressionante como o capitalismo financeiro consegue produzir mais desigualdade que o esclavagismo, feudalismo e colonialismo respectivamente”. Impressionante, de facto. Fiquei visivelmente impressionado com tanta desigualdade. Já o comunismo foi o que criou mais igualdade. Milhões e milhões de pobres. Mortos, muitos deles. Mas iguais.

"Se o povo tudo produz, ao povo tudo pertence"

Kruzes Kanhoto, 11.08.23

_2023-08-09-15-58-34-354_com.twitter.android.jpg

Outra vez?! Porra, pá que estes gajos são chatos. Mas o dinheiro é do Estado? Tirou como, se nunca lá esteve? Podiam, quanto muito, dizer “que o trabalho não declarado retira ao Estado a possibilidade de arrecadar três mil e quinhentos milhões de euros em impostos anuais”. E, mesmo assim, podia nem ser verdade. Quanto de todo esse trabalho não declarado seria realizado se estivesse sujeito à gula do Estado? Algum, provavelmente, não seria. Que isto nem toda a gente está disposta a trabalhar apenas para aquecer.

Não me canso de repetir que, perante tamanha voracidade fiscal, fugir aos impostos é perfeitamente legitimo. Tanto como resistir a quem nos quer roubar a carteira ou nos assalta a casa. O assalto, ainda que legitimado pela lei, não deixa de ser imoral. Claro que há sempre aqueles, cegos pela ideologia ou pelo amor ao governo, que acham que os impostos são baixos, que existe margem para os aumentar e que insultam – ou tentam, coitados – quem pensa o contrário. Criaturas a quem, por norma, o dinheiro não custa a ganhar ou que são beneficiários líquidos do sistema.

Volta Passos, estás perdoado!

Kruzes Kanhoto, 23.04.23

Screenshot_2023-04-23-14-58-41-921_com.twitter.android

2011

2023

Passos Coelho, caso voltasse a liderar o PSD, ganharia facilmente as eleições e o seu partido obteria uma maioria estrondosa no parlamento. Elegeria para aí dois terços dos deputados. Ou, até mesmo, bastante mais. Isto porque os apoiantes das medidas que tomou enquanto primeiro-ministro são mais que muitos.
Veja-se, já que estamos em época dele, o IRS. Teve, durante a governação PSD/CDS, um aumento brutal. Já as descidas que ocorreram desde dois mil e quinze foram meramente residuais. No entanto, desde a gaja da caixa do supermercado até ao comunista polivalente João Ferreira, ninguém o quer ver reduzido. Paguem, que são ricos. Ou seja, gostaram tanto que só querem que assim continue.
Quando quase metade da população não paga IRS, é fácil perceber o discurso do camarada candidato a tudo. É, no caso, o populismo do bem. E no caso dos que não pagam, também não é difícil entender. É a natureza humana, da qual a inveja é parte integrante, no seu pior.
Como resulta das tabelas de retenção acima, quem em 2011 ganhava mil euros ou mil e quinhentos, tinha uma retenção de 9% e 14%, respectivamente. Hoje a retenção é 11,2% e de 17,1%. Como, apesar de pouco, qualquer um destes vencimentos terá tido aumentos ao longo destes doze anos, é só fazer a conta ao esbulho de que estes desgraçados – a metade dos que pagamos – são a ser vitimas. Coisa do agrado do PCP e de muitos portugueses, pelos vistos. Volta Passos Coelho, que esta malta gosta muito de ti!

 

Opções, eloquências e nivelamentos por baixo

Kruzes Kanhoto, 06.04.23

1 – A TAP, para mal das nossas carteiras, é uma empresa pública. A CGD também. Ambas estratégicas e importantes para a economia do país, ao que nos garantem. Na Caixa o Estado opta por não intervir para, por exemplo, influenciar a baixa de juros dos créditos à habitação, aumentar a remuneração dos depósitos ou acabar com o abuso das comissões. Já na TAP intervém até nos horários dos voos. Opções.

2 – Quando a transportadora aérea foi nacionalizada o ex-ministro e futuro chefe do governo, Pedro Nuno Santos, avisou que, daí em diante a música seria outra e que essa nacionalização daria a Portugal e ao resto do mundo uma lição do que é a gestão pública. Hoje é indesmentível que essa lição dificilmente podia ter sido mais eloquente.

3 – Muitos dos que lamentam a impossibilidade de um jovem comprar ou arrendar um apartamento em Lisboa ou Porto – em todo o país, diria eu – são os mesmos que aplaudem a política, via aumento do SMN, de nivelamento por baixo. Hoje a diferença liquida entre o salário médio e mínimo é quase nenhuma. E, como é óbvio, dá para quase nada. Quer o mínimo, quer o médio. Que, graças às políticas socialistas, são praticamente a mesma coisa.