Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Solidarizem-se, porra!

por Kruzes Kanhoto, em 22.06.20

Passou pelos pingos da chuva uma proposta de criação de mais um imposto. Taxa Covid, propõem chamar-lhe e visará taxar os ricaços. Será, segundo a explicação avançada pelos seus proponentes, uma cena fofinha que abrangerá apenas quem tem muito graveto e que nada terá a ver com austeridade. Apenas solidariedade, esclarecem.

Não estivesse eu farto de ser solidário – ando a sê-lo para aí desde 2009 – e ainda era gajo para achar que se tratava de uma ideia simpática. Não soubesse eu que quem ganha pouco mais do que o salário mínimo já é considerado rico, talvez não me parecesse despropositada uma taxazinha qualquer que permitisse minorar o impacto da crise. Se desconhecesse a maneira como o Estado esbanja os recursos que nos saca, era capaz de acreditar que o produto do esbulho proposto não iria parar aos bolsos dos do costume. Fosse eu parvo de todo, talvez acreditasse que isso dos ricos pagarem a crise não acontece apenas no país das maravilhas.

Mas, confesso, essa cena da solidariedade agrada-me. É por isso que via com bons olhos um impostozinho qualquer sobre todos aqueles que se reformaram na casa dos cinquenta anos de idade – ou menos se tiverem sido políticos – e que levaram a reforma completa após trinta e seis anos – ou menos – de serviço. Era capaz de ser justo solidarizarem-se comigo que, após quarenta anos de trabalho, se me aposentar agora ficarei, de acordo com o simulador on-line da CGA, com  uma pensão de quatrocentos e trinta e oito euros e oitenta e um cêntimos. E é porque, parece, não pode ser menos.

Compartilhar no WhatsApp

Avante camaradas com isso do imposto das batatas fritas!

por Kruzes Kanhoto, em 22.11.17

Vamos em breve ficar a saber se o imposto das batatas fritas, do sal ou lá do que é, vai ou não avante. Isso, diz, depende da vontade dos camaradas. Que, ao que parece, não estarão pelos ajustes. Sabe-se que, nessa coisa da relação entre o Estado e o cidadão, os comunistas consideram que cada um deve contribuir consoante as suas possibilidades e receber de acordo com as suas necessidades. Daí que, de verdade, não esteja a perceber a posição dos camaradas. Acharão eles que a batata frita é um bem essencial na alimentação dos trabalhadores e do povo?  

Por mim, acho bem este imposto. Desta vez estou de acordo com os radicais que assaltaram o PS e com a gaiatagem doida varrida do Bloco.  Só lamento é que o valor da colecta não sirva para continuar a reverter o enorme aumento de impostos do tempo do outro. Mas percebo que não sirva. Alguém tem de pagar aquilo dos professores.  

Compartilhar no WhatsApp

Esperança num "produto" melhor...

por Kruzes Kanhoto, em 16.09.16

100_4828.JPG

Hesito quanto a isso da esperança começar em qualquer coisa que envolva o Bloco de Esquerda. Pelo contrário. Nem a esmagadora maioria de quem quem votou naquilo tem qualquer tipo de esperança. Foi, apenas e só, um voto de protesto. Que tanto foi no Bloco como poderia ter sido, se por cá houvesse disso, num partido de extrema-direita.

Veja-se o caso deste novo imposto sobre o imobiliário anunciado pelos bloquistas. Vai, dizia ontem um dos proponentes, apenas abranger os muito ricos. Mas, acrescentava, permitirá baixar o IRS, aumentar as reformas e melhorar as prestações sociais. Tudo em simultâneo. Ora, das duas uma, ou há muito mais ricos do que aquilo que se supõe ou o conceito de rico será uma coisa muito abrangente para os ideólogos desta parvoíce. Há, ainda, uma terceira hipótese que não deve ser excluída. Estarem a pôr pouco tabaco naquilo que andam a fumar...

Compartilhar no WhatsApp