Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Direitos há muitos seus palermas!

por Kruzes Kanhoto, em 04.04.18

dragones1.jpg

 

Toda a gente tem o direito a fazer greve. Bom, toda a gente é como que diz, se calhar naqueles países onde vigorou – ou onde ainda vigora – a política defendida pelo partido comunista e por outros esquerdalhos, não seria bem assim. Mas adiante, que isso é passado e, exceptuando por cá, já ninguém quer saber dessa camarilha. Ainda assim surpreende-me a distinta lata daquela malta e as implicâncias com a companhia aérea que tem alguns dos seus funcionários em greve. Para essa tropa apenas importam a meia dúzia de grevistas. Os passageiros que se lixem. Centenas ou milhares de pessoas adquiriram um serviço na convicção que o mesmo lhes seria prestado e quando a empresa faz o que pode para cumprir o contrato, tem estes inúteis à perna. Que, pasme-se, ainda acham que estão a fazer uma grande figura! Só falta sugerir que o governo nacionalize a companhia ou, em alternativa, que o pessoal passe a voar na Air Koryo. Diz que lá os trabalhadores nunca fazem greve.

Compartilhar no WhatsApp

O décimo terceiro mês...

por Kruzes Kanhoto, em 25.10.17

IMG_20171025_103513.jpg

Trinta dias tem Novembro, Abril, Maio e Setembro. De vinte e oito há só um e os demais têm trinta e um. Já com o nome Estremoz não conheço nenhum...

Compartilhar no WhatsApp

As saudades que eu já tinha de uma greve!

por Kruzes Kanhoto, em 17.11.16

huelga1.jpg

Diz que amanhã vai haver greve da função pública. Daquelas com manifestação e tudo. Não era sem tempo. Já tinha, confesso, saudades destas coisas. Não sei ao certo o que está, desta vez, em causa. Nem, dada a falta de noticias sobre o assunto, se é mesmo a sério. Deve ser da falta de treino. É que dantes, quando governavam os maus, isto era noticia para ser repetida até conhecermos de cor e salteado todas as reivindicações. Mas, seja o que for que estiver a ser reivindicado, estou completamente de acordo. Presumo que a jornada, apesar dos fantásticos avanços conseguidos e das não menos maravilhosas medidas já tomadas por este espectacular governo de esquerda que entende os justos anseios dos trabalhadores, vise reivindicar qualquer coisa em prol da generalidade dos trabalhadores do Estado. Uma só que seja. É que para mim está exactamente igual ao que estava antes. Reitero, exactamente. Por mais que o sindicalista gordo e comuna que de vez em quando ciranda cá pela terra, enalteça os feitos da geringonça e se esforce ingloriamente por demonstrar o contrário.

 

Compartilhar no WhatsApp

Trabalhos de casa

por Kruzes Kanhoto, em 02.11.16

Internet-4.jpg

 

Noticias vindas de Espanha dizem-nos que os putos estão a fazer uma espécie de greve aos trabalhos de casa. Forma de luta merecedora, como seria de esperar, de todo o apoio por parte dos progenitores. Compreendo a problemática. É, de facto, uma chatice os gaiatos chegarem a casa com cenas que impossibilitam aquela coisa do tempo de qualidade passado em família. Aquilo em que cada um olha fixamente para o seu tablet ou telemóvel sem ligar patavina aos outros.

Percebo que os miúdos não apreciem os TPC’s. Igualmente entendo que os pais não tenham paciência para ajudar os filhos a ultrapassar as dificuldades que estas coisas lhes colocam. Aceito, também, que prefiram estar no facebook, descansados da vida, sem ter o petiz a chatear por não perceber a tabuada ou seja lá o que for que ensinam agora. Compreendo isso tudo. Ninguém gosta de chatices. Podiam era admiti-lo. Que inventem argumentos rebuscados, muito modernos e que atirem para o ar uns quantos conceitos pretensamente evoluídos é que não me parece bem. Até porque ninguém acredita. Nem eles.

Compartilhar no WhatsApp

Diz que foi uma espécie de greve

por Kruzes Kanhoto, em 13.03.15

Hoje foi dia de greve na função pública. Presumo que a adesão, na perspectiva dos sindicatos, ronde uns avassaladores cento e dezanove por cento. Já na óptica do governo os funcionários que hoje faltaram ao trabalho não foram mais que dois. Ou três, se entretanto tiver morrido algum que ainda não tenha sido abatido ao efectivo.

O habitual, portanto. Embora os hábitos tenham mudado. E muito. As greves de hoje nada têm a ver com as de outros tempos. Nos anos seguintes ao vinte cinco do A e até aos anos noventa era predominantemente no sul, em particular no Alentejo, que os seus efeitos se faziam sentir. Agora, a julgar pelas noticias, é no litoral e também a norte que as greves terão uma maior adesão. Por cá não se dá por nada.

Entretanto tudo vai continuar como antes. Mário Nogueira vai, daqui a pouco, dizer coisas a que ninguém liga. Jerónimo de Sousa vai manifestar a sua solidariedade com a luta heróica dos trabalhadores e, mais uma vez, exigir a demissão do goverrrrrrrrno. Já António Costa garantirá que não pode anunciar medidas mas que, quando governar, vai satisfazer todas as pretensões de toda gente. Deve ser por isso que os alentejanos já não fazem greve...

 

Compartilhar no WhatsApp