Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Arte?! Talvez, mas mázinha.

Kruzes Kanhoto, 10.12.15

images.jpg

 

Não acredito que alguém, em seu perfeito juízo, admita a hipótese do funcionário da CP que impediu a vandalização de um comboio possa ser acusado da morte dos jovens grafiteiros. Pelo contrário. A acção merece um louvor da sua entidade patronal e o reconhecimento da sociedade pelo seu empenho na defesa da segurança e bem-estar dos utentes. De todos. Dos que estavam naquela altura na composição e dos outros que são obrigados a viajar em carruagens vandalizadas por artistas auto-proclamados.

A morte, seja de quem for é sempre de lamentar. Ainda que nuns casos mais que outros. Há, no entanto, actividades que envolvem risco. Entre elas a delinquência. Que, recorde-se, neste caso nem era motivada por qualquer intuito de satisfazer necessidades básicas ou essenciais à subsistência dos intervenientes. Entenderam, livre e espontaneamente, colocar a vida em risco em troca de algo inútil. Tiveram azar. Acontece.