Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Hipocondríacos seletivos

por Kruzes Kanhoto, em 15.05.20

IMG_20200421_140138.jpg

 

Acho piada aquela malta que faz cenas esquisitas com os bichos. Entenda-se - por cenas esquisitas – dormir com eles, dar-lhes beijos, partilhar comida e outras patetices modernas. Gente que, ao mesmo tempo, manifesta um pavor de morte – próximo da paranoia, diria – com o vírus chinês que anda por aí. O medo é tanto que, pasme-se, algumas dessas criaturas se acham no direito de ficar em casa, sem trabalhar, mas mantendo o direito ao ordenado. Nomeadamente funcionários públicos, que aos privados o patronato capitalista e explorador trata de acertar o passo a quem se dá a esses devaneios.

Mas, escrevia, há quem passe o tempo a desinfetar-se, só retire a máscara para comer e mude de passeio ao vislumbrar outro transeunte. Depois, se calhar, dorme com o bichano que passou o dia a escarafunchar no caixote do lixo. Que é, de certeza, um sitio onde vírus e outras cenas igualmente maléficas não entram.

 

Compartilhar no WhatsApp

Atirei o pau ao gato, mas o gato...É mentira! É só na galhofa, que não quero ir preso.

por Kruzes Kanhoto, em 19.10.18

images.jpeg

 

Leio, mas não acredito, que um sujeito terá sido condenado a dois anos de prisão efectiva – em Portugal, não noutro país terceiro mundista qualquer – por ter apedrejado um gato. Não pode ser. É uma fake news, de certeza absoluta. Com meliantes de toda a ordem, desde carteiristas a corruptos, de violadores a facínoras do piorio com penas suspensas ou, pior, mandados em paz pelos tribunais, era logo um gajo que apedrejou um gato a ir de cana?! Estão a gozar, não estão? Por mais fofinho e amoroso que seja o bichano, não se afigura que se trate de um assunto suficientemente relevante que faça a justiça perder o tempo que lhe falta para tratar de coisas sérias. Até porque, se isso fosse verdade, constituiria um claro sinal dado à sociedade que mais vale ir às trombas a uma pessoa do que ao focinho a um bicho.

Compartilhar no WhatsApp

Esta gente só tem ralações... Agora é um gato chamuscado. Valha-me um burro aos coices!

por Kruzes Kanhoto, em 26.06.15

A indignação, mais do que um direito, constitui um desporto nacional. É vê-los nas redes ditas sociais – que às vezes mais parecem ati-sociais – a destilar indignaçãozinha da boa por todos os poros. A vitima, hoje, é uma pacata aldeia onde, na falta de melhor diversão, os habitantes têm por hábito divertir-se a fazer umas patifarias aos gatos. A um, apenas. E só uma vez por ano. Ao que consta o bichano nem, sequer, chega a esgotar uma das suas sete vidas mas, ainda assim, os indignados da praxe não perdoam. Queixas, processos e autoridades em bolandas são, para já, as consequências conhecidas. A conta, essa, é paga pelo contribuinte. Sim que isto não é de borla.

Não me revejo nestas selvajarias. Nem noutras como ter cães ou gatos enclausurados em apartamentos, touradas, praxes académicas ou abandono de idosos. Mas, porra, há que relativizar um bocadinho as coisas. E, se calhar, é capaz de haver no país, na Europa e no mundo temas que nos deviam preocupar muito mais. Hoje, por sinal, até aconteceram umas quantas. Diz que houve uns quantos atentados onde até morreram umas largas dezenas de pessoas. A boa noticia é que nenhum gato se chamuscou.

Compartilhar no WhatsApp

O gato, a professora e os papás totós...

por Kruzes Kanhoto, em 22.05.15

A escola mudou muito desde os meus tempos de aluno. Para pior, receio. E, ao contrário do que muitas vezes parece que se quer fazer acreditar, não é por culpa dos alunos. Os pais são muito piores. Veja-se o caso do gato. Um exercício onde o autor pretendeu colocar uma pitada de humor, virou quase um drama nacional. Ou da professora toda jeitosa que dançava em cima de uma mesa enquanto se esfregava pelos alunos. O que, presumo, não terá afectado negativamente a rapaziada. E se afectou algum é porque qualquer coisa nele não funciona lá muito bem.

Ver os esparveirados dos papás preocupados com estes assuntos faz-me perder a esperança na humanidade. Afinal que receiam eles? Que comecem a chover pequenos felinos das varandas, colocando em causa a integridade pública dos transeuntes? Que alguma docente mais fogosa se estique para o lado dos seus “inocentes” meninos? É isto que preocupa o país?! Porra, pá. Tratem-se mas é...

Compartilhar no WhatsApp