Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Jornalismo da treta

por Kruzes Kanhoto, em 01.08.18

Basta consultar os sites da imprensa internacional para se ficar a saber que, todos os dias, os mais variados objectos se atiram às pessoas. Ele é automóveis, facas, ácido, ovos e, não raras vezes, armas verdadeiras a quem dá para disparar contra alvos humanos, as danadas. Quase sempre sem motivações conhecidas e, dado que ainda nenhum desses itens se locomove sozinho, por norma manobrados por doidos varridos. 

Mas, como tudo na vida, há excepções. Devem ser aquelas que confirmam a regra. A agressão a uma jovem atleta italiana de origem africana - desta vez as televisões portuguesas deram largo destaque à lamentável ocorrência - constituirá uma delas. Das ocorrências excepcionadas. É que já se sabe tudo. Desde a motivação até às causas que a provocaram. O racismo e a retórica populista e anti-imigração dos novos governantes italianos de extrema-direita. Nem, certamente, outra coisa seria de esperar. 

Ainda bem que, desta vez, a merda de comunicação social que temos de aturar descobriu tudo num ápice. Pena que, noutras ocasiões a culpa nunca seja atribuída. Podiam, sei lá, culpar a prédica de sexta feira nas mesquitas. Ou, mesmo que ao de leve, a aversão que certa malta tem relativamente à civilização e costumes ocidentais. Mas não. Nos poucos relatos dos muitos atentados que vão ocorrendo pela Europa, o culpado é sempre um maluco qualquer. E, se lhes escapa que o gajo é muçulmano, vem logo a retórica que não representa os valores do islão, à mistura com propaganda diversa.  

Um pouco menos de hipocrisia, um niquinho mais de isenção e uma muito maior dose de honestidade intelectual não ficavam mesmo nada mal aos junta letras e pés de microfone lusitanos.

Compartilhar no WhatsApp

Parvoíces

por Kruzes Kanhoto, em 25.09.17

28032017051040.jpg

 

Não percebo este chavascal por causa das eleições alemãs e da votação na extrema-direita lá do sitio. Os eleitores votaram nas opções que tinham à sua disposição, não consta que tenha havido fraude e, contados os votos, o resultado final foi o que se conhece. Goste-se ou não. Chama-se a isto democracia, ou lá o que é aquilo de que só gostamos quando ganha o nosso partido favorito.

Por falar em parvoíces. Diz que há umas desmioladas a propor que existam carruagens do metro apenas para mulheres. Mais ou menos as mesmas, ao que consta, que eram contra os livros para meninas e os livros para meninos. Argumentam que há marmanjos que se esfregam nas senhoras e que – passo a citar - se vêm entre duas estações. O que revela, logo para começar, que padecem de dois problemas. Desequilibro mental e ejaculação precoce. Um par de tabefes costuma aliviar o primeiro. Quanto ao segundo, revelar logo ali a precocidade ejaculatória do individuo em questão era capaz de produzir um efeito dissuasor bastante eficaz. Mas, seja como for, segregar é que não. Não pode existir medo. Não é o que dizem sempre que há atentados? Ou têm mais medo de um frustrado qualquer do que de um bombista?!

Compartilhar no WhatsApp

Cenas que não fazem a esquerda perder a cabeça. Por enquanto.

por Kruzes Kanhoto, em 10.12.16

charia.jpg

O que seria impensável estará agora a acontecer em várias cidades da Europa central e do norte. Tudo isto perante a passividade, o silêncio, a cumplicidade e não raras vezes o apoio dos governos, da justiça, da comunicação social e das múltiplas comissões, comités e associações de solidariedade com tudo e mais alguma coisa que envolva migrantes, minorias e multiculturalismo. Afinal, como dizia o outro, quando o dinheiro fala tudo o resto se cala... Depois admiram-se que a extrema-direita obtenha resultados eleitorais que a colocam às portas do poder em inúmeros países europeus ou eleja o Trump presidente nos EUA. Até eu, se visse porcos na minha rua, votava nessa malta.

Compartilhar no WhatsApp

Ainda a propósito de Bruxelas

por Kruzes Kanhoto, em 28.03.16

uk-muslims.jpg

 

images (1).jpg

 

images.jpg

 

download (1).jpg

 

download.jpg

 

Ainda estou em choque. Aquilo devia ser proibido. Pessoas, na rua, a manifestarem-se de cara tapada e a vociferar a sua intolerância perante modos de vida, culturas, religiões e valores aparentemente inconciliáveis com os seus é coisa que a Europa não pode tolerar. Não são estes os valores europeus. Nunca Bruxelas havia visto uma coisa assim. Nem Londres, Paris ou outra qualquer capital europeia. Há que travar estes patifes da extrema-direita. Constituem uma ameaça à paz e ao projector integrador, multi-cultural e humanista que os manifestantes das imagens que acompanham este texto tanto se esforçam por implementar no velho continente. Não tarda esses malandrins dos extremistas de direita ainda se começam a rebentar nos aeroportos, esplanadas, transportes públicos, teatros e sabe-se lá onde mais. Esses xenófobos são capazes de tudo só para nos aterrorizar.


Compartilhar no WhatsApp