Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Fulanos, beltranos e sicranos notoriamente patetas

por Kruzes Kanhoto, em 05.05.18

Fulano monta-se numa bicicleta, numa mota ou, de preferência, num meio de transporte ainda mais "radical" e parte por esse mundo fora. Fotografa-se em paragens inóspitas - daquelas onde ninguém quer viver – rodeado de calhaus ou no meio da poeira do deserto, tira umas selfies com gaiatos ranhosos ou com os matarruanos lá do sítio, come uns escaravelhos fritos e relata todas estas "experiências" num blogue. Quando regressa escreve um livro, vai à televisão e é tratado como alguém que fez uma descoberta científica qualquer. Ou melhor, até. 

Beltrano comprou um carro, foi dar um passeio, fez-se fotografar junto a uns monumentos, refeiçou fora, tirou umas quantas selfies e outras tantas fotos ao bife com batatas fritas e publicou tudo isso no seu blogue ou no facebook. É, segundo a moral vigente, um alarve. Sim que valorizável agora é fazer coisas parvas. Chamam-lhes "experiências", eles.  

E são estes os valores que todos os dias vejo exaltados. Na internet, na comunicação social e na vida real. Por mim podem mete-los no cu. No vosso, como diria a minha a avó.

Compartilhar no WhatsApp

Pacóvios!

por Kruzes Kanhoto, em 30.07.17

Aí pelo final dos anos sessenta e principio dos anos setenta do século passado o modo de vida no campo causava aos “lisboetas” - entenda-se os que moravam na chamada grande Lisboa – uma certa repulsa. Era, em muitas circunstâncias, motivo de gozo ou, em alternativa, de uma certa pena perante as condições de vida que, então, se verificavam na “província”. Recordo o quanto os enojava o facto de os animais andarem à solta pelas aldeias ou os estábulos localizarem-se paredes-meias com as habitações. Mesmo a natureza das tarefas agrícolas lhes causava uma certa aversão e eram, amiúde, objecto de chacota e piadas diversas.

Hoje, todo este tempo depois, acho-lhes graça. E sinto, agora é a minha vez, um enorme nojo pela maneira como partilham a casa, o sofá, a mesa e até a cama com os bichos. A quem consideram membros da família. Mas isso, enfim, eles lá sabem os parentes que têm. Depois há aquelas coisas a que chamam “experiências”. Vêm para o campo, passam umas horas a colher uvas, ordenhar vacas ou a limpar os currais e – no inicio pensei que era anedota – pagam para fazer isso!

Por mim podem continuar a relatar nos blogues deles, cheios de orgulho, todas estas vivências. Não tenho nada contra. As silvas lá da propriedade estão em crescimento acelerado e cortá-las é coisa que não me está a apetecer mesmo nada. Talvez faça um preço especial a quem queira vir ao Alentejo vivenciar a experiência única, enriquecedora e revigorante que é passar uma manhã com uma gadanha na mão.

Compartilhar no WhatsApp