Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Fim de todos os exames deste mundo! E do outro também, já agora.

por Kruzes Kanhoto, em 13.01.16

prostate cartoon.jpg

 

De vez em quando dou por mim a concordar com a “geringonça”. Demasiadas vezes, até. Agora é aquela coisa do fim dos exames. Acho muito bem que acabem. Todos. E de toda a espécie. Aquilo não traumatiza e inferniza apenas a vida das criancinhas. Tortura toda a gente.

Os exames de condução, por exemplo. Um aborrecimento. E não servem para nada. Podiam, com vantagem, ser substituídos pela avaliação contínua na escola de condução. Quem sabe a profusão de acidentes de trânsito se deva à infelicidade dos condutores por terem sido submetidos a exame. E, em caso de atropelamento, é preferível ser atropelado por um condutor feliz. Sê-lo por um que tenha sido examinado só traz chatices.

Ou, outro exemplo de coisas nocivas, os exames médicos. Uma seca. Deviam ser extintos. Já. Há lá coisa mais angustiante ou traumática do que o exame da próstata! Se temos todos de morrer, que morramos felizes. Sempre é melhor do que falecer traumatizado.

Compartilhar no WhatsApp

Governo fantoche e deputados “faztudos”

por Kruzes Kanhoto, em 05.12.15

transferir.jpg

 

Contrariando aquelas teses populistas que asseguram ser os deputados pessoas pouco dadas ao trabalho, temos agora, que me lembre pela primeira vez vez, um parlamento disposto a trabalhar. Até demais, a julgar pela amostra dos primeiros dias. Trabalham por eles e pelo governo. Preparam-se para legislar acerca de tudo e de todos. Como se não houvesse amanhã. Está tudo previsto. Desde os temas fracturantes às nacionalizações. Do fim dos exames à proibição das praxes. Deverá seguir-se, quiçá, a criminalização do piropo. Ou, com a obsessão que este gente tem com as bichas, a fixação administrativa de preços dos bens de consumo.

Bem visto bem visto nem precisávamos de governo. A Assembleia da Republica faz-tudo. E é isso, mais ainda que as maluquices do ilegítimo, que me faz temer o futuro. Daqueles “faztudos” qualquer coisa se pode esperar.

Compartilhar no WhatsApp