Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

As eleições do "poucochinho"

por Kruzes Kanhoto, em 07.10.19

Todos os resultados eleitorais se prestam às mais variadas interpretações. Como toda a gente também faço a minha mas, nem outra coisa seria de esperar, discordo da maioria das análises que, até agora, tenho lido ou ouvido.

Logo, a começar, pela vitória do PS. Foi por poucochinho. Teve, inclusivamente, uma votação menor – quer em termos percentuais quer em número de votos expressos - do que a da “PAF” em 2015. O que, convenhamos não abona muito a favor de um governo que, garantem, traz contente tanta gente.

O PSD, apesar das previsões catastróficas e de ter tido uma das piores votações da sua história, não teve a hecatombe que se anunciava. De recordar, por exemplo, que o PS teve 20,77% em 1985 e 22,24% em 1987. Ridicula foi a prestação do lider. Ontem, por momentos, pareceu-me estar a ouvir um qualquer dirigente do PCP quando ao Rio só faltou dizer que tinha ganho.

Mesmo a ser levado ao colo pela comunicação social o Bloco de Esquerda perdeu quase sessenta mil votos, caiu percentualmente e não ganhou um único deputado. Assim de repente não vislumbro motivo nenhum para ser considerado um dos vencedores nem, ainda menos, vejo razão para os guinchos das esganiçadas e companhia.

O PCP, esse, prossegue a sua gloriosa marcha em direcção à extinção. Um dia destes é ultrapassado pelo PAN. A menos que, quando menos se espere, os cientistas descubram uma maneira de prolongar a esperança média de vida em muito para lá dos cem anos.

O mesmo acontecerá ao CDS. Só que mais cedo.

Quanto ao PAN nem vale a pena massacrar o teclado. Aquilo é gente perigosa que nem respeito merece. A serem verdadeiras as suspeitas que pairam sobre aquela organização – um candidato de “Os Verdes” mencionou umas quantas – aquilo não é um partido. Será, antes, um caso de policia.

Quanto aos novos partidos são curiosas as reacções que a sua entrada no parlamento está a provocar. Nomeadamente as preocupações com o “Chega”. Até porque parece estar toda a gente muito feliz com a entrada da outra senhora que, sem gaguejar, confessou o seu radicalismo relativamente a diversas causas e manifestou a intenção de defender os interesses de minorias. Pensava eu, mas ninguém me manda ser alarve, que os deputados tinham como missão defender os interesses de todos os portugueses. Sem excepção.

Compartilhar no WhatsApp

Meninos rabinos…

por Kruzes Kanhoto, em 24.09.19

Parece que um motorista se deparou, face a facínora, com um grupo de meliantes a assaltar-lhe a viatura. Não terá, a fazer fé no que se sabe acerca do acontecimento, sido particularmente simpático para com os patifes e, pasme-se, até os terá impedido de continuar a exercer a sua actividade. O que, naturalmente, os deixou indignados levando a que tenham recorrido à GNR para que a normalidade fosse reposta. Esta, chegada ao local da altercação, tomou conta da ocorrência e tratou de deter o motorista. Bem feita, que isto de prejudicar quem trabalha bem bastou no tempo do governo da direita.

Identificados pela PSP também foram uns quantos militantes, simpatizantes ou lá que eram, do PNR que pintaram uma parede onde antes um grupo de BE tinha rabiscado uns gatafunhos. Uma ilegalidade, isso de limpar o que outros sujam. Diz que em tempo de eleições pode-se sujar à vontade e quem se atrever a reparar os estragos arrisca-se a ir de cana. O mesmo princípio, presumo, aplica-se a todas as paredes. Sejam elas de edifícios públicos ou de prédios do Robles. Embora desconfie – mas isso é o meu mau feitio – que nem o Bloco ia fazer javardices para os prédios daquele gajo nem, se o fizesse, o PNR lá ia pintar por cima.

O que têm estas duas historietas em comum? Pouca coisa, se calhar. Eu é que ando com a impressão - vá lá saber-se porquê - que os legisladores tugas são grandes apreciadores da obra do Ary dos Santos. Aqueles versos, cantados pelo Fernando Tordo, onde se proclama a páginas tantas “detesto os bonzinhos, adoro os malvados” fazem cada vez mais sentido.

Compartilhar no WhatsApp

Vão ver os gregos não apreciaram a politica de esquerda...

por Kruzes Kanhoto, em 07.07.19

Faz agora mais ou menos quatro anos um conterrâneo, conhecido pela sua excentricidade, passeou-se à volta do “bilhar grande” agitando efusivamente uma bandeira azul e branca. Temi na altura, por breves instantes, que o senhor estivesse a comemorar a conquista de algum titulo por um clube de futebol que veste aquelas cores. Nomeadamente aquele que já foi objecto de condenações na justiça e ao qual um super endividado município tratou de construir um centro de estágio. Mas não. Vitorias daquele clube foi coisa que praticamente não se ouviu falar nos últimos cinco anos. Embora igualmente preocupante,tratava-se apenas de celebrar a vitória nas eleições de um partido extremista que viria a governar durante quatro anos na Grécia.

Esta lembrança ocorreu-me hoje quando soube que os gregos correram com o tal Tsipras, o líder grego responsável pela euforia incontida daquele meu patrício. Imagino a tristeza que não irá naquela alma. Naquela e noutras que tão felizes ficaram na época. Gente para quem se iniciava ali um novo ciclo capaz, ao que se previa, de contagiar um sem número de países e que conduziria a humanidade a uma nova e gloriosa era. Só que não. Os cidadãos não são todos parvos e mesmo os parvos não o são eternamente.

Por cá a esquerda ainda não corre esse risco. Por enquanto. Não por mérito próprio mas sim – e praticamente só – por demérito da direita. Num país onde nada funciona, as reformas são cada vez mais irrisórias e o número de trabalhadores que ganham o salário mínimo não pára de aumentar até uma oposição encabeçada pelo rato Mickey ganhava as eleições. Mas no actual estado de coisas, em Outubro, terão muita sorte se elegerem mais deputados do aqueles que cabem num autocarro.

Compartilhar no WhatsApp

Extremismos, populismos e outras inquietações

por Kruzes Kanhoto, em 27.05.19

Ainda que tenha o maior respeito pelas opções políticas de cada qual e, naturalmente, ache que os resultados eleitorais são sempre para respeitar, tenho manifesta dificuldade em perceber o que leva alguém, com o mínimo de clarividência intelectual, a votar em organizações manhosas – nem merecem o nome de partidos – como o Bloco de Esquerda ou o PAN.

O primeiro, mais do que ideologia ou apresentar um modelo de sociedade, dedica-se a causas. As da moda, nomeadamente. Tem boa imprensa, lideres com discurso fluido e populista, jeitosas algumas e, com isso, consegue arregimentar parte significativa dos eleitores desiludidos dos restantes partidos. Como, para citar um caso conhecido, um ex-agente da PIDE recentemente falecido que nos últimos anos de vida votava sempre no BE. Sintomático.

Quanto ao segundo – o PAN - faltam-me as palavras e sobra-me a inquietação. É gente extremista, ignorante e, estranhamente, capaz de atemorizar tudo e todos. Perigosa, em suma. Daí que colocar os capitães Tofu e os doutores Javali desta vida em lugares de decisão é coisa que não augura nada de bom.

A propósito: Como é que se designam os apoiantes do PAN? Panascas? Panilhas? Paneleiros? Lá está...só inquietações!

Compartilhar no WhatsApp

O eurodeputado desconhecido

por Kruzes Kanhoto, em 24.05.19

Sessenta e nove por cento dos portugueses não sabem o nome de nenhum eurodeputado. Não é para me gabar – ou deverei escrever, penitenciar? - mas não me incluo nesse número. Sei de uns quantos. Dois ou três, vá. Mais, talvez. Mas, mesmo assim, seguramente bastante menos do que os nomes que conheço de jogadores da equipa sub-23 do Benfica.

É, contudo, uma injustiça para os parlamentares europeus que andam a lutar pela vida lá por Estrasburgo, reconheço. Olhem, por exemplo, aquele deputado do PS que anda sempre a protestar contra a corrupção e agora até gosta muito do Rui Pinto, aquele gajo que está preso por atacar computadores, sistemas informáticos e cenas dessas. O deputado Herman José, se não me falha a memória.

Compartilhar no WhatsApp

Uns chatos, estes eleitores.

por Kruzes Kanhoto, em 03.12.18

O drama. O horror. A tragédia. Tudo isso, em simultâneo, aqui mesmo à nossa porta. Os patifes da extrema-direita chegaram ao parlamento regional da Andaluzia. Um escândalo. Uma afronta aos valores da democracia e isso. Desta vez foram os incultos, iletrados, fascistas e mais trezentas coisas acabadas em “ista”, homofóbicos, islamofobicos  e portadores de todas as fobias já inventadas e por inventar que retiraram a maioria ao PSOE e votaram maioritariamente na direita e nos extremistas ainda mais à direita. Não se faz, de facto.  

Ainda assim, o actual chefe de governo espanhol – que por acaso até nem ganhou as eleições gerais – considera que, no caso da Andaluzia, deve ser o partido mais votado a governar. Mesmo sem ter maioria parlamentar. Deve ser uma espécie de direito divino dos socialistas. Ou, então, aquilo da geringonça só é legitimo se for de esquerda.  

Aguardo - com um nível de expectativa bastante reduzido, reconheço -  as reacções de jornalistas, comentadeiros e paineleiros diversos. Todos, presumo, bastante preocupados por, mais uma vez, o eleitorado optar pelas forças populistas ou lá o que chamam a tudo o que escapa aos ditames da doutrina oficial. Que não percebam o que leva os eleitores a estas opções, também não me surpreende. É o que acontece quando em lugar de se ouvir o povo se pretende doutriná-lo. 

Compartilhar no WhatsApp

Não ponha aqui o seu pezinho...

por Kruzes Kanhoto, em 22.10.17

IMG_20171022_122404.jpg

 

A democracia tem custos. Uns maiores, outros menores e alguns perfeitamente dispensáveis. Nomeadamente, quanto aos últimos, os que resultam de situações reveladoras de negligência. É o caso dos estragos no passeio onde, durante a recente campanha eleitoral, esteve um cartaz de proporções épicas. Tão épicas que os boletins de voto com a cruz na candidatura em questão, se desdobrados e espalhados no dito cartaz, dificilmente chegariam para cobrir toda a sua superfície.

Agora, retirada a propaganda, sobram vários buracos. Tratando-se de um local muito frequentado por velhinhas espera-se que nenhuma ponha ali o pé. Pode ser que, por se tratar das imediações de uma igreja, a divindade de serviço as guie por melhor caminho. Caso contrário o resultado da negligência é capaz de não ser assim tão negligenciável.

Compartilhar no WhatsApp

Falta muito para aquilo dos pássaros?

por Kruzes Kanhoto, em 14.09.17

100_5592.JPG

 

Pouco admira que um governo de esquerdistas, comunistas e socialistas malucos se sinta tentado a fazer aquilo que todas as ditaduras fazem. Regular todos os aspectos da vida dos cidadãos. Agora chegou a vez dos jogos de futebol. Que, pelos vistos, apenas se poderão realizar quando o governo entender. E, vá lá, que por enquanto apenas entende que não se podem fazer em dia de eleições. Quem sabe, no futuro, também não se possa jogar à bola quando o primeiro-ministro discursa ao país, no fim-de-semana da festa do avante ou quando a Catarina Martins anuncia as próximas medidas a aprovar pelo governo. E ainda bem que a CGTP já não faz manifestações, senão era mais um dia em que não havia futebol para ninguém.

A sequência desta senda reguladora continuará, mais dia menos dia, com as bolachas. Que isto do povo comer desreguladamente o que lhe apetece não é coisa própria de sociedades avançadas e devidamente organizadas. Tipo a Coreia do Norte, a Venezuela e assim. Aproveitando a deixa do sal, da gordura, do açúcar ou seja lá o que for que aquilo tem em excesso, não deixarão também passar a oportunidade de proibir a marca de bolachas “Maria”. Quando muito permitirão que se chamem “Mari@”. A bem de qualquer coisa de que eles se hão-de lembrar.

Mas, a bem-dizer, nada destas palermices que surpreendem. O que me surpreende e preocupa é que exista tanta gente a concordar com elas. A continuarmos assim não estará longe o dia em que, ao ligarmos a TV, nos vamos deparar com um individuo de tez ligeiramente mais escura que a maioria, a garantir que um passarito lhe chilreou qualquer coisa ao ouvido...

Compartilhar no WhatsApp

Vêm aí mais promessas rançosas

por Kruzes Kanhoto, em 02.07.17

image001.jpg

(imagem obtida na internet)

Estão aí, não tarda, mais umas eleições autárquicas. Tal como as anteriores – desde 2005, que foi quando este blogue apareceu – vão ter neste espaço toda a atenção que merecem. Pouca, portanto. E, mesmo essa, já será muita. A conversa dos candidatos – de lés a lés - vai ser a de sempre. Aborrecida, inconsequente e geralmente parva. Já dá ranço, como diria a minha avó. Esqueçam lá isso de “construir um futuro melhor para todos”. Poupem-nos a palermices como “investir na atractividade e reforçar a imagem do concelho”. Também toda a gente sabe que gostam muito da “regeneração urbana, eficiência energética, energias renováveis, modernização tecnológica, ambiente” e de outros conceitos modernaços. Sabemos igualmente que querem muito “melhorar o acesso à saúde e reforçar a coesão e a justiça social”. Não se cansem. Prometam mas é o empregozinho lá nas vossas câmaras ao bom do eleitor e vão ver que ganham isso com uma perna às costas. Ah, espera, isso já fazem. Embora não conste do programa. Mas podia passar a constar. Em nome da transparência, ou lá o que é. 

Compartilhar no WhatsApp

O génio da urna

por Kruzes Kanhoto, em 10.06.17

alvaro cunhal.jpg

 

Ontem apenas ouvi as noticias de “relance”, sem lhes dar a devida atenção. No final do dia, depois dos sound bites que fui apanhando, deitei-me convencido que o tal Corbyn,  o trabalhista inglês meio maluco, tinha ganho as eleições. Afinal não, fiquei hoje a saber. Foram os conservadores. Nem sei o que me terá levado a pensar o contrário. Culpei, primeiro, a pouca atenção que dediquei ao assunto em particular e aos órgãos de informação em geral. Depois, pensando melhor, conclui que houve qualquer coisa que me levou a esse convencimento. Deve ter sido o peculiar metódo de análise dos resultados eleitoral criado por Barreirinhas Cunhal há mais de quarenta anos, que agora faz escola entre jornaleiros tugas e analistas esparveirados, segundo o qual, no que toca a eleições, quem ganha perde e quem perde ganha. É por isso que gosto de futebol. Pelos menos sei sempre quem ganha. É quem mete mais golos. O resto é conversa fiada. E na politica também.

Compartilhar no WhatsApp

Há "outros" e "outros"...

por Kruzes Kanhoto, em 06.05.17

islamizacion-europa1.jpg

 

Políticos, politólogos e comentadores diversos esfalfam-se a tentar explicar as razões que têm estado na origem da ascensão dos partidos de extrema-direita – populistas, como eles lhes chamam – em quase toda a Europa. A austeridade, o desemprego, o fluxo migratório, a xenofobia ou outro motivo qualquer que, num momento de rara sagacidade, uma daquelas ilustres inteligências se lembre de mencionar constituem as explicações predilectas. Tudo isso enquanto manifestam um profundo desprezo por quem opta pelo voto nos tais populistas. Muitos milhões, no caso.

O que não deixa de ser curioso é que, por norma, vão intercalando uns dichotes acerca da necessidade de respeitar as ideias e as opções do “outro”, pois, asseguram, são essas coisas que constituem a matriz europeia. Neste raciocínio, confesso, escapa-me qualquer coisinha. Não sei qual é o “outro” a que se referem. Ou será que há “outros” que devemos respeitar e “outros” que devemos repudiar?! O melhor que têm a fazer é decidirem-se. E depressa. Que isto, como dizia Vasco Gonçalves num celebre comício, não há cá neutros. Ou se estava, no caso daquele maluco, com a revolução ou contra a revolução.

Convinha que esta gentinha percebesse que em causa não estão politicas austeritárias, refugiados de guerra ou ódio a pessoas de outras nacionalidades. O problema é a islamização da Europa e a consequente substituição dos valores europeus por outros próprios da idade média. Tanto assim é que o problema da extrema-direita e dos populismos não se coloca em Portugal. Tivemos e continuamos a ter austeridade, não temos é muçulmanos tresloucados. Por enquanto, que eles não gostam de cá estar.

Compartilhar no WhatsApp

Ainda as eleições holandesas

por Kruzes Kanhoto, em 16.03.17

Tenho manifesta dificuldade em perceber a euforia que o resultado das eleições holandesas provocou na comunicação social, nas esquerdas em particular e na intelectualidade bem pensante em geral. Deve ser problema meu, admito. Afinal quem é que ganhou aquilo? Parece-me, se percebo alguma coisa disto, que foi um partido assim mais ou menos parecido com o PSD de cá. Estranho é isso constituir motivo de satisfação para os gajos de esquerda... mas pronto, eles lá sabem.

Celebra-se, também, a estrondosa derrota da extrema-direita. Pois que não sei se será bem assim. Hesito em considerar a subida de cinco lugares no parlamento como uma derrota. Mais ainda daquelas derrotas que fazem estrondo. Nomeadamente se, como padrão de análise, seguir os critérios de alguns partidos portugueses nas noites eleitorais. Todos se lembrarão que, desde as primeiras eleições, o Partido Comunista tem, a cada eleição, menos votos e menos deputados mas, nem assim, deixa de proclamar retumbantes vitórias. Mas, para a propaganda oficial das novas verdades, isso agora não interessa nada.

Compartilhar no WhatsApp

Maioria silenciosa explicada aos novos esganiçados.

por Kruzes Kanhoto, em 04.03.17

Maioria silenciosa é um conceito que parece não estar a ser muito bem entendido por alguns génios auto-proclamados. Eu explico. Com o exemplo nacional, que é para não ir mais longe. Nos idos do pós-25 de Abril o PCP fazia grandes comícios. Mobilizava magotes de gente. Centenas de milhares em cada manifestação, segundo as próprias contas. Na rádio, televisão e jornais as posições amplamente dominantes eram as do partido comunista. Nem sequer havia contraditório, que isso da democracia pluralista era coisa de reaccionários e burgueses. Mesmo nas ruas poucos eram os que se atreviam – como hoje, quase – a exprimir opiniões contrárias à verdade vigente. O politicamente correcto da época, portanto. Criou-se, por causa disso, no país a sensação que as eleições dariam uma estrondosa vitória aos comunistas. Até porque, nessa altura, ainda não havia sondagens. O pior foi aquilo do voto. Tiveram doze por cento. Uma minoria esmagadora. Por mais esganiçados que tivessem sido os seus arautos.

A história é uma coisa lixada. Mostra uma preocupante tendência para se repetir, a marota. Embora, por mais que se repita, haja sempre burros que não a entendem.

Compartilhar no WhatsApp

Candidatos de peso

por Kruzes Kanhoto, em 30.12.16

voto.jpg

 

Começam a ser conhecidos os candidatos às ainda relativamente distantes eleições autárquicas. Ou, nalguns casos, os candidatos a candidatos. Daqueles putativos, apenas. Outros, para além de reunirem as duas condições anteriormente enunciadas, são igualmente surpreendentes. Isaltino de Morais, por exemplo. Diz que o homem reunirá apoios que o tornam num sério candidato a reocupar a presidência do município de Oeiras. Por sinal o concelho com maior concentração de licenciados e doutorados do país. Curioso, isso. Nomeadamente quando se insiste tanto que um dos nossos maiores problemas é a baixa escolaridade da população...

Por cá a coisa promete. Ou muito me enganam – não me enganei, queria mesmo escrever isto - ou vamos ter vários candidatos de peso. O que é bom. O resultado também não parece difícil de adivinhar. Embora esta coisa das eleições se assemelhe cada vez mais com o Placard. Neste jogo nem sempre o que tem a “odd” mais baixa é o vencedor e nas contendas eleitorais o favorito nas sondagens às vezes não ganha. E depois há aquilo das influências externas, Assim tipo o Putin a meter o bedelho nas eleições americanas e isso. O que será um factor a ter em conta. Má ou boa. Por mim prefiro as boas. Contas.


Compartilhar no WhatsApp

É a democracia, estúpido!

por Kruzes Kanhoto, em 13.03.16

486214092.jpg

 

Pode gostar-se ou não de Donald Trump. Todos os motivos são bons e muito respeitáveis para odiar o homem. O que parece muito pouco respeitável é a tentativa de o silenciar, de boicotar os seus comicios e de, por vias pouco legitimas, tentar impedir a sua nomeação como candidato presidencial. Atitude que, por cá, tem uma quantidade significativa de apreciadores. Não acho bem. O fulano tem todo o direito a dizer os dispartes que quiser e a propo-los aos eleitores americanos. O resto resolve-se nas urnas. Diz que é isso a democracia ou lá o que chamam aquilo do povo ser chamado a escolher livremente quem o governa.    

Compartilhar no WhatsApp

A coligação de esquerdelhos é cada tiro cada melro...

por Kruzes Kanhoto, em 14.11.15

Com aquela coisa dos macacos que se andaram a explodir por Paris, a entrevista do camarada Jerónimo à RTP quase passou despercebida. O homem, entre outras declarações assaz curiosas, garantiu não saber se o seu partido vai ou não aprovar o orçamento de Estado para 2016 que um eventual governo do PS venha a apresentar mal acabe de tomar posse. Estamos, portanto, conversados acerca da solução estável e credível que António Costa tem para apresentar ao Cavaco...

Compartilhar no WhatsApp

Já?!

por Kruzes Kanhoto, em 10.11.15

12190863_964355973635607_3218725297381189238_n.jpg

É pá, deixem ao menos secar a tinta!!!

Compartilhar no WhatsApp

Enganaram-se na formula. Só pode. Ou então vão pôr um radar em cada esquina...

por Kruzes Kanhoto, em 08.11.15

velocidade.jpg

Presumo que a esmagadora maioria dos que exultam de felicidade com a coligação das esquerdas já se tenha dado ao trabalho de ler o programa do governo que vão apoiar. Se sim e, apesar de o terem lido, continuam a acreditar que a solução governativa encontrada não nos vai atirar, a médio prazo, para mais uma bancarrota, então, são qualquer coisa mais do que apenas ingénuos ou idealistas.

Ali, no tal programa, o PS propõe-se fazer um enorme aumento da despesa – não sei quantificar mas serão, seguramente, largos milhares de milhões de euros – e uma colossal diminuição da receita. Mantendo, garantem, o desvio orçamental dentro das margens do tratado. Acredito que os autores disto saibam fazer contas. Suponho, até, que usem o excel – ou o calc, vá - para calcular estas coisas. Desconfio é que se enganaram nas formulas.

A menos que estejam confiantes no espírito transgressor, na tendência acelera dos portugueses e na receita que possam obter com a colocação de um radar em cada esquina. Com aquilo do SINCRO deve ser só facturar.

Compartilhar no WhatsApp

Estranho conceito de democracia...

por Kruzes Kanhoto, em 31.10.15

Captura de ecrã - 31-10-2015 - 16:42:31.jpg

 

Bastou um grupo de três indivíduos, cada um por si, ter a ideia de sugerir a realização de uma manifestação em frente à Assembleia da República contra um eventual governo de esquerda, para deixar os comunistas e outros esquerdalhos à beira de um ataque de nervos. Pelos vistos a rua é da esquerda. O direito ao protesto é da esquerda. O direito à liberdade de expressão só pode ser exercido se for para exprimir opiniões favoráveis à esquerda. Apenas a esquerda se pode manifestar nas ruas. Tem o exclusivo, devem achar as criaturas. Era assim em setenta e cinco. Pelos vistos querem que assim continue em dois mil e quinze. E isto ainda sem estarem no governo...

Compartilhar no WhatsApp

Há silêncios que valem por mil palavras

por Kruzes Kanhoto, em 30.10.15

Mário Soares é um gajo que gosta de dizer coisas. Daí que seja mais do que estranho o silêncio a que se remeteu desde o dia 4 de Outubro. Deve ter perdido o pio. Ou, o mais provável, estar em choque. Não é para menos. Mas lá que o silêncio do homem é ensurdecedor, lá isso é.

Compartilhar no WhatsApp