Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Dia da mulher

por Kruzes Kanhoto, em 08.03.18

SGX1xCrc5lYRpPoZ8G9K_Tl72eJkfbmt4t8yenImKBVvK0kTmF

 

Posso até compreender que, por razões históricas, se assinale com alguma pompa e razoável circunstância, o dia internacional da mulher. É, mais ou menos, como a celebração do armistício. Não aquece nem arrefece, como diria a minha avó que nunca soube o que era isso da igualdade, mas a quem nenhuma alminha, homem ou mulher, fazia o ninho atrás da orelha. 

Com o que concordo muito pouco é com aquilo da imposição de quotas por via legislativa. É uma estupidez e, queira-se ou não, um atestado de menoridade às mulheres.  Trabalho numa organização onde, até há pouco mais de vinte anos, todos os seis lugares de chefia eram ocupados por mulheres. Mesmo sem lei da paridade, ou lá o que é.  E nunca isso foi um problema. Agora, pelos vistos é. Sinal dos tempos. Ou do fascismo dos tempos modernos, se calhar.  Que, com tanta imposição, se vai parecendo cada vez mais com o outro. 

Compartilhar no WhatsApp

Pelo fim da discriminação no âmbito pecado.

por Kruzes Kanhoto, em 08.03.17

Depois de já ter revertido quase tudo o que havia para reverter, António Costa decidiu agora abrir uma nova frente no âmbito da reversão. Os ditados populares. Essa coisa da sabedoria popular não parece ser lá muito do agrado do primeiro-ministro em particular nem, mas isso sou eu a especular, dos geringonços em geral. Há, disse hoje o homem, que acabar com aquele dito de "entre marido e mulher ninguém mete a colher". Está, de facto, ultrapassado esse conceito. Actualmente – dizem, pois eu dessas cuscuvilhices não sei nada -  metem-se pelo meio do casal muitas coisas. E poucas, parece, são talheres. Mas fiquemos por aqui, que isto é um blogue frequentado por gente séria.  

Neste aspecto não discordo do tipo. Digamos que até acho bem. E, já agora que vem aí o Papa Xico, podíamos aproveitar para ir mais longe. Metia-se uma cunha -  coisa para a qual os tugas têm uma especial habilidade – para a igreja acabar de vez com aquela idiotice de considerar a cobiça da mulher alheia como um pecado. Não faz, nos tempos que correm, qualquer sentido manter em vigor esta visão discriminatória acerca do mulherio que se pode ou não cobiçar.  

Compartilhar no WhatsApp