Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

O homem do saco

por Kruzes Kanhoto, em 22.03.18

velho-do-saco_thumb[52].jpg

 

Ainda bem que quando era puto não havia essa modernice das CPCJ’s. Nem isso nem outros alegados esquemas manhosos de que agora tanto se ouve falar. Devia ser por, na altura, haver gaiatos em abundância. Ao contrário de hoje, que faltam pirralhos e sobram velhos. Talvez por isso, ao que consta, casos haverá em que, ainda nas maternidades, mal são paridos já estarão a ser subtraídos às mães. Há poucos catraios, depois dá nisso. Já quanto aos velhos, como há muitos, é ao contrário. Ninguém os quer. É a vida. Ou o mercado, não sei bem. Só sei que no meu tempo de criança, para prevenir um eventual mau comportamento da rapaziada, os pais ou outros familiares sugeriam que seriamos levados de casa pelo “homem do saco”. Uma figura mítica que nunca ninguém viu mas que, quando mencionada, tinha o condão de acalmar os ânimos ao mais irrequieto. Hoje, se calhar, para obter o mesmo resultado deve bastar ameaçar com uma chamada para a CPCJ mais próxima...

Compartilhar no WhatsApp

Deve ser uma questão de mercado...

por Kruzes Kanhoto, em 19.01.18

É com preocupante e inusitada frequência que vemos, ouvimos e lemos cada vez mais noticias de crianças retiradas aos pais. Presumo que quem decide sobre tão dramática medida o fará de acordo com aquilo que se convencionou chamar de superior interesse da criança e de mais ninguém. Quero, também, acreditar que serão pessoas competentes, com sobejos conhecimentos de causa e desprendidas de outros valores que não o bem estar dos pirralhos todas aquelas que têm por função tratar destes assuntos.

Pena que não exista uma CPVI. Uma Comissão de Protecção de Velhos e Idosos ou algo parecido. Ou, se existir o equivalente para protecção da velharia, não seja tão eficiente quanto a dos catraios. É que se há coisa que me faz confusão é a facilidade com que se arranjam instituições para acolher as crianças sonegadas aos progenitores, por oposição à dificuldade que se verifica para encontrar um lugar onde um velhote viva com dignidade os seus últimos dias. Vão ver é a lei do mercado a funcionar. As crianças são poucas, logo valiosas. Velhos são muitos, portanto rendem pouco. Investigue-se, como diz o outro.

Compartilhar no WhatsApp