Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Se tivesse Twitter o gordo da Coreia do Norte não diria melhor...

Kruzes Kanhoto, 14.10.20

Screenshot_2020-10-14-08-07-01-213_com.twitter.and

É preciso lata. Muita. E este individuo tem-na para dar, distribuir pelos amigos e vender a todos os papalvos que lha queiram comprar. Comigo não faz negócio. Nem ele nem o idiota-chefe do PSD que, em lugar de fazer oposição, anda a negociar tachos e tachinhos com a criatura que temos o infortúnio de ter como primeiro ministro. Só alguém muito cínico pode escrever aquilo ali em cima. Deve pensar que andamos todos a comer gelados com a testa. E relativamente à maioria, se calhar, não se engana.

 

Falta muito para aquilo dos pássaros?

Kruzes Kanhoto, 14.09.17

100_5592.JPG

 

Pouco admira que um governo de esquerdistas, comunistas e socialistas malucos se sinta tentado a fazer aquilo que todas as ditaduras fazem. Regular todos os aspectos da vida dos cidadãos. Agora chegou a vez dos jogos de futebol. Que, pelos vistos, apenas se poderão realizar quando o governo entender. E, vá lá, que por enquanto apenas entende que não se podem fazer em dia de eleições. Quem sabe, no futuro, também não se possa jogar à bola quando o primeiro-ministro discursa ao país, no fim-de-semana da festa do avante ou quando a Catarina Martins anuncia as próximas medidas a aprovar pelo governo. E ainda bem que a CGTP já não faz manifestações, senão era mais um dia em que não havia futebol para ninguém.

A sequência desta senda reguladora continuará, mais dia menos dia, com as bolachas. Que isto do povo comer desreguladamente o que lhe apetece não é coisa própria de sociedades avançadas e devidamente organizadas. Tipo a Coreia do Norte, a Venezuela e assim. Aproveitando a deixa do sal, da gordura, do açúcar ou seja lá o que for que aquilo tem em excesso, não deixarão também passar a oportunidade de proibir a marca de bolachas “Maria”. Quando muito permitirão que se chamem “Mari@”. A bem de qualquer coisa de que eles se hão-de lembrar.

Mas, a bem-dizer, nada destas palermices que surpreendem. O que me surpreende e preocupa é que exista tanta gente a concordar com elas. A continuarmos assim não estará longe o dia em que, ao ligarmos a TV, nos vamos deparar com um individuo de tez ligeiramente mais escura que a maioria, a garantir que um passarito lhe chilreou qualquer coisa ao ouvido...