Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Sim, prefiro fugir com o dito à seringa.

Kruzes Kanhoto, 14.02.21

xxxxxxxxx.jpg

Quando, em gaiato, era atormentado pelas maleitas próprias dessa condição – aquelas doenças que todos apanhamos em inicio de vida – e a minha mãe sugeria a necessidade de recorrer ao médico, a primeira pergunta que me ocorria era, invariavelmente, se o tratamento ia incluir injecções. A segunda, nas ocasiões em que não ouvia um não perentório à primeira, era se o padecimento que me afligia podia levar ao meu falecimento. Sendo a resposta convictamente negativa, o caso complicava-se e a minha resistência em recorrer aos serviços de um clínico aumentava consideravelmente. A lógica era simples. Não existindo o perigo de quinar, não valia a pena correr o risco de o médico receitar qualquer coisa injectável. Um terror, para mim, naquela altura. Tanto, que pouco me importava penar mais um bocado, com os sintomas das maleitas de ocasião, só para não ser picado.

Com o tempo o pânico às agulhas foi-se desvanecendo. Mas, confesso, a inquietação está a voltar. Deve ser por cada vez que ligo a porra da televisão para ver um noticiário, aparecer alguém a ser espetado num ombro. Aquilo repete-se em todo o lado a toda a hora. Sem necessidade, digo eu. Que isto de ver braços a serem trespassados por agulhas, é daquelas cenas que deviam ser anunciadas como podendo ferir a sensibilidade dos espectadores mais sensíveis. Assim tipo eu. Nomeadamente agora, que ninguém me garante a impossibilidade de falecer em consequência da maleita.

Confinados, mas pouco...

Kruzes Kanhoto, 30.01.21

Diz que vivemos uma espécie de confinamento. Não parece. Continua a haver gente na rua que, aparentemente, não terá necessidade nenhuma de lá estar e mantêm-se abertos serviços públicos e estabelecimentos comerciais que bem podiam estar fechados. Apenas dois exemplos. Serviços municipais e casas de apostas, lotarias e afins.

No caso dos serviços camarários, se calhar, chegavam os serviços essenciais. Recolha do lixo, piquetes e pouco mais. Compreendo que, nesta fase, haverá muito trabalho a desenvolver tendo em vista as eleições mas, que diabo, desconfio que eleitor morto é eleitor que não vota. Pelo menos na maioria das circunstâncias. O mesmo, com as devidas adaptações, se aplica aos putativos candidatos e respectiva vassalagem.

Quanto às casas de apostas, a justificação para as manter abertas raia o domínio da demência. O jogo não constitui nenhuma espécie de bem essencial. Os jornais, ou seja o que for que mais é vendido nesses sítios, também não. Até porque alternativas online não faltam. E nem vale a pena o argumento dos velhinhos, coitadinhos que ficam sem raspadinha. Que, assim de repente, vem-me logo à memória aquela coisa que afinal não era – mas enquanto foi, vi muitíssima gente a achar muito justa – da proibição do ensino à distância para garantir a igualdade entre as criancinhas.

Discriminação no âmbito do confinamento

Kruzes Kanhoto, 10.05.20

A proposta de André Ventura de promover um confinamento especial para os ciganos é, convenhamos, uma palermice. O que não admira, vinda de onde vem. Já a resposta do futebolista cigano – que, se calhar, alguém deve ter escrito por ele – diz, foi muito bem dada. Diz, que eu não perco tempo com discursos de ódio, venham eles de onde vierem. O que julgo saber é que o jogador da bola em questão já terá tido, ao longo da vida, mais problemas com a policia do que o outro sujeito. Estão bem um para o outro, portanto.

Mas, ainda quanto a confinamentos, anda uma cena a moer-me o sentido relativamente a esta polémica. É que estou farto de ver gente indignada com a proposta – parva, reitero – de confinar os ciganos. Mas, assim de repente, tenho a impressão que ninguém se tem importado muito com o confinamento dos velhos que estão nos lares. Nem mesmo quando alguém sugeriu que todos os velhotes fossem confinados até ao final do ano, houve tamanho alarido. Se calhar isto, para além de andar tudo ligado, está também cheio de velhofobicos. Ou, como sugere o meu corrector ortográfico, de velhacos.