Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Pássaros do sul

por Kruzes Kanhoto, em 11.06.20

IMG_20200611_095914.jpg

Os especialistas da especialidade garantem que os pássaros estão a desaparecer dos campos da Europa. Um decréscimo, estimam, de cinquenta e cinco por cento nos últimos trinta anos. Não é que pretenda questionar a sapiência dos entendidos na matéria. Eles é que andaram a contar a passarada e, portanto, devem ter razão. Se calhar foram-se embora dos locais alvo do estudo – quiçá assustados com a presença dos especialistas da especialidade – e migraram para outro lado. Para perto de mim, no caso. É que, lamento contrariar as eminências que tão eminentes estudos elaboram, mas por cá há cada vez mais pássaros. São mais que muitos. O meu quintal, se falasse, não me deixava mentir. E as figueiras lá da fazenda, também não. Nunca, quer num ou noutro destes locais, vi tanto pássaro como nos últimos anos. De tal maneira que cerejas e figos, graças a esses terroristas alados que tudo devoram, poucos consigo colher. Este ano, pela amostra, nem os devo provar. Os sacaninhas nem esperam que fiquem maduros. Por mim, que não sou especialista da especialidade, garanto que essa bicheza não está reduzida a praticamente metade. Contas por alto é capaz é de ter aumentado para o dobro. Isto é como dizia a minha avó quando lhe anunciavam a inexistência de uma coisa qualquer. Retorquía sempre, “não há?! Não os procuram!”

Compartilhar no WhatsApp

As cerejas da crise (ah, espera...isso já acabou!)

por Kruzes Kanhoto, em 22.05.17

cerejas.jpg

 

A produção da cerejeira cá do quintal foi uma miséria. Uma crise, mesmo. Daquelas a sério. Ou não se resumisse a colheita praticamente a isto. Poucas mais ficaram na árvore. Para piorar o cenário – se é que um cenário tão desolador pode ficar pior – há ainda os melros. Essa ameaça alada que paira sobre as cerejas mal elas começam a apresentar uma cor vagamente parecida com a camisola do Glorioso. São mais que muitos, os patifes dos melros. Que, para a coisa ficar mesmo má, se trata de uma espécie protegida. Vá lá saber-se porquê, se não estão em vias de extinção nem nada. Pelo contrário. Bicharada dessa não falta por aqui. Dessa e doutra. Que, diz, também não se pode matar. Parece que é proibido matar seja o que for que tenha asas. Não fosse isso e já teria feito uma fisga. Isso e as janelas da vizinhança.

Compartilhar no WhatsApp