Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Prioridade ao individuo

por Kruzes Kanhoto, em 14.02.18

aaaaaaaaaaaaaaa.jpg

 

Diz que terá havido pancadaria da grossa num hospital do Porto. Uns quantos indivíduos, revoltados pela demora no atendimento a um familiar doentinho, terão sovado vários funcionários que estavam de serviço nas urgências do tal hospital. Mas, vá lá, a policia estava por perto e tratou de dispersar os tais indivíduos.

Ora, confesso, tudo nesta história me causa estranheza. A actuação das forças policiais, por exemplo. Cuidava eu que a sua obrigação era mais agregar do que dispersar. Assim, sei lá, tipo juntar os indivíduos agressores na esquadra e leva-los à justiça ou coisa parecida. Embora, no caso, estender um bastão a toda a extensão do lombo dos indivíduos também me parecesse adequado.

Admito que o pessoal que levou nas trombas as estivesse mesmo a pedir. Mas, há que reconhecer, bater naqueles profissionais e naquelas circunstâncias é próprio de um individuo dotado de um elevado grau de imbecilidade. Característica muito comum a pessoas vulgarmente designadas por individuo pela comunicação social, diga-se. Se estavam com pressa para ser atendidos, seguramente que só pioraram as coisas. Pois, de certeza, que este comportamento dos individuos só terá contribuído para que tivessem de esperar ainda mais.

Por fim – e também por último – a maneira como a ocorrência é relatada em tudo o que é comunicação social. Os agressores são, sistemática e reiteradamente, tratados como indivíduos. O que configura um tratamento discriminatório e quase tão reprovável como o praticado pelos, lá está, indivíduos. Eu próprio já assisti, em diversas ocasiões, à invasão das urgências hospitalares por indivíduos. Ora, assim sendo, escusavam os senhores jornalistas de estigmatizar os agressores. Por causa do mau comportamento de um individuo – ou mesmo de cem mil, vá – não devemos julgar como mal comportada toda uma comunidade de indivíduos. Às tantas ainda começo a achar que existe na classe jornaleira uma espécie de preconceito racista contra indivíduos. Tá mal, pá!

Compartilhar no WhatsApp

Já se calavam com a briga dos fedelhos...

por Kruzes Kanhoto, em 25.08.16

images (1).jpg

Isto dos alinhamentos dos telejornais e dos conteúdos noticiosos em geral ficarem a cargo dos jornalistas é uma chatice. Já dizia Ferreira Leite quando era líder do PSD. Basta ver a última semana. Não têm falado de outra coisa que não da briga de uns gaiatos. Como se, para além dos que lhes são próximos, isso importasse a alguém.

Podiam falar, se a ideia é manter a temática criminal na ordem do dia para roubar audiências à CMTV, dos muitos doentes mentais que andam pelas ruas europeias a tentar matar pessoas. Isto enquanto gritam “Allah akbar”. Que, parece, é o que as criaturas com problemas do foro psiquiátrico agora fazem enquanto tentam limpar o sebo a quem lhes está mais próximo e não tem, em comum com maluquinho, o mesmo amigo imaginário.

Para minha grande desilusão – e do Bruno de Carvalho, também – nem a profunda crise que o tricampeão está a atravessar, como comprova o recente empate altamente comprometedor, tem sido noticia. Nem entrevistas de rua aos habitantes de Setúbal a indagá-los quanto à forte possibilidade do seu Vitória chegar à liga dos campeões. Há cerca de um ano Arouca, após a derrota do bicampeão aos pés do clube local, foi invadida por repórteres convencidos que estavam na terra onde se festejaria, meses mais tarde, a conquista do título. E agora não saem da Ponte de Sôr... Desiludem-me, estes jornaleiros.



Compartilhar no WhatsApp