Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Podem não noticiar...mas não podem esconder!

por Kruzes Kanhoto, em 10.11.19

Percebo que os canais de televisão não queiram maçar os telespectadores com minudências. Uma manifestação de algumas centenas de pessoas, numa terriola quase despovoada muito mais perto de Espanha do que de Lisboa, não constitui assunto para aparecer nas noticias nem justifica a deslocação de uma equipa de reportagem. Ainda se fosse para descrever a maneira de confecionar uma açorda ou para revelar ao país toda a magnificência de um prato de migas…

Manifestações a merecer honras de espaço televisivo são aquelas que metem um milhão de pessoas no Terreiro do Paço ou, como no tempo da troika, as que conseguiam mobilizar duzentos mil manifestantes naquela espécie de largo em frente ao Parlamento. Devia ser estarem dispostos em várias camadas, certamente.

A causa em questão, reconheça-se, também não era a melhor. Nem a mais valorizável. Pelo contrário, não era daquelas que a esquerda fofinha – passe o pleonasmo, que a esquerda é toda fofinha – aprecia e aprova. Fica para a próxima. Quando alguém – bombeiro, médico, professor – se “passar” e arrefinfar um tabefe nas trombas a um cigano. Ou a um jornalista.

Compartilhar no WhatsApp

E invadir um ministério e sovar o ministro, será preocupante?

por Kruzes Kanhoto, em 03.11.19

cabrito-9405421.jpg

Invadir o que calhar e malhar seja em quem for, nomeadamente quando as coisas não nos correm de feição, não é nada de mais. Qualquer um o faz. Quem nunca o fez dê o primeiro murro. Entrar em quartéis de bombeiros – ainda para mais voluntários – e chegar a roupa ao pêlo aos que lá estão a trabalhar em prol da segurança dos outros, parece-me um dos mais inalienáveis direitos adquiridos de cada um de nós. Convenhamos que os soldados da paz estavam mesmo a pedi-las. Estivessem em casa, em lugar de estarem para ali a voluntariar-se, e nada disto lhes acontecia.

Razão tem o nosso querido ministro Cabrito. Isto não tem importância nenhuma. Importante, mas importante mesmo à séria, é prejudicar o sossego dos cães da família do sôr ministro que, coitados, se sentiam incomodados com a presença dos Gnr’s que guardavam o coirão do governante Cabrito. Isso é que é preocupante. Agora cá bombeiros untados…

Também não percebo a insistência daqueles que nas redes sociais insistem em afirmar que foram os ciganos. Já a comunicação social – e muito bem – refere apenas que foram pessoas. Nada como noticiar com base nos factos. E o facto é que ninguém terá lido o chip aos atacantes.

Compartilhar no WhatsApp

Escolhidos a dedo. Do meio.

por Kruzes Kanhoto, em 28.07.19

Captura de ecrã no 2019-07-28 12-33-02.jpg

 

Para o governo, qualquer que ele seja, o país resume-se a Lisboa e Porto. Quando muito, com um pouco de boa vontade e após uns quantos protestos, a fronteira alarga-se até aos cinquenta quilómetros contados a partir da linha de costa. O resto que se lixe. Não tem eleitores, logo não importa. O desprezo atingiu o ponto máximo do descaramento quando, na anterior greve dos camionistas do Pardal, os serviços mínimos se resumiam às duas maiores cidades. Os restantes portugueses que se desenrascassem.

Para próxima, que será já um dia destes, a coisa está a ser melhor acautelada. Presumo, até, que a escolha dos postos de abastecimento tenha sido feita de acordo com rigorosos estudos científicos. Ou, assim numa de grande maluqueira, pelas vendas dos ditos. Quiçá, talvez não fosse totalmente despropositado, pela localização estratégica. Às tantas foi tudo isso em simultâneo e eu é que não estou a alcançar a genialidade das escolhas. É que já nem ligo a não haver nenhum em Estremoz. Mas dois em Elvas, o Pingo Doce de Borba e um mesmo junto à fronteira do Caia?! Isto nem com um desenho lá vai...

Compartilhar no WhatsApp

A pedreira não caiu, a pedreira não cairá...

por Kruzes Kanhoto, em 24.11.18

Captura de ecrã de 2018-11-24 10-55-52.jpg

Desde a queda da parede da pedreira, a tal que arrastou consigo a estrada ali em Borba, esta imagem não pára de ser partilhada pelos internautas. É uma foto, de uma zona que já há mais de dez anos aqui tinha merecido referência, de uma pedreira abandonada dentro do perímetro urbano de Estremoz. O ponto de maior aproximação à avenida que a ladeia não deve chegar a dez metros mas, descansai, o buraco nunca constituiu, não constitui, nem constituirá qualquer espécie de perigo para transeuntes, automobilistas ou camiões que circulam por aquela via. Se não caiu até aqui não vai ser agora, nem num futuro próximo ou distante, que cairá. A menos que se confirmem algumas noticias que começam, insistentemente, a circular e que dão conta de muitos milhões de euros que os fundos comunitários disponibilizarão para resolver estes problemas. Aí sim. Quando o financiamento estiver à mercê dos gulosos do costume, então, a tragédia estará eminente e um cataclismo de proporções épicas prestes a acontecer. Até lá...não passa nada!

Compartilhar no WhatsApp

Prioridades

por Kruzes Kanhoto, em 20.11.18

Muita gente dirá agora que aquilo da estrada entre Borba e Vila Viçosa era uma tragédia à espera de acontecer. Até podia ser mas, pelo menos com a força necessária, ninguém apertou com os responsáveis. Não tardarão a surgir - a bem dizer até já começaram - vozes a apontar culpados.  Nem, também, figurões a sacudir a água do capote.  Em pouco tempo já se disse e  escreveu muita coisa e o seu contrário. Mas que ali - e, provavelmente, noutros locais - a responsabilidade será da câmara municipal, parece ser a tese que reune mais seguidores. Inclusivamente entre os governantes que já dissertaram sobre o assunto. O que me dá razões de sobra para ficar inquieto. Como é que as autarquias vão garantir a manutenção das estradas quando a sua prioridade é dar empregos aos amigos, camaradas, companheiros e palhaços diversos? E fazer festas com o que sobra...como o pagode que agora os critica tanto aprecia.

Compartilhar no WhatsApp