Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Parvoíces

Kruzes Kanhoto, 25.09.17

28032017051040.jpg

 

Não percebo este chavascal por causa das eleições alemãs e da votação na extrema-direita lá do sitio. Os eleitores votaram nas opções que tinham à sua disposição, não consta que tenha havido fraude e, contados os votos, o resultado final foi o que se conhece. Goste-se ou não. Chama-se a isto democracia, ou lá o que é aquilo de que só gostamos quando ganha o nosso partido favorito.

Por falar em parvoíces. Diz que há umas desmioladas a propor que existam carruagens do metro apenas para mulheres. Mais ou menos as mesmas, ao que consta, que eram contra os livros para meninas e os livros para meninos. Argumentam que há marmanjos que se esfregam nas senhoras e que – passo a citar - se vêm entre duas estações. O que revela, logo para começar, que padecem de dois problemas. Desequilibro mental e ejaculação precoce. Um par de tabefes costuma aliviar o primeiro. Quanto ao segundo, revelar logo ali a precocidade ejaculatória do individuo em questão era capaz de produzir um efeito dissuasor bastante eficaz. Mas, seja como for, segregar é que não. Não pode existir medo. Não é o que dizem sempre que há atentados? Ou têm mais medo de um frustrado qualquer do que de um bombista?!

Haja respeito pelos bombistas!

Kruzes Kanhoto, 24.05.17

Está difícil a vida – e a morte, também - de terrorista. Devem estar que nem podem. Coitados. Por mais que se esforcem raramente as suas acções são reconhecidas atempadamente como resultantes da sua indómita vontade de aterrorizar. São sempre incidentes, ocorrências ou, na melhor das hipóteses, actos tresloucados.

Há, depois, aquilo da fé. Verdade que cada um tem a sua. Eles, com toda a legitimidade, têm a deles. Mas, desgraçados, por mais que insistam em se rebentarem por causa e em nome dela – da fé – outros ainda mais desgraçados esfalfam-se por demonstrar o contrário. Que não, que não têm fé nenhuma e mesmo que tenham não foi nada em nome da dita fé que se fizeram em fanicos. São, portanto, considerados uns mentirosos. Tese que, desconfio, pode ser considerada discriminatória por se tratar de um julgamento preconceituoso contra a classe dos bombistas suicidas.

Pior ainda é o que se segue aos rebentamentos. Não para os rebentados, que esses já foram ter com as virgens, mas para os candidatos a rebentar. Os infelizes têm de aturar os papalvos das flores, das rezas, das velas e dos facebook’s amaricados. Uma chatice. De tal ordem que até os que ainda não foram acometidos da vontade de se explodir ficam mortinhos por o fazer. E costumam fazê-lo.