Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Eu não sou de intrigas, mas...

por Kruzes Kanhoto, em 01.05.18

31301497_1782070171879333_443507329531379712_n.jpg

SLB.jpg

Quiçá influenciados pelas recentes comemorações da abrilada, têm sido muitos os adeptos do clube da fruta e do putedo a partilhar a imagem que compara os títulos desportivos conquistados pelo clube do Porto e pelo Benfica desde o fim do Estado Novo. Não vejo, assim de repente, relação entre uma e outra coisa. Mas, dizem eles, são factos e números esclarecedores acerca dos quais cada um tirará as ilações que entender.

Ora foi isso mesmo que eu fiz. Vi números, ocorreram-me alguns factos e tirei as minhas ilações. Constatei que no período em que o Sócrates governou, aquele clube ganhou catorze troféus. Mais do dobro dos conquistados pelo Glorioso. Não é que veja nisso – tal como não vejo no outro – nada de especial. Apenas factos. E números esclarecedores acerca dos quais cada um tirará as ilações que entender.

Compartilhar no WhatsApp

Prioridade à bola

por Kruzes Kanhoto, em 28.04.18

2a6c3e7ae488dd046e43352caeb37dee--funny-humor-funn

 

Diz que a justiça estará a investigar, detalhada e exaustivamente, todos os jogos do Benfica realizados nos últimos cinco anos. Deve ser investigação para manter os nossos justiceiros ocupados durante uns tempos. Mas ainda bem, que isto da bola tem de ser levado a sério. Até porque essa coisa dos três grandes, seja qual for a modalidade, ganharem quase sempre e serem campeões muitas vezes – consecutivamente, com frequência – deixa-me com a pulga atrás da orelha. É estranhíssimo os melhores ganharem sem ser com manhosices, não é?

Entretanto Porto e Sporting reivindicam para si o estatuto de clube mais titulado de Portugal, reclamando, cada um deles, mais de vinte mil títulos conquistados no conjunto das modalidades que praticam. Contenda que, presumo, um dias destes será dirimida na justiça. Que é para causas nobres e determinantes que ela serve. Isto, claro, após investigar se não houve marosca na obtenção de cada uma dessas vitórias. A menos, teoria a não descartar, que o facto de equiparem de verde ou de azul seja motivo mais do que suficiente para a isenção de suspeitas.

Enquanto isso, apenas estão sob a alçada da lei meia-dúzia de políticos. Não há vagar para investigar todos os outros milhares, actuais e passados, que exercem ou exerceram funções executivas na governação central, regional e local. A esmagadora maioria, obviamente, não será corrupta. Mas convinha, digo eu, que todos percebêssemos a razão porque entram para lá pelintras e saem com um património pouco compatível com o vencimento. Respeitem-se, no entanto, as prioridades da Justiça. Se a bola está primeiro, que assim seja.

Compartilhar no WhatsApp

E-bruxedo

por Kruzes Kanhoto, em 12.03.18

IMG_20180312_083135.jpg

 

Tem valido tudo, mas mesmo tudo, para prejudicar o Glorioso. E, não tenho dúvidas, vai continuar a ser assim. Por mim vou fazendo o que posso para retribuir. Ou seja, apostar neles. Como, entre outros, já referi aquiaqui e aqui. Uma espécie de operação E-Bruxedo. Investiguem o meu azar…

Compartilhar no WhatsApp

Não sou supersticioso...mas quero dar azar!

por Kruzes Kanhoto, em 04.02.18

IMG_20180201_140536.jpg

 

Ponto prévio para quem está menos familiarizado como o "Placard". Para ganhar a aposta teria de acertar os dois jogos. Em caso de acerto ganharia, neste exemplo, um euro e noventa e um se tivesse apostado um euro, dezanove e dez se apostasse dez euros ou cento e noventa e um euros se a aposta fosse de cem. Face aos resultados verificados, quer neste boletim quer no anterior, não ganhei nada. Excepto, claro, a satisfação de ver os adversários perder pontos.

 

Como escrevi no outro post, nisto do jogo gajo mais azarado do que eu, não há.  É por isso que, aproveitando o meu azar, estou a lançar uma malapata aos clubes rivais. Aposto sempre neles. Nos dois. Uma aposta em que, para ganhar, ambos terão de vencer os seus jogos. Coisa que, como se vê, pela segunda jornada consecutiva e após duas apostas nesse sentido, não está a acontecer. Convém também explicar, aos que não sabem, o significado de "malapata". Trata-se de uma palavra de origem espanhola que significa "má sorte por influencia do Diabo". Já agora recordo que estão a ler o "Kruzes Kanhoto" e que isto anda tudo ligado. Ou, como dizia a minha avó, pode não haver bruxas, mas quanto aos bruxedos já não garanto... 

 

Tudo isto para dizer ao Francisco J. Marques, ao Nuno Saraiva, ao Bruno de Carvalho e a outros patetas anti-Benfica que escusam de se preocupar com o tal Nhaga, com os vauchers, com os emails ou com o Centeno. Não vale a pena. O Glorioso até pode não ser campeão, mas lá que porto e sporting não vão ganhar muitas vezes disso tenho a certeza.  

 

PS: E, já agora, esclareço que sou eu que pago as apostas!  

 

Compartilhar no WhatsApp

Apostar na desportiva...

por Kruzes Kanhoto, em 30.01.18

IMG_20180130_140730.jpg

 

Há coisa de dois anos, na ausência de melhor destino a dar ao pecúlio, decidi apostar o conteúdo do mealheiro dos "pretos" no Placard. De então para cá os prémios - poucos e pequenos, diga-se – que vou obtendo voltam para o dito mealheiro até que se gaste o que antes amealhei. Um ciclo que se repete desde então, mas que, a julgar pela inacreditável sucessão de palpites errados, estará prestes a terminar por insolvência da "banca". Ou do mealheiro, no caso. 

Nisto das apostas gajo mais azarado do que eu, não há. É, estatística e matematicamente, impossível. Se aposto na vitória de um clube que não perde há três jogos, aquilo é derrota certa. Sai-me tudo, mas rigorosamente tudo, ao contrário. É por isso que, de hoje em diante, vou alterar a estratégia. Só apostarei nas vitórias de porto e sporting – propositadamente em minúsculas - pelas razões que já estarão a adivinhar. É falhanço garantido. Um deles, de certeza, não ganhará na maioria das ocasiões. Vai uma aposta? 

Compartilhar no WhatsApp

Vaucher, email ou azelhice?

por Kruzes Kanhoto, em 27.01.18

img_605x340$2016_03_05_22_25_03_1073016.jpg

 

Que me lembre – e já me lembro de muita coisa – nunca o país assistiu a um ataque dirigido a ninguém, nem a nenhuma instituição, como aquele de que o Benfica está a ser alvo. O desespero pela ausência de vitórias pode, admito, servir de justificação. Não pode é justificar tudo. Sejam os depósitos nas contas dos árbitros, a invasões dos locais onde os mesmos se treinam ou a violação do sistema informático de uma empresa cotada em bolsa. Tudo perante o alheamento da justiça – da desportiva e da civil – e o gáudio da miserável comunicação social que temos.

Não ponho, obviamente, a mão no fogo por ninguém. Ando cá há anos suficientes para saber que não há inocentes. Mas o que de verdade me surpreende, ainda mais do que outras coisas, é não haver uma alma que se lembre de esmiuçar os auto-golos e os penáltis do Tonel – ah, espera, esses beneficiaram o Porto e o Sporting – nem aquele falhanço inacreditável do Bryan Ruiz que tirou o campeonato aos lagartos. Uma azelhice daquelas ainda hoje me cheira a marosca. Investigue-se...

Compartilhar no WhatsApp

Paineleiros...

por Kruzes Kanhoto, em 18.01.18

DD7MyLRUMAAe5RI.jpg

 

Os homens não se medem aos palmos, já garantia a minha avó. Medem-se, queria a minha antepassada dizer na dela, pelo carácter. Entre outras coisas, acrescento eu. Daí que, pese a ausência de ambos, não pretenda gozar com o cavalheiro da imagem. Até por não conhecer os motivos que levam o sujeito a colocar as almofadas debaixo da peida. Ele lá saberá o que andou a fazer antes de ir para o estúdio. Há, no entanto, quem garanta que será tudo uma questão de tamanho. Por mim, que há muito deixei de ouvir as patacoadas da alimária, que seja apenas isso do tamanho. Dele ou do outro.

Compartilhar no WhatsApp

Umas mamocas incomodam assim tanto?!

por Kruzes Kanhoto, em 07.08.17

18102314_UfwC8.jpeg

 

Ainda sou do tempo em que vislumbrar mamocas ao léu na televisão constituía algo para lá de impensável. Hoje é coisa mais ou menos corriqueira e, a bem dizer, já ninguém liga. É por isso que não percebo a polémica por causa daquela adepta do Glorioso que nos encheu a pantalha com o seu peito generoso. Devidamente coberto pelo manto sagrado, refira-se. Nem, ainda menos, consigo entender as razões que levaram o realizador da transmissão televisiva a pedir desculpa. Parece-me coisa própria de alguém com a espinha demasiado flexível. As criticas - não li nenhuma, não quero ler e nutro um profundo desprezo por quem as fez ou com elas concorda - presumo que venham de criaturas com um nível de intelecto próximo da indigência mental. Só é pena que andem por aí a beber a água que, nomeadamente em tempo de seca, tanta falta faz para dar de beber aos animais ou para regar as plantas.

Para a próxima ele que mande os operadores de câmara filmarem dois paneleiros a entrelaçarem as respectivas línguas e vão ver que ainda ganha um prémio qualquer, recebe um aumento de ordenado, uma promoção e uma medalha do Marcelo por promover a diversidade, a diferença e o enrabanço.

Compartilhar no WhatsApp

Remate kruzado

por Kruzes Kanhoto, em 14.05.17

slb.jpg

Para uns o Benfica só foi melhor por ter sido o campeão. Para outros foi o melhor e por isso foi campeão. Por mim estou-me nas tintas. Até porque em qualquer das opções constam as palavras melhor e campeão. Se os adversários não querem reconhecer o mérito, problema deles. O mundo benfiquista convive bem com isso. E, de certa forma, até agradece. Enquanto estiverem entretidos a falar do Glorioso não pensam em resolver os problemas deles. O que, convenhamos, é óptimo. Diz que agora vão formalizar aquilo que já se sabe existir na prática. Uma espécie de geringonça futebolística. O que será, seguramente, uma coisa divertida de ver. Um deles vai ser comido de cebolada, contribuindo assim para o crescimento do outro. E, como não são as galinhas que comem as raposas, não parece difícil adivinhar qual é que vai servir de repasto. Mas isso é lá com eles. A nós, aos adeptos do maior clube do mundo, não nos interessa. Diverte-nos, apenas.

Compartilhar no WhatsApp

Só desejo que o clube deles continue a voar baixinho...

por Kruzes Kanhoto, em 13.04.17

Estou curioso acerca das reacções que os cânticos entoados no pavilhão do Porto, pela claque do clube local, vão suscitar nas diversas instâncias. Desportivas, politicas e judiciais, nomeadamente.

Presumo que Bruno de Carvalho, por esta altura, já tenha publicado um – ou mesmo dois –posts no facebook a insurgir-se contra aquelas atitudes e esteja já a preparar uma queixa  pelo comportamento dos adeptos. No mínimo exigirá uns vinte jogos à porta fechada. Também Pinto da Costa tratará de meter aquela gente toda na ordem.  A esta hora já os deve ter expulsado a todos e tratado de os enviar para Canelas. Outra coisa nem será de esperar de tão ilustre, educada e bem-quista personagem.  

Calculo que igualmente os meios políticos e judiciais estejam em polvorosa. Talvez, para prevenir futuras repetições deste triste episódio, tenham já sido encomendadas diversas propostas de lei a vários escritórios de advogados. A justiça estará, quase de certeza, a instaurar inquéritos a tudo o que mexe e que se relacione com o evento em causa. Isto para não falar das mais diversas associações que lutam bravamente contra o racismo, a xenofobia e outras intolerâncias de nome esquisito. Em nome da coerência, certamente, todos eles se vão manifestar contra aquele comportamento e exigir uma punição exemplar contra os que tiveram aquela atitude miserável. Nem tenho dúvidas quanto a isso... 

Compartilhar no WhatsApp

Remate kruzado

por Kruzes Kanhoto, em 26.03.17

lambe-cus.jpg

 

Haverá na comunicação social muita gente séria e honesta. Na prateleira, provavelmente. É que, a julgar por aquilo que diariamente vamos lendo, entre os que reúnem pelo menos uma daquelas qualidades não serão muitos os que estão no activo. Vejamos dois casos ilustrativos. Só, que não me apetece ser exaustivo.

 

“Pontuar na Luz costuma dar título ao dragão” garante hoje, em plena primeira página, um pasquim que se publica na cidade do Porto. Costuma pois. Ora se costuma. Basta ver o exemplo do ano passado. Ou, se não chegar, o do ano anterior. Estamos, portanto, conversados em termos de qualidade informativa.


Por seu lado “A Bola”, logo na capa, recorda aos seus leitores que “Maxi nunca perdeu contra o Benfica”. Grande feito. Ao alcance de poucos, convenhamos. Principalmente por causa dessa coisa do nunca. Seria, de facto, uma proeza assinalável não se desse o caso desse nunca corresponder a três jogos. Já agora - e até nem custava muito - poderiam ter acrescentado que o uruguaio caceteiro, desde que deixou o Glorioso nunca mais foi campeão. Mas isso, enfim, sou eu que tenho algum apreço pelo rigor terminológico. Coisa que, obviamente, não se pode esperar dos lambe-cús da actual comunicação social tuga.

Compartilhar no WhatsApp

Já se calavam com a briga dos fedelhos...

por Kruzes Kanhoto, em 25.08.16

images (1).jpg

Isto dos alinhamentos dos telejornais e dos conteúdos noticiosos em geral ficarem a cargo dos jornalistas é uma chatice. Já dizia Ferreira Leite quando era líder do PSD. Basta ver a última semana. Não têm falado de outra coisa que não da briga de uns gaiatos. Como se, para além dos que lhes são próximos, isso importasse a alguém.

Podiam falar, se a ideia é manter a temática criminal na ordem do dia para roubar audiências à CMTV, dos muitos doentes mentais que andam pelas ruas europeias a tentar matar pessoas. Isto enquanto gritam “Allah akbar”. Que, parece, é o que as criaturas com problemas do foro psiquiátrico agora fazem enquanto tentam limpar o sebo a quem lhes está mais próximo e não tem, em comum com maluquinho, o mesmo amigo imaginário.

Para minha grande desilusão – e do Bruno de Carvalho, também – nem a profunda crise que o tricampeão está a atravessar, como comprova o recente empate altamente comprometedor, tem sido noticia. Nem entrevistas de rua aos habitantes de Setúbal a indagá-los quanto à forte possibilidade do seu Vitória chegar à liga dos campeões. Há cerca de um ano Arouca, após a derrota do bicampeão aos pés do clube local, foi invadida por repórteres convencidos que estavam na terra onde se festejaria, meses mais tarde, a conquista do título. E agora não saem da Ponte de Sôr... Desiludem-me, estes jornaleiros.



Compartilhar no WhatsApp

Fala como deve ser, pá!

por Kruzes Kanhoto, em 15.08.16

Captura de ecrã de 2016-08-15 21-42-38.jpg

 

Não sei quanto ganham os indivíduos que vão às televisões dizer umas alarvidades sobre futebol. Nomeadamente, digo eu, os seus clubes. Não sei mas gostava de saber. É que se é para dizer parvoíces, como as que eles bolçam durante horas a fio, sou gajo para o fazer por metade do preço.

Algumas das criaturas nem sequer sabem falar português. O ser que aparece na imagem, por exemplo. Cuidava eu - mas ninguém me manda andar mal informado - que era adepto do Sporting. Pelos vistos não é. Leva o tempo todo a falar do Benfica. E a dizer bacoradas. Iniciou a sua intervenção no programa de ontem, como não podia deixar de ser, a debitar parvoíces acerca do Glorioso. Referiu-se a uma “vestoria” que a Liga Portuguesa de Futebol Profissional terá realizado ao estádio onde no Sábado jogou e ganhou o Glorioso. “VESTORIA”!!!! Sim, ele disse “VESTORIA”. Convinha, digo eu, que quem vai para a televisão participar neste ou noutro tipo de programas tivesse um conhecimento mínimo da língua portuguesa. E, de preferência, que a soubesse falar.

Compartilhar no WhatsApp

Já foste. Tarde, que devias ter ido muito mais cedo!

por Kruzes Kanhoto, em 22.05.16

100_4616.JPG

 

Terei sido dos poucos benfiquistas a exultar com a saída do anterior treinador. Não sou mal-agradecido pelos títulos que deu ao clube mas não esqueço tudo o que, ingloriamente, perdeu. E foi muita coisa. Nem olvido as humilhações por que fez o Glorioso passar. E foram muitas. Isto quando teve ao seu dispor plantéis com os quais nem os Lopeteguis desta vida conseguiriam perder. É por tudo isso que não concordo com o autor desta mensagem dirigida ao actual treinador do clube do Lumiar, afixada nas imediações do local onde joga a agremiação agora treinada pelo antigo técnico do Benfica. Não tem, obviamente, mérito nenhum na conquista do 35. Nem por aquilo que disse ao longo da época e que, segundo alguns, motivaram os jogadores do Enorme. Nada disso. Também no futebol as vozes de burro não chegam ao céu.

Compartilhar no WhatsApp

Eu também "acradito"!

por Kruzes Kanhoto, em 22.02.16

Garantia um benfiquista, visivelmente desanimado com o comportamento da equipa sempre que defronta os rivais, que não se é campeão perdendo os derbis. Ora aí está um adepto ciente das limitações da equipa e que já se está a preparar psicologicamente para a perda do campeonato. Pensava eu, na mesa ao lado, enquanto beberricava um dos últimos cafés com vinte e três por cento de iva. Nada disso, retorquiu de imediato o cidadão – nem sei se benfiquista - a quem o adepto do Enorme tinha manifestado o receio de não ver o Glorioso atingir o tri. Então, prosseguiu, por que raio não há-de o Benfica ser campeão, ainda que não ganhando ao porto e ao sporting, se o Costa mesmo perdendo as eleições para o PSD e CDS chegou a primeiro-ministro?! Faz sentido. Mas futebol e politica não são bem a mesma coisa. Em comum apenas têm o facto de, ambos, estarem repletos de gajos cheios de sentido de oportunidade.

Compartilhar no WhatsApp

"Zovens" com espírito de iniciativa...

por Kruzes Kanhoto, em 22.01.16

Não conhecia o funcionamento do Placard, o mais recente jogo de apostas desportivas da Santa Casa. Foram as noticias acerca da miudagem que, alegadamente, anda a apostar naquilo como se não houvesse amanhã, que me motivaram a curiosidade de ver como se joga. Nomeadamente preço, valor dos prémios e a forma de apostar. E, sinceramente, não estou a ver razões para tanta indignaçãozinha. Nem, a bem-dizer, para indignação de espécie nenhuma. Acho, até, bastante razoável que os putos “invistam” no Placard. É barato, não é preciso estar à espera uma semana pelo resultado, não depende exclusivamente da sorte e, não sendo ganancioso, é relativamente fácil ir ganhando “algum”. Ao contrário dos outros jogos não dá prémios “fabulásticos” mas, sem muito azar, é possível multiplicar o valor da aposta mínima – um euro – por dois ou três.

Não quero com isto dizer que o jogo deva ser permitido a menores mas, que diabo, há coisas muito piores a que todos fechamos os olhos diariamente. Este caso, ao contrário de outros, revela até que os miúdos terão um louvável espírito de iniciativa. Apostam num jogo onde as probabilidades de ganhar, ainda que pouco dinheiro, são bem maiores do que aqueles onde os adultos apostam fortunas sem que daí tenham o mais pequeno retorno.

Também eu vou jogar nesta coisa. Irei apostar um euro na vitória do Benfica. Se o Glorioso não me desiludir recebo um euro e doze cêntimos...

Compartilhar no WhatsApp

Não previsões para 2016.

por Kruzes Kanhoto, em 01.01.16

Não sou de me armar em vidente e desatar a tentar adivinhar o que vai acontecer nos tempos mais próximos. Nem, sequer, de elaborar listas de desejos. Ou de objectivos, uma coisa modernaça a que dantes chamávamos planos. Há-de ser o que for. Logo se vê. As expectativas, à partida, são baixas. Nada deve ser muito diferente. O governo vai fazer a merda do costume, o Benfica vai continuar a jogar mal, o Jorge Jesus a perder o que está quase ganho e os terroristas a fazerem-se explodir enquanto os parvos do costume vão garantir que a culpa é do ocidente, dos EUA ou do aquecimento global. Que, por sua vez, também é culpa dos ocidentais e americanos. Nada de novo, portanto.

Compartilhar no WhatsApp

O Benfica não foi campeão a época passada!

por Kruzes Kanhoto, em 10.10.15

Afinal, também nisto do futebol, temos andado todos a ser enganados. O Benfica não é o maior clube português. Nem, sequer, é o actual campeão do pontapé na bola. Porto e Sporting juntos têm mais sócios, mais títulos e na última época os pontos dos dois somados ultrapassam em muito os conquistados pelo Glorioso. Que, visto assim, até já não é tão glorioso quanto isso.

Compartilhar no WhatsApp

O ovo nem sempre está no cú da galinha

por Kruzes Kanhoto, em 11.07.15

As SAD's de Porto, Sporting e Benfica lançaram recentemente no mercado – esse malvado – mais um empréstimo obrigacionista com juros bastante simpáticos. A ideia, a julgar por aquilo que se tem lido e ouvido neste defeso futebolístico, é comprar jogadores e treinadores para as suas principais equipas. Ou seja, investir e promover uma politica de “crescimento”. À semelhança, aliás, do que muitos defendem como essencial para o país.

Estão, portanto, os principais emblemas desportivos a trilhar o caminho certo. Aquele que sábios e, a julgar pelo que ouço e vejo por escrito por aí, a maioria da população consideram ser a alternativa a seguir.

O problema, desconfio, vai ser se a bola teimar em não entrar na baliza adversária, se o árbitro não marcar aquele penalty que toda a gente viu ou se os jogadores não renderem aquilo que se esperava deles. Sem vitórias os adeptos não vão ao estádio, os craques não se valorizam e, em suma, o investimento não gera retorno. Que é como quem diz, não há “crescimento” para ninguém.

Presumo que não sejam bancos franceses e alemães, nem os tais “fundos-abutre” a comprar toda a emissão. O mais certo é a maioria do capital emitido ficar nas mãos de aforradores que pretendem rentabilizar as suas poupanças. Se, no final, não houver graveto para reembolsar os investidores podem as SAD's fazer uma espécie de renegociação da divida. Assim do tipo só pagar cinquenta por cento do capital investido. Todos, certamente, aplaudiríamos a ideia. É, afinal, o que andamos a defender há anos.

Compartilhar no WhatsApp

Não é para desanimar os sportinguistas mas apesar de o homem se chamar Jesus não faz milagres...

por Kruzes Kanhoto, em 03.06.15

Tenho manifesta dificuldade em perceber a alegria dos sportinguistas e a tristeza de alguns benfiquistas pela mudança de Jorge Jesus para o outro lado da segunda circular. Relativamente aos primeiros faz-me espécie a convicção que, com ele, vão voltar os tempos de glória a Alvalade. Nem sei o que os leva a acreditar nisso. Se o homem é treinador há trinta anos, passou por uma dúzia de clubes e não ganhou nada, por exemplo, no Belenenses, Guimarães ou Braga, porque raio é que há-de ser campeão no Sporting?! Deve ser uma questão de fé.

Quanto aos benfiquistas, mesmo reconhecendo os excelentes resultados obtidos nas duas últimas temporadas, convém não esquecer as três épocas que as antecederam. Nomeadamente quando, de forma perfeitamente inglória e incompetente, se perdeu tudo numa semana. Apesar disso a maioria dos adeptos do Glorioso estará grata a Jesus. Ganhou muita coisa, recolocou o clube no lugar que merece mas, como tudo na vida, o seu ciclo terminou. Por mim é sem saudade que o vejo partir. Até porque outras alegrias se aproximam. A começar pela diversão que, seguramente, a dupla Jesus-Bruno de Carvalho nos vai proporcionar...



Compartilhar no WhatsApp