Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Informaçãozinha de qualidade

Kruzes Kanhoto, 19.11.20

IMG_20201117_185422.jpg

A CMTV, essa referência do jornalismo televisivo, informava um destes dias que o Benfica, a maior instituição nacional, está colado com fita-cola. Já andava desconfiado. Uma defesa de vidro e um meio-campo de porcelana não auguravam nada de bom. Agora, segundo aquele conceituado órgão de informação, confirmam-se as minhas suspeitas. Escangalhou-se tudo. Vá lá que a coisa resolveu-se com cola. Só espero é que não façam mais fitas.

Populismo valorizável

Kruzes Kanhoto, 13.09.20

FB_IMG_1599944230470.jpg

A cada dia os populistas fofinhos arranjam um novo motivo para indignar a populaça. Foi o Novo Banco onde, nos últimos cinco anos com o apoio do BE e PCP, o governo injectou milhares de milhões de euros mas agora nenhuma das partes da geringonça parecem nada ter a ver com o assunto e até se mostram indisponíveis para cumprir o contrato que assinaram com o comprador daquilo. Mudaram de ideias, pelos vistos. Coisa muito comum em políticos.

A indignação seguinte – se calhar para fazer esquecer a anterior, que estava a começar a virar-se contra os promotores – é por António Costa e Fernando Medina fazerem parte da comissão de apoio à recandidatura de Luís Filipe Vieira à presidência do Benfica. Confesso que, no caso, também me sinto ligeiramente indignado. Gente desta só dá mau nome ao Glorioso.

Já por destacadas figuras do aparelho socialista manifestarem publicamente a intenção de dar o seu voto às candidaturas comunistas à presidência da Republica, ninguém se aborrece. Mas devia aborrecer. É que se este apoio diz muito acerca do estado lamentável a que chegou o Partido Socialista e na circunstância o país, a ausência de indignação dos socialistas que apreciam a democracia – presumo que ainda existam uns quantos – diz muito mais.

Secou-se-lhes a saliva...

Kruzes Kanhoto, 05.03.20

Admito que, dadas as circunstâncias – nomeadamente as das ultimas semanas, tenho andado menos atento ao fenómeno desportivo. Deve ser por isso, ou por outra coisa qualquer que se me esteja a escapar, que me parece não existir por aí um grande entusiasmo com a operação “fora de jogo”. Aquela que anda a investigar uns quantos clubes e agentes ligados ao futebol. Pelo menos o nível de burburinho não tem comparação com aquele que ocorria quando, noutras ocasiões, as buscas se centravam unicamente ali na zona do Colombo.

Ocorreu-me, a este propósito, visitar meia-dúzia de perfis no Facebook e no Twitter de gente que com uma frequência doentia postava opiniões, frases feitas e idiotices diversas acerca de negócios manhosos do Benfica, enquanto simultaneamente se desfazia em elogios e se babava com as denuncias do pirata informático engaiolado. Devem ter levado sumiço, a maioria. Outros baixaram o tom para o nível pianinho. Vá lá saber-se porquê. Embora eu calcule que seja por causa da teoria que defenderam durante muito tempo segundo a qual o melhor ainda estava para vir. Vão ver está mesmo…

Querem queixinhas? Cuidado com o que desejam...

Kruzes Kanhoto, 18.07.19

As pessoinhas andam muito sensíveis. Qualquer coisa as ofende ou, pior, acham que qualquer coisa pode ofender este ou aquele grupo de outras pessoinhas que as primeiras pessoinhas consideram vulnerável, desprotegido ou o que calha. Por tudo e – principalmente – por nada exigem que os alegados ofensores façam pedidos de desculpa, se penitenciem pelas alegadas ofensas ou, cada vez com maior frequência, fazem queixinhas às novas policias do pensamento e do bem comunicar. Assim uma espécie de nova PIDE ou policia da virtude, moral e bons costumes ao melhor estilo da Arábia Saudita. Não sei quem lhes passou procuração, mas é assim que funciona.

Por mim só estou à espera de piadas, anedotas ou simples dichotes envolvendo alentejanos. Quem se atrever vai ter-me à perna. Discriminar alguém em função da origem geográfica parece que constitui um crime e se tal é aplicável relativamente a quem escarnecer dos nascidos no Burkina Faso que por cá habitam, também será aos que nasceram no Alentejo. E, de caminho, quem zombar ou propalar alarvidades susceptiveis de ferir os meus sentimentos clubísticos, leva igualmente com a queixinha da ordem. Sim, que isto não há cá ofensas mais toleráveis do que outras.

Eu não sou de intrigas, mas...

Kruzes Kanhoto, 01.05.18

31301497_1782070171879333_443507329531379712_n.jpg

SLB.jpg

Quiçá influenciados pelas recentes comemorações da abrilada, têm sido muitos os adeptos do clube da fruta e do putedo a partilhar a imagem que compara os títulos desportivos conquistados pelo clube do Porto e pelo Benfica desde o fim do Estado Novo. Não vejo, assim de repente, relação entre uma e outra coisa. Mas, dizem eles, são factos e números esclarecedores acerca dos quais cada um tirará as ilações que entender.

Ora foi isso mesmo que eu fiz. Vi números, ocorreram-me alguns factos e tirei as minhas ilações. Constatei que no período em que o Sócrates governou, aquele clube ganhou catorze troféus. Mais do dobro dos conquistados pelo Glorioso. Não é que veja nisso – tal como não vejo no outro – nada de especial. Apenas factos. E números esclarecedores acerca dos quais cada um tirará as ilações que entender.

Prioridade à bola

Kruzes Kanhoto, 28.04.18

2a6c3e7ae488dd046e43352caeb37dee--funny-humor-funn

 

Diz que a justiça estará a investigar, detalhada e exaustivamente, todos os jogos do Benfica realizados nos últimos cinco anos. Deve ser investigação para manter os nossos justiceiros ocupados durante uns tempos. Mas ainda bem, que isto da bola tem de ser levado a sério. Até porque essa coisa dos três grandes, seja qual for a modalidade, ganharem quase sempre e serem campeões muitas vezes – consecutivamente, com frequência – deixa-me com a pulga atrás da orelha. É estranhíssimo os melhores ganharem sem ser com manhosices, não é?

Entretanto Porto e Sporting reivindicam para si o estatuto de clube mais titulado de Portugal, reclamando, cada um deles, mais de vinte mil títulos conquistados no conjunto das modalidades que praticam. Contenda que, presumo, um dias destes será dirimida na justiça. Que é para causas nobres e determinantes que ela serve. Isto, claro, após investigar se não houve marosca na obtenção de cada uma dessas vitórias. A menos, teoria a não descartar, que o facto de equiparem de verde ou de azul seja motivo mais do que suficiente para a isenção de suspeitas.

Enquanto isso, apenas estão sob a alçada da lei meia-dúzia de políticos. Não há vagar para investigar todos os outros milhares, actuais e passados, que exercem ou exerceram funções executivas na governação central, regional e local. A esmagadora maioria, obviamente, não será corrupta. Mas convinha, digo eu, que todos percebêssemos a razão porque entram para lá pelintras e saem com um património pouco compatível com o vencimento. Respeitem-se, no entanto, as prioridades da Justiça. Se a bola está primeiro, que assim seja.

Não sou supersticioso...mas quero dar azar!

Kruzes Kanhoto, 04.02.18

IMG_20180201_140536.jpg

 

Ponto prévio para quem está menos familiarizado como o "Placard". Para ganhar a aposta teria de acertar os dois jogos. Em caso de acerto ganharia, neste exemplo, um euro e noventa e um se tivesse apostado um euro, dezanove e dez se apostasse dez euros ou cento e noventa e um euros se a aposta fosse de cem. Face aos resultados verificados, quer neste boletim quer no anterior, não ganhei nada. Excepto, claro, a satisfação de ver os adversários perder pontos.

 

Como escrevi no outro post, nisto do jogo gajo mais azarado do que eu, não há.  É por isso que, aproveitando o meu azar, estou a lançar uma malapata aos clubes rivais. Aposto sempre neles. Nos dois. Uma aposta em que, para ganhar, ambos terão de vencer os seus jogos. Coisa que, como se vê, pela segunda jornada consecutiva e após duas apostas nesse sentido, não está a acontecer. Convém também explicar, aos que não sabem, o significado de "malapata". Trata-se de uma palavra de origem espanhola que significa "má sorte por influencia do Diabo". Já agora recordo que estão a ler o "Kruzes Kanhoto" e que isto anda tudo ligado. Ou, como dizia a minha avó, pode não haver bruxas, mas quanto aos bruxedos já não garanto... 

 

Tudo isto para dizer ao Francisco J. Marques, ao Nuno Saraiva, ao Bruno de Carvalho e a outros patetas anti-Benfica que escusam de se preocupar com o tal Nhaga, com os vauchers, com os emails ou com o Centeno. Não vale a pena. O Glorioso até pode não ser campeão, mas lá que porto e sporting não vão ganhar muitas vezes disso tenho a certeza.  

 

PS: E, já agora, esclareço que sou eu que pago as apostas!  

 

Apostar na desportiva...

Kruzes Kanhoto, 30.01.18

IMG_20180130_140730.jpg

 

Há coisa de dois anos, na ausência de melhor destino a dar ao pecúlio, decidi apostar o conteúdo do mealheiro dos "pretos" no Placard. De então para cá os prémios - poucos e pequenos, diga-se – que vou obtendo voltam para o dito mealheiro até que se gaste o que antes amealhei. Um ciclo que se repete desde então, mas que, a julgar pela inacreditável sucessão de palpites errados, estará prestes a terminar por insolvência da "banca". Ou do mealheiro, no caso. 

Nisto das apostas gajo mais azarado do que eu, não há. É, estatística e matematicamente, impossível. Se aposto na vitória de um clube que não perde há três jogos, aquilo é derrota certa. Sai-me tudo, mas rigorosamente tudo, ao contrário. É por isso que, de hoje em diante, vou alterar a estratégia. Só apostarei nas vitórias de porto e sporting – propositadamente em minúsculas - pelas razões que já estarão a adivinhar. É falhanço garantido. Um deles, de certeza, não ganhará na maioria das ocasiões. Vai uma aposta? 

Vaucher, email ou azelhice?

Kruzes Kanhoto, 27.01.18

img_605x340$2016_03_05_22_25_03_1073016.jpg

 

Que me lembre – e já me lembro de muita coisa – nunca o país assistiu a um ataque dirigido a ninguém, nem a nenhuma instituição, como aquele de que o Benfica está a ser alvo. O desespero pela ausência de vitórias pode, admito, servir de justificação. Não pode é justificar tudo. Sejam os depósitos nas contas dos árbitros, a invasões dos locais onde os mesmos se treinam ou a violação do sistema informático de uma empresa cotada em bolsa. Tudo perante o alheamento da justiça – da desportiva e da civil – e o gáudio da miserável comunicação social que temos.

Não ponho, obviamente, a mão no fogo por ninguém. Ando cá há anos suficientes para saber que não há inocentes. Mas o que de verdade me surpreende, ainda mais do que outras coisas, é não haver uma alma que se lembre de esmiuçar os auto-golos e os penáltis do Tonel – ah, espera, esses beneficiaram o Porto e o Sporting – nem aquele falhanço inacreditável do Bryan Ruiz que tirou o campeonato aos lagartos. Uma azelhice daquelas ainda hoje me cheira a marosca. Investigue-se...