Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

A malta do BE terá conta bancária?

Kruzes Kanhoto, 04.01.20

A pequena líder do Bloco de Esquerda fala que se farta. Acerca de tudo e mais um par de botas. Quase todos os dias ameaça levar uma proposta ao parlamento para proibir seja o que for, revogar o que calhar ou permitir o que apeteça aos tontinhos que lhe dão o voto. Daí que ande a estranhar o silêncio da garota relativamente ao aumento escandaloso das comissões bancárias que a generalidade da banca nacional se prepara para efectuar. Nomeadamente em relação à Caixa Geral de Depósitos que, dizem, é o banco dos portugueses. Pelo menos de alguns, como se tem visto. Mas não. Nem um pio. Vá lá saber-se porquê.

Mas não é apenas ela. Por mais que me esforce não encontro indignaçãozinha por este saque à descarada em lado nenhum. Devo ser só eu que acho um abuso – coisa de ladrões da pior espécie, mesmo – surripiar todos os meses cinco euros e vinte cêntimos da minha conta. Ou então já todos mudaram para esses bancos virtuais da Internet e ninguém me avisou.

Em nome da estabilidade emocional, do bónus e da falta de vergonha...

Kruzes Kanhoto, 26.12.19

frase.jpg

Manter o dinheiro longe do sistema bancário constitui, nos tempos que vivemos, um sinal de inteligência. Não que debaixo do colchão, enterrado no quintal ou no fundo falso do balde dos papéis da casa de banho esteja mais seguro. Nada disso. Eu, se fosse um perigoso meliante – ou apenas relativamente ameaçador - seria dos primeiros locais onde ia procurar. Gente com mais estabilidade emocional tem, ao que se ouve nas noticias, outras alternativas.

Não sei em que categoria devo colocar os gajos dos bancos. Se entre os perigosos ou entre os ameaçadores. Deixar o pecúlio à mercê de quem se propõe retirar ao dito mais de cinco euros todos os meses parece-me um perigo. E, também, uma séria ameaça às minhas parcas economias. Do que tenho a certeza é que não as vou deixar entregues a quem, pelos vistos, levou a conversa da esganiçada demasiado à letra e perdeu a vergonha de ir buscar dinheiro a quem o tem. Ainda que pouco.

A Caixa Geral de Depósitos anunciou um significativo aumento, para o próximo ano, das comissões bancárias. Uma conta à ordem vai ficar pela hora da morte. Por mim é um ponto final numa relação com cerca de quarenta anos. Por enquanto – se calhar não por muito tempo – ainda vivemos numa economia de mercado e, adaptando um dito da minha avó aos dias de hoje, quem menos me rouba mais meu amigo é.

Juro...ou então não!

Kruzes Kanhoto, 04.07.19

Aquele senhor que agora manda na Caixa Geral de Depósitos será, com toda a certeza, um gestor de topo. Daqueles muito competentes, até. Já deu provas disso noutros cargos que desempenhou ao longo da sua carreira. Deve ser por isso que é muitíssimo bem pago. Daí que nem me atrevo a criticar – ao contrário do que muita gente tem feito nos últimos dias - aquela ideia de não pagar juros inferiores a um euro. O homem é que sabe. A mim, por exemplo, nunca tal me ocorreria. Mas, se bem me recordo, já terá ocorrido a um bancário que, aqui há muitos anos, terá conseguido engendrar um esquema manhoso qualquer para os arredondamentos dos juros dos depósitos irem todos parar à sua conta. Foi despedido, coitado. Má sorte não ser administrador.

Salvar bancos agora já é uma coisa boa?!

Kruzes Kanhoto, 14.03.18

74909433128d48836a5deafc5edbdbbc.jpg

 

Primeiro foi o BPN. Sócrates, contra a opinião do seu ministro das finanças, tratou de o salvar. Opção que, como todos sabemos, nos tem custado os olhos da cara. Depois, com o regresso ao poder dos socialistas, foram o Banif e a Caixa a reclamar mais uns milhões – muitos, mesmo – ao erário público. Agora foi o Montepio. Estava à rasca e, naturalmente, o governo socialista sustentado no poder por comunas e blocas lá deu uma mãozinha. Pelo meio, a mesma gente, resolveu o problema aos lesados do BES pagando-lhes com o nosso dinheiro. E, por falar em BES, só não salvaram esse porque, por sorte nossa e azar do Salgado, não estavam no poder.

Ora, essa coisa de salvar bancos andou durante anos a servir de argumento a toda a gente para malhar do governo. No de então. Dava para tudo. Quando, afinal, o governo que era alvo das criticas não tinha salvo nenhum. Curiosamente este argumentário desapareceu do léxico político. Já ninguém o usa. Logo agora que temos um governo especialista em matéria de salvamento bancário! Mas ainda bem que já não temos um governo da direita bafienta, que apenas se preocupava com o capital e só queria o mal das pessoas.

 

Qualquer coincidência será pura semelhança

Kruzes Kanhoto, 14.03.17

olitico.jpg

 

Se tivesse o meu dinheiro depositado no Montepio teria ficado, após ouvir as explicações dos entendidos acerca da situação do banco, muito mais descansado. Ainda assim, não sendo depositante, os meus níveis de traquilidade atingem valores bastante elevados no que se refere ao futuro da instituição. Mesmo enquanto contribuinte escuso de me preocupar. Garantem-me os gajos que sabem destes assuntos que uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Assim tipo o BES, estão a ver? Aquele banco que, como toda a gente ficou a saber, nada tinha a ver com o GES, ou lá o que era, como não se cansaram de nos explicar, em tempos, os gajos que sabem mesmo destas matérias.

O que é que tem a Caixa que, para a esquerda, é diferente dos outros?!

Kruzes Kanhoto, 07.06.16

PTDC0282.JPG

 

 

O buraco na Caixa Geral de Depósitos que os contribuintes terão de tapar será, ao que rezam as crónicas mais pessimistas, superior aos do BNP e do BANIF somados. O que, tratando-se de um banco público, se afigura assaz estranho. Quase uma impossibilidade, diria. Pelo menos a acreditar na retórica esquerdista, que defende a nacionalização do sector bancário por forma a proteger-nos dos desmandos dos banqueiros privados. Vê-se. A julgar pela amostra nem é necessária grande capacidade imaginativa para calcular a tragédia em que estaríamos metidos se toda a banca fosse pública…

Estranho – ou, às tantas, talvez não – é que os Galambas, Jerónimos, Mortáguas e outros arautos da transparência e da honestidade não andem já por aí a malhar nas sucessivas administrações da Caixa. Mais estranho ainda não terem já proposto a constituição de uma comissão de inquérito para apurar a que se deve o descalabro da CGD. Terão, se calhar, medo das conclusões. Ou, então, já “concluíram” tudo. À excepção de uns quantos patetas, encandeados com o brilhantismo intelectual auto proclamado da esquerda, toda a gente percebe o que aconteceu. E também percebe que a esquerda não queira que se saiba.

Banca publica, vícios privados. Ou o contrário. Não sei...estou confuso!

Kruzes Kanhoto, 21.05.16

bancos580x400.jpg

 

Diz que o governo se prepara para injectar mais quatro mil milhões de euros na banca. Dinheiro, claro está, que sai do bolso dos contribuintes. Mais uma vez. Tudo porque a banca está na mão de banqueiros e capitalistas que a saqueiam para satisfazer os seus interesses. Ou seja ficam com os lucros e fazem-nos pagar os prejuizos, os patifes. Logo, para acabar com este estado de coisas, toda a actividade bancária devia estar nas mãos do Estado. Nacionalizar os bancos e não permitir que constitua negociata de privados. Isso é que era. Assim já não precisávamos de pagar os tais quatro mil milhões que o governo quer dar à Caixa Geral de Depósitos para que esta se recapitalize. É mais ou menos isto, não é? 

Imparidades para totós

Kruzes Kanhoto, 03.01.16

Um artigo de opinião onde é explicada de forma simples - até podia ter por titulo a “crise da banca para totós” - tem sido amplamente partilhado e comentado nas diversas redes sociais. E ainda bem, digo eu. Embora me pareça que a esmagadora maioria continua sem perceber o que de facto está em causa. A culpa, não se desmontam do burro, é sempre dos outros. Nomeadamente minha, que não votei nos partidos dos homens sábios que, se fossem eleitos, nacionalizavam toda a banca e nos poupavam todos estes aborrecimentos. Logo eu que pedi um crédito de menos de metade do valor da minha casa, apenas compro os automóveis que posso pagar de imediato e que faço férias de acordo com a capacidade do meu mealheiro .

A coisa assume contornos surreais quando me recordo da má-cara e do enfado dos funcionários do banco quando que lá me dirigia para fazer amortizações antecipadas e dos comentários pouco abonatórios à minha inteligência de cada vez que partolhava este meu procedimento. O correcto, na época, era pedir empréstimo para tudo e mais alguma coisa à conta de uma casa avaliada duas ou três vezes acima do seu real valor. Toda a gente sabe que funcionava assim, muita gente o fez e quase todos se acham este procedimento uma coisa absolutamente normal. Agora admiram-se do quê?!

Olha o Costa preocupado com os fregueses...

Kruzes Kanhoto, 25.12.15

Criticar a troika por ter estado mais preocupada com as freguesias do que com a banca fará - toda a gente concordará - algum sentido. Isto dependendo, no entanto, de quem faz a critica. É que se for feita por quem chamou a dita troika e com ela assinou o acordo de todos conhecido, parece-me que é apenas mais uma conversa da treta. Demagogia, ou lá o que se costuma chamar a estas patacoadas. Mais ainda, quando finalmente conseguiu o poder que tanto ambicionava fez o mesmo que os antecessores que tanto criticou. Ou pior. Bastava-lhe ter esperado mais uns dias e o problema seria de outros e não nosso. Mas isso, sou eu a especular, era capaz de não dar jeito à corja do centrão cujos interesses todos temos de pagar.