Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

E que tal pagar à malta para ir à escola?

por Kruzes Kanhoto, em 12.03.16

10002851_448156461984508_140440641_n.jpg

 

Livros à borla para todos os alunos do primeiro ano do ensino básico é a nova benesse da geringonça. Para já. Para o ano a medida deve ser alargada aos anos seguintes. Por mim acho bem. Só uma coisa me preocupa. Uma coisinha de nada, por assim dizer. Então aquela cerimónia fofinha, que anualmente os presidentes de câmara protagonizam no inicio do ano lectivo, agora como é que se faz?! Era tão lindo ver autarcas rubicundos a ofertar livros às criancinhas… Mas desconfio que eles não me vão desiludir. Ou muito me engano ou já estarão a magicar num outro apoio qualquer a entregar lá para o fim do Verão. Pagar aos putos para irem à escola, por exemplo. Algo assim tipo ordenado de aluno. Fica a ideia.

Compartilhar no WhatsApp

Autarca femitonto

por Kruzes Kanhoto, em 07.03.16

silueta.jpg

As chamadas questões do género estão cada vez mais na ordem do dia. E são, também, cada vez mais parvas. Assiste-se a uma espécie de competição no sentido de apurar quem é mais idiota relativamente a esta temática. Agora é o ayuntamiento –  Câmara Municipal em castelhano - de Valência que, parece, quer substituir os semáforos para peões lá da terra. Não que os existentes estejam estragados, sejam feios, ou consumam muita energia. Quer, isso sim, substitui-los por semáforos paritários. Ou seja, em vez do tradicional boneco em figura de homem, vão passar a surgir dois bonecos. Um homem e uma mulher...de saia.

Escusado será dizer que acho mal. Logo pela saia. Está, se ainda percebo alguma coisa disto, a representar a mulher usando um conceito marcadamente sexista. O uso da saia. Se calhar, digo eu que não sou de intrigas mas que gosto de exercer o meu direito a desconfiar daquilo que me apetecer, o objectivo será outro. Causar polémica, apenas. E, enquanto os pacóvios se entretêm a discutir a bondade ou a idiotice da medida, poucos se lembrarão de questionar quanto é que a criatura ganha com o negócio.

Compartilhar no WhatsApp