Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Entregues à bicharada

Kruzes Kanhoto, 03.06.21

1622750517368.jpg

As novas gerações de urbano-depressivos, na sua imensa ignorância, pensam que os animais são como eles em pequeninos os viam nos desenhos animados. Só que não é assim. Na vida real eles não falam, não são fofinhos, em grande quantidade constituem uma praga e muitos têm de morrer para que outros continuem a viver.

Depois há também aquela ideia peregrina que o homem – o branco, nomeadamente – invade os habitats da bicharada e que esta, coitada, está em vias de extinção. Por mim, que vivi quase metade da minha vida no campo, não concordo nada. Pelo contrário. O abandono de imensas áreas rurais, hoje completamente despovoadas, deixou todo esse espaço entregue a espécies que antes eram muito mais controladas. Nunca, até há poucos anos, tinha visto ao vivo uma raposa ou um javali. Agora há bicheza dessa que até aborrece. Inclusivamente às portas das zonas urbanas. Com todas as chatices daí decorrentes mas que, obviamente, nada afectam os bichinhos do betão.

O mesmo com a passarada. Agora fazem ninho nas árvores do meu quintal, onde quase lhes chego com as mãos. Coisa impensável lá no monte. Mas, ao que parece, tenho de permitir que me comam as alfaces e as cerejas. Nada que importe aos idiotas que determinaram que não se podem montar armadilhas para caçar animais selvagens. Depois, quando não houver comidinha nos supermercados, queixem-se que têm larica. Ah, espera, nas estufas não entra bicharada. O pior é que essa malta que nem sabe de onde vem a comida, também não gosta de estufas...

Nojo

Kruzes Kanhoto, 09.10.20

Aquela deputada que abandonou o partido pelo qual foi eleita apresentou duas propostas de alteração ao código do trabalho. Ambas as coisas, convenhamos, serão bastante valorizáveis. Abandonar o PAN revela ter ganho algum juízo e apresentar propostas é o que se espera daqueles a quem entregámos o poder de fazer as leis ou alterar as existentes.

Propõe a senhora que os donos de animais de estimação tenham direito a um dia de folga pelo falecimento do bicho e sete em cada ano para acompanhamento e assistência em caso de doença do animal. Nem duvido que a ideia mereça o acolhimento da bicharada restante Assembleia. E muito bem. Aplaudirei de pé tão sábia decisão. Chapeau - é francês, para os menos familiarizados com o franciú - para eles. Só espero que a licença em causa seja por cada animal e, como fará todo o sentido, independentemente da espécie. Se assim não for até já estou a ver a quantidade de gente que se vai manifestar contra a discriminação entre animais. Especismo, ou lá o que é.

A propósito. Não sei se já partilhei aqui no Kruzes a minha preocupação com o estado de saúde das formigas do meu quintal. Tenho notado que andam um bocado pálidas...

Resistir ao saque fiscal

Kruzes Kanhoto, 04.10.20

decirs.jpg

A maioria dos portugueses – de entre os que pagam, naturalmente - não tem a mais parva ideia dos impostos a que estão sujeitos nem, sequer, a consciência do rombo – e do roubo – que isso constitui para os seus rendimentos. Alguns, infelizmente não tão poucos quanto isso, têm ainda a sensação que na data em que o fisco devolve o IRS retido em excesso lhes está a ser dada alguma coisa. Uma ignorância que dá muito jeito a quem está no poder e ajuda a não colocar o tema do esbulho triburário de que somos vitimas na ordem do dia. Embora, reconheço, o Trump e outros assuntos como o racismo, a extrema-direita ou cães sejam temas muito mais importantes e muito mais merecedores de atenção do que a nossa carteira...

Apesar dos sucessivos ataques aos contribuintes, ainda é possível minorar ligeiramente os danos do brutal saque fiscal. E esta, agora que estamos a três meses do final do ano, é a altura certa para preparar a defesa. Fazer contas é o segredo. O primeiro passo será revisitar a declaração do ano anterior – disponível no portal da AT – e simular com os dados do ano corrente. Depois tomar decisões. Por exemplo constituir um PPR. Dependendo das circunstâncias, com uma aplicação de três a quatro mil euros pode obter-se uma poupança fiscal entre seiscentos a oitocentos euros por casal. É dinheiro. No bolso do contribuinte, que é o sitio certo para ele estar.

Anjinhos de quatro patas...patudinhos m'ai lindos...donos m'ai porcos!

Kruzes Kanhoto, 11.09.20

IMG_20200.jpg

 

Admiro a cortesia do autor deste recado. Deve ser alguém dotado de uma paciência de santo e de uma educação de fino recorte. Pedir por favor – em dose dupla – e no final ainda deixar um obrigado, não são palavras que um javardo mereça.

A rua onde a mensagem está afixada é o principal acesso a uma das mais afamadas unidades hoteleiras cá da terra. Além do lixo e da sujidade habitual, tem os passeios, como outras, frequentemente decorados com várias bostas de cão. Não é que me incomode com a imagem que os turistas levam de cá. Se calhar na terra deles acontece o mesmo e, provavelmente, alguns também não recolhem o cocó do seu canito. O que me chateia é que passo ali a pé todos os dias e ainda me lesiono por causa dos desvios repentinos de trajectória que sou forçado a fazer para evitar os montes de merda. Os verdadeiros.

Pragas urbanas

Kruzes Kanhoto, 18.08.20

animais.jpg

 

Nem devia ser necessário o dono do estabelecimento dar-se ao trabalho de escrever este aviso. Bastava bom-senso por parte dos clientes. Senso, apenas, também chegava. Mas não. As pessoas insistem em alimentar a bicharada. E o pior é julgarem que estão a praticar uma acção muito meritória.

Já não basta aos maluquinhos dos animais dar comida a cães e gatos errantes ou distribuir milho aos pombos nas ruas e praças das cidades. Agora é vê-los nas esplanadas, todos ternurentos, a oferecer migalhas e restos das refeições ou do que estiverem a comer, a pombos, pardais ou gaivotas. Sem perceberem o quão estúpidos estão a ser.

A loucura desta gente é de tal ordem que vi em certa ocasião, numa esplanada à beira-rio, um destes indivíduos quase bater num idoso que tentava afastar, agitando a bengala, as gaivotas que cirandavam à volta da sua mesa em busca de comida. E o pior é que malucos destes são cada vez mais. Uma praga, também eles.

Gato morto

Kruzes Kanhoto, 06.11.19

Por falar em bichanos. A gata que vadiava aqui pela zona quinou. Paz à sua alma felina. Jaz há três ou quatro dias, toda esticadinha, num recanto vagamente ajardinado onde, como referi neste post, era alimentada por um comité de amiguinhas dos animais. Local onde também lhe construiram uma casota. O que surpreende – ou talvez não – é que nenhuma delas tenha feito o funeral ao bicho. Já agora faziam a boa acção até ao fim e não deixavam o cadáver para ali a apodrecer.  

Porco no espeto

Kruzes Kanhoto, 31.08.19

IMG_20190831_105549.jpg

 

Presumo que esta seja uma imagem capaz de suscitar indignação a umas quantas criaturas. Cada vez em maior número, reconheço. Se há dez anos um, entre os milhares que por aqui passaram, não apreciasse ver o bicho naquele preparo seria gozado e visto como uma aberração. Hoje, provavelmente terão sido umas centenas a achar que aquilo não se faz a um animal e, imagine-se, já achamos normal que eles se indignem. Daqui por dez anos, quase garanto, quem quiser assar um porco terá de o fazer à socapa e daqui por vinte, se alguém se atrever a fazê-lo, corre o sério risco de ser abatido sumariamente. Chamam a isto evolução ou lá o que é.

E ver se a galinha tem ovo, pode-se?

Kruzes Kanhoto, 23.06.19

Captura de ecrã de 2019-06-23 15-46-58.jpg

Agora são as corridas de cães. O PAN e o BE querem acabar com as ditas. Proibi-las, que é o que estas duas agremiações de malucos melhor sabem fazer. Presumo que a seguir proíbam as soltas de pombos, as corridas de cavalos ou os pássaros engaiolados. Isso e outras cenas de que aqueles imbecis se hão-de lembrar e que, obviamente, colherão a simpatia de uma horda de parvos em que gente aparentemente com juízo se transformou.

Sorte teve a minha avó, por não ter vivido num tempo em que a anormalidade se tornou norma. Na sua época enfiava o dedo no cu das galinhas para saber se tinham ou não ovo. Isso hoje, provavelmente, seria considerado crime de maus tratos a animais e coisa capaz de a fazer malhar com o coiro na choça. Ou então não. Se calhar ainda seria visto como uma orientação sexual muito respeitável. Dependeria do maluco de serviço na policia do politicamente correcto.

Pronto, comam só as batatas...

Kruzes Kanhoto, 08.04.19

5b8d700c739df.jpg

 

Cada um sabe de si e das suas opções. Daí que pouco me importa que haja quem opte por não comer carne. Ou peixe. Ou feijões. Desde que limitem estes ideais às respectivas cozinhas é lá com eles. Por mim podem passar a vida a ingerir vomitado de unicórnio, que é o que menos me apoquenta.

Mas a tolerância não é o forte dos militantes destas novas causas alimentares. Bem pelo contrário, se atentarmos no que andam a fazer uns quantos obcecados com isto dos morfes. Embora pouco noticiado pelos média, os ataques de terroristas vegans a talhos, matadouros, quintas, restaurantes e até a incautos cidadãos tê-se sucedido em diversos países ocidentais. Os únicos onde esta gentalha, aproveitando a democracia que não sabem respeitar, ousa tentar impor aos demais a sua vontade. Nos outros levariam um tiro nos cornos.

Reitero que, desde que não me aborreçam, pouco me interessa o que comem ou não. Se quiserem comam só as batatas e deixem a carne de lado. Não me podem é impedir de comer os bifes que eu quiser. Isso era coisa para me chatear.

Vão mas é fazer festinhas ao animal...

Kruzes Kanhoto, 07.04.19

Captura de ecrã de 2019-04-06 12-55-28.jpg

Os amiguinhos dos animais voltaram ontem a manifestar-se em Lisboa. Pelos direitos dos bichinhos, argumentaram. Por mim, embora não me manifeste, também acho que os bichos devem ter direito a ter direitos. Nomeadamente o direito a não serem mal-tratados. Para além disso não estou, assim de repente, a ver que outros direitos devem ser concedidos à bicharada.

Muitas daquelas pessoinhas pugnam pelo direito de não serem usados na alimentação humana. Mas isso, convenhamos, é uma coisa assim a atirar  para o parvo. E doentio, já agora. Contra-natura, também. Eles que experimentem – numa realidade paralela qualquer, obviamente – contrariar a natureza, impondo um regime em que nenhum animal seja comido por outro, e vão ver o sarilho que arranjam. Um leão ou um crocodilo vegan seria algo interessante de ver...