Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Eles "andem" aí...

por Kruzes Kanhoto, em 01.12.18

100_6083.JPG

Uns mais conhecidos do que outros, causando maior ou menor histeria entre os basbaques, isto por aqui, nomeadamente aos sábados de manhã, é um corropio de gente alegadamente famosa. Vagamente conhecida, vá. Com o estranho padrão de, em número significativo e segundo consta, revelarem tendência para a homossexualidade. Coisa que, obviamente, é lá com eles. Nem essa parte os faz menos bem vindos. Estou só a constatar. Que continuem a andar por aí a gastar o dinheiro deles. Assim como assim, com os que cá estão e com os que para cá vêm, já não deve faltar muito para esta terriola se transformar numa espécie de San Francisco à escala do Alentejo. Podia ser pior. Uma Chinatown, por exemplo.

Compartilhar no WhatsApp

Os peluches também têm sentimentos

por Kruzes Kanhoto, em 14.09.18

IMG_20180914_185628.jpg

 

Parece não haver limite para a indigência mental dos amiguinhos dos animais. Nem, a bem dizer, para a tolerância que as instituições e a sociedade em geral demonstram perante os desvarios desses malucos. Respeito - mais do que eles, até - o direito à pluralidade de opiniões e defendo intransigentemente a liberdade de cada qual lutar, com os meios que a democracia nos coloca à disposição, pela defesa das nossas convicções. Mas, convenhamos, tudo tem um limite.  Nem que seja o do bom senso. Ou do ridículo, vá. 

Ora, no que respeita à “causa animal”, tudo isso já foi ultrapassado. Veja-se este exemplo. Alguém - pessoa singular ou associação, não sei ao certo - terá ficado horrorizado ao deparar-se com o cartaz de umas festas populares aqui no Alentejo onde era anunciado um espetáculo taurino destinado a crianças. E não esteve com mais aquelas. Queixinhas para todo o lado. Nomeadamente para a Comissão Nacional de Promoção dos Direitos das Crianças e Jovens. Que, gabe-se a pachorra daquela instituição, perdeu tempo e recursos que podia ter usado em assuntos importantes a responder aos queixosos. Respondeu a dita Comissão que não via mal nenhum na ocorrência, pois no tal espetáculo seria utilizada uma “tourinha” - que é um objecto que simula um touro - e não um animal.  Como, de resto, constava do cartaz que originou a queixa.   

Posto isto nada me surpreenderia que a próxima causa envolvesse o bem-estar dos peluches. Assim tipo proibir o seu fabrico e comercialização. Só para garantir que nenhuma criança aperta o pescoço do ursinho de estimação ou o avô mais cegueta não pisa aquela vaca malhada “made in China” que o catraio insiste em não arrumar.  

Compartilhar no WhatsApp

Interior mas pouco

por Kruzes Kanhoto, em 18.07.18

Captura de ecrã de 2018-07-17 12-30-19.jpg

 

Gosto mesmo de ouvir políticos, comentadores e gente entendida em geral a dissertar acerca do interior. A sério. Volta e meia até lhes dá para apresentar medidas, propor coisas e estimular a criação de sinergias. O que é bom, acho eu.

O caso dos descontos nas portagens para veículos de mercadorias que utilizam as auto estradas do interior, por exemplo. Parece-me bem. Há, no entanto, um pequeno pormenor. Uma coisita de nada, por assim dizer. Noto, na lista dos tais descontos, a ausência da A6. Aquela auto-estrada que vai da Marateca até ao Caia atravessando todo o Alentejo central. Deve ter sido esquecimento. Ou, então, já nem interior somos. Mas, como ainda não dei por ninguém se queixar, também não ser importante isso do desconto.

Compartilhar no WhatsApp

Homem-estátua

por Kruzes Kanhoto, em 26.05.18

IMG_20180526_110200.jpg

 

Hoje, por entre as alfaces e outros comestiveis de origem vegetal, o mercado semanal de Estremoz contou com a presença de um homem-estátua. Não é que, por cá, não tenhamos muitos que ao nível do dinamismo pouco ficam a dever a figuras deste género. Mas destes, assim que me lembre, foi a primeira vez. E, a julgar pelos movimentos de agradecimento que a criatura executava, deve ter-se safado. Tal como os outros, os pouco dinâmicos, afinal.

Compartilhar no WhatsApp

Cosmopolitas e matarruanos

por Kruzes Kanhoto, em 12.03.18

100_5747.JPG

100_5744.JPG

Calhaus pintados? Deve ser uma moderna forma de expressão artística. Isso ou outra parvoíce qualquer. Mas, ainda assim, não tão parva como destruir linhas de água. Devem estar convencidos, os novos campónios, que nunca chove no Alentejo. Ou, então, acham que podem mandar o regato dar uma grande volta. Como têm de fazer os que antes passavam pelos caminhos que os proprietários cosmopolitas, ciosos do seu brinquedo, vão fechando. Com a complacência dos matarruanos autóctones, quase sempre.

 

Compartilhar no WhatsApp

Anormalidades

por Kruzes Kanhoto, em 04.03.18

IMG_20180303_183337.jpg

 

Uns quantos ramos de árvore caídos, ruas com um palmo de água e um ou outro telhado que vem abaixo por causa dos alegados temporais não constituem – excepto, obviamente, se envolveram a perda de vidas humanas – qualquer espécie de drama. É normal. Devia ser o pão nosso de cada Inverno. Drama, tragédia, horror e toda a categoria de cataclismos que quisermos é regatos como este, que há cinquenta anos corriam durante seis meses, não correrem agora mais do que seis dias. Se calhar, digo eu, é capaz de ser mais anormal do que as ondas galgarem a marginal quando uma qualquer tempestade coincide com a subida da maré...

Compartilhar no WhatsApp

Velharias

por Kruzes Kanhoto, em 02.04.17

sofa.jpg

 

Mesmo não comprando nada – e não me recordo de alguma vez ter comprado seja o que for – gosto sempre de dar uma volta pelo mercado das velharias cá da cidade. A par da tralha, muita dela retirada do lixo, há sempre um ou outro item merecedor de um olhar mais atento. Às vezes até de uma foto. É o caso deste sofá. Com arrumação, esconderijo ou outra utilidade que se queira dar aquilo. A própria fotografia é ela, também, dois em um. Para além do objecto exposto, temos igualmente a base do candeeiro da iluminação pública. Outra velharia. Mas estará assim de propósito, presumo. Deve ser para condizer com a utilização que é dada ao espaço.


Compartilhar no WhatsApp

O último que feche a porta e atire a chave ao Alqueva

por Kruzes Kanhoto, em 12.03.17

Passear pelo Alentejo, para um turista, pode ser algo de fantástico. Não sei por que raio há-de ser, mas vá, concedo que constitua uma experiência agradável. Para mim – e, acredito, para quem conheceu outro Alentejo, é apenas deprimente. Percorrem-se quilómetros de estrada sem encontrar qualquer veículo, não se avista vivalma nos campos e atravessam-se lugarejos e aldeias outrora repletos de vida hoje praticamente desertas. Depois são as ruínas e as casas abandonadas, tanto em zonas rurais como urbanas, quase a fazer lembrar um cenário fantasmagórico digno de um filme pós apocalíptico. A continuar assim bem podem as entidades promotoras do turismo na região esforçarem-se mas num futuro próximo, por mais milhões que gastem a divulgar o Alentejo, nem os turistas aqui vão querer vir. A não ser, talvez, para ver uma espécie em vias de extinção. O alentejano.

A este propósito refiro apenas dois dados. Do meu concelho, para não ir mais longe. Na década de sessenta, do século passado, residiam aqui mais de vinte sete mil pessoas. No final de dois mil e dezasseis, no mesmo espaço territorial que o concelho não aumentou nem diminuiu de tamanho, restam menos de treze mil habitantes. E, mesmo de entre entre estes, um número bastante significativo apenas será residente em termos estatísticos. Desconfio que este constitui o nosso maior problema. Do meu concelho, do Alentejo e do país. Mas isso sou eu, que tenho a mania de me preocupar, em primeiro lugar, com o que está perto. Uma parvoíce. Devia era estar raladíssimo por causa do Trump.

Compartilhar no WhatsApp

Investimentos e outras tolices.

por Kruzes Kanhoto, em 13.01.17

Há duas coisas – haverá mais, mas fiquemos pelas boas - que deixam qualquer autarca prestes a afogar-se na própria baba. Fundos comunitários e investidores dispostos a investir nos seus Concelhos. Dos primeiros já muito rezou a história. Nomeadamente para nos endividar. Quanto aos segundos é uma pena as “estórias” não serem mais conhecidas. Há de tudo. Deliciosas, a maioria. Como, por exemplo, a daquele príncipe da Transilvânia que estaria disposto a investir em fábricas de aviões e que levou à certa meia-dúzia de Presidentes de Câmara.

Percebo o voluntarismo dessa malta. Os eleitores gostam de ver obra. Mas, uma vez por outra, convinha ter juízo. Aceitar, por exemplo, a instalação de um centro internacional de realojamento de animais que, logo à partida, servirá para acolher seis centenas e meia de galgos vindos directamente de Macau, não me parece a mais feliz das ideias. Verdade que essa bicheza corre como o caraças mas, digo eu, podiam ficar lá pela zona. Na China, por exemplo. É que só para os trazer para o Alentejo deve ser preciso um grande monte de massa.

É por estas e por outras que ainda não perdi a esperança de, mais cedo do que tarde, ver surgir num qualquer Município alguém a propor-se construir um centro de acolhimento a visitantes de outros planetas. Ou, até, um pavilhão de negócios intergalácticos. Isso é que era uma ideia do outro mundo.

Compartilhar no WhatsApp

Ó sol és a minha crença...

por Kruzes Kanhoto, em 07.08.16

IMG_20160807_143619.jpg

 

Estremoz. Catorze horas e trinta minutos. Cinquenta graus. É nestes dias que mais me lembram os idiotas que fazem piadas acerca da lentidão dos alentejanos e da nossa alegada pouca propensão para o trabalho. Gostava de os ver a trabalhar oito horas sob este sol. Depois, se sobrevivessem, falávamos acerca da vontade de trabalhar.

Compartilhar no WhatsApp

Crescimento em tons de azul

por Kruzes Kanhoto, em 13.08.15

Mesmo sendo o segredo a alma do negócio - se até eu que sou um gajo manifestamente mal informado já sei - não deve constituir grande novidade para ninguém a provável instalação de uma unidade de produção de Viagra num concelho do interior alentejano. Parece-me uma jogada de mestre. Não só para a empresa mas, sobretudo, para quem conseguiu captar o investimento. Criará uns quantos empregos para outros tantos tesos desempregados e contribuirá decisivamente para fazer a região dar a cambalhota, elevar o nível de vida, contribuir para inverter o declínio e potenciar o crescimento da economia regional. Esperemos é que a ideia não murche.

Compartilhar no WhatsApp

Diz que foi uma espécie de greve

por Kruzes Kanhoto, em 13.03.15

Hoje foi dia de greve na função pública. Presumo que a adesão, na perspectiva dos sindicatos, ronde uns avassaladores cento e dezanove por cento. Já na óptica do governo os funcionários que hoje faltaram ao trabalho não foram mais que dois. Ou três, se entretanto tiver morrido algum que ainda não tenha sido abatido ao efectivo.

O habitual, portanto. Embora os hábitos tenham mudado. E muito. As greves de hoje nada têm a ver com as de outros tempos. Nos anos seguintes ao vinte cinco do A e até aos anos noventa era predominantemente no sul, em particular no Alentejo, que os seus efeitos se faziam sentir. Agora, a julgar pelas noticias, é no litoral e também a norte que as greves terão uma maior adesão. Por cá não se dá por nada.

Entretanto tudo vai continuar como antes. Mário Nogueira vai, daqui a pouco, dizer coisas a que ninguém liga. Jerónimo de Sousa vai manifestar a sua solidariedade com a luta heróica dos trabalhadores e, mais uma vez, exigir a demissão do goverrrrrrrrno. Já António Costa garantirá que não pode anunciar medidas mas que, quando governar, vai satisfazer todas as pretensões de toda gente. Deve ser por isso que os alentejanos já não fazem greve...

 

Compartilhar no WhatsApp