Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

25 de Novembro, sempre!

Kruzes Kanhoto, 25.11.20

EnqCXqYW8AI9mc9.jpg

Tirando uma ou outra coluna de opinião, a comunicação social fez questão de ignorar a data que hoje se assinala. Os órgãos de soberania, também. Nem a uns nem a outros interessará recordar o fim do PREC. A efeméride causará um enorme desconforto, para não lhe chamar outra coisa, a quem actualmente governa e a toda a vastíssima panóplia de apoiantes e seguidores. Não me surpreende por aí além. O que me inquieta é o Partido Socialista, que contribuiu decisivamente para reduzir à sua insignificância toda a corja comunista que então mandava nisto tudo, ter-lhes aberto de novo a porta do poder. E hoje, pasme-se, parece envergonhar-se desse passado.

Processo de esquerdização em curso

Kruzes Kanhoto, 26.11.18

O processo de esquerdização em curso prossegue a bom ritmo. Os sinais estão aí para quem os quiser, ou souber, interpretar. O 25 de Novembro, por exemplo. Passaram, ontem, quarenta e quatro anos sobre a data que garantiu a liberdade aos portugueses. Ninguém, pelo que me apercebi, se lembrou. Entidades oficiais, principais noticiários e jornalismo em geral optaram pelo silêncio. Não tarda, por este andar, ainda os vamos ouvir classificar esta data como o dia em que se fecharam as portas que Abril abriu, em que os cravos murcharam ou os sonhos abriláceos se esvaneceram. 

Sem que ninguém - uma alminha, sequer – os cofronte, as forças políticas de esquerda estão a apoderar-se de todas as causas. Desde a tourada à violência contra as mulheres. Como se estupidez tivesse alguma coisa a ver com opções ideológicas. A idiotice chega ao ponto de associar o crescimento da extrema-direita ao aumento dos casos de agressões tendo como alvo as mulheres. Isto enquanto deixa de fora o aumento da imigração, nomeadamente muçulmana, na interpretação do fenómeno. É por estas – e por outras – que não consigo levar estes “movimentos” a sério.  

Também os cantores de intervenção há muito enviados para o caixote do lixo da história estão a ser reabilitados pela rádio pública. Não se aguenta. Para além de “jornalistas” a destilar ódio a tudo o que se desvia da opinião politicamente correcta, temos igualmente de aturar os berros dos cantantes.  É, tudo isto, o preço de temos de pagar por, naquele final de Novembro, uns quantos não terem deixado Jaime Neves terminar o seu trabalho.

Da série comecem a despedir-se da geringonça

Kruzes Kanhoto, 25.11.16

sondagem.jpg

A acreditar na sondagem hoje divulgada o PS estará à beira da maioria absoluta. Assim de repente não me ocorre nenhuma razão para acreditar no resultado do estudo de opinião. Exemplos recentes de falhanços épicos de estudos análogos -  escuso de os citar de tão frescos que estarão na nossa memória colectiva - levam-me, pelo contrário, a não levar estas previsões a sério. Embora, caso se confirmasse o seu acerto, não constituisse de todo uma má noticia. Excepto, claro, para comunistas e bloquistas. O Partido Socialista com maioria absoluta seria o pior cenário para aquele pagode. Coitados. Divulgar uma noticia destas num dia particularmente triste para a esquerda radical portuguesa é mesmo lixado.