Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

A um morto nada se recusa...e a um velhinho também é melhor não!

por Kruzes Kanhoto, em 19.04.20

download.jpeg

Os velhos são teimosos como o caraças. Quando metem uma ideia na cabeça não adianta contraria-los. Enquanto não levam a deles avante não descansam e ai de algum pateta que ouse sugerir que eles não estão cobertos de razão. Não os critico. Um dia destes – já amanhã, praticamente – estarei nesse grupo e, de certeza absoluta, também serei assim. Até quase garanto que quando chegar esse dia, sem me esforçar muito, estarei acima da média ao nível da teimosia.

É por estas e por outras, que nem questiono - ao contrário do que anda por aí meio mundo a fazer - a realização da sessão comemorativa do 25 de Abril, das manifestações do 1º de Maio ou seja lá o que fôr que os velhinhos saudosistas que mandam nisto tudo queiram comemorar. Não vale a pena lembra-los que Espanha é aqui mesmo lado e que por lá se vive uma situação dramática. Muito pior, em termos de vidas perdidas, do que acontece nos EUA, apesar de toda a propaganda pretender que acreditemos no contrário. Um cenário terrível, potenciado por um jogo de futebol e pelas gigantescas manifestações do dia da mulher que se realizaram por toda a Espanha. Sim, que devia vir um grande mal ao mundo se, tal como o 25 de Abril, um jogo da bola não se realizasse ou as comemorações do 8M tivessem ficado para outro dia. Assim já sabemos que veio...

Compartilhar no WhatsApp

25 de Abril sempre! Populismo nunca mais!

por Kruzes Kanhoto, em 25.04.18

humor-politicos-p.jpg

 

Devem ter engolido uma cassete. Ou, para ser mais modernaço, fizeram todos download da mesma música. Hoje, nas comemorações do 25 do Abril, a propósito de tudo e de nada não houve político que não aproveitasse para incluir em cada frase a palavra “populismo”. Um perigo, essa coisa. Deus nos livre de tal.

Percebo a ideia. Principalmente agora que há por aí uns quantos políticos a contas com a justiça e nada garante que, caso haja zangas entre as comadres, muito mais “material” venha a ser conhecido. Nomeadamente acerca daqueles nomes esquisitos que constam de um certo livro “razão” escriturado por um certo contabilista. Como o “Batman”, por exemplo, que, desconfio, deve ser uma figura grada do regime. Daquelas de quem sempre se fala em dias como o de hoje, talvez.

Bramir contra os “populistas”, como hoje fizeram os nossos políticos, é uma estratégia velha. E sábia, reconheço. Uns quantos indivíduos que têm por hábito apropriar-se de itens alheios, quando apanhados em flagrante, usam-na sempre. Guincham “raciiiistas” até os deixarem em paz. Às vezes resulta.

Compartilhar no WhatsApp

Uma espécie de desígnio nacional

por Kruzes Kanhoto, em 24.04.18

Estou comovido. Tanta sensibilidade deixa-me assim. Isto porque o Costa acaba de anunciar, como desígnio nacional, “chegar ao dia 25 de abril de 2024 — quando comemorarmos os 50 anos da revolução – podendo dizer que eliminámos todas as situações de carência habitacional”. Acho bem. A sério. Se eu fosse gajo de lágrima fácil estaria agora a sacar de um lencinho. 

Tal como me parece muitíssimo bem que, num momento de rara sagacidade, tenha deixado cair aquela ideia parva e pró-comunoide de aplicar o conceito da reforma agrária às habitações devolutas. Era, de facto, pouco digno de um país democrático. 

Desconfio, porém, que se esteja prestes a criar outro problema. Maior, até, do que aquele que se pretende resolver. Aos idosos e deficientes, no caso. Pretende-se agora que os contratos de arrendamento que envolvam estas pessoas sejam renovados automaticamente e se garanta a impossibilidade de despejo. Já estou mesmo a ver os senhorios a franzirem o sobrolho -  e a deitarem contas à idade do outro - quando lhes aparecer alguém com alguma idade a pretender arrendar uma casa...  

Compartilhar no WhatsApp

Valores?! Devem estar a brincar...

por Kruzes Kanhoto, em 25.04.16

Há quem garanta, todos os anos, que falta cumprir Abril. Quem, sem nunca se esquecer, lamente a perda dos valores de Abril. E, este ano, quem sugira que graças à geringonça os tais valores e o tal Abril vão ser cumpridos. Pois. Deve ser, deve. Seja lá o que for que essa cantilena de velhinhos queira dizer.

A mim o 25 de Abril lembra-me a reforma agrária. Se calhar se vivesse noutro local lembrar-me-ia ocupação de fábricas. Ou manifestações que acabavam em pancadaria. Ou malucos a colar cartazes e a pintar paredes. Mas não. É mais gente mal apessoada a querer pendurar pessoas nos candeeiros do Rossio entre um e outro assalto a propriedades privadas.

Reforma agrária lembra-me, também, agricultura da crise. E é a ela – à agricultura da crise – que me dedico hoje. Às alfaces, batatas, couves e morangos. E aos poejos e tomilhos, que lá por serem ervas não devem ser discriminadas.

IMG_20160423_121930.jpg

IMG_20160423_191759.jpg

 

 

 

IMG_20160423_121622.jpg

 

IMG_20160424_150042.jpg

 

IMG_20160423_121639.jpg

 

IMG_20160423_121730.jpg

 

IMG_20160423_121906.jpg

 

IMG_20160424_150016.jpg

 

Compartilhar no WhatsApp

Estranho conceito de democracia...

por Kruzes Kanhoto, em 31.10.15

Captura de ecrã - 31-10-2015 - 16:42:31.jpg

 

Bastou um grupo de três indivíduos, cada um por si, ter a ideia de sugerir a realização de uma manifestação em frente à Assembleia da República contra um eventual governo de esquerda, para deixar os comunistas e outros esquerdalhos à beira de um ataque de nervos. Pelos vistos a rua é da esquerda. O direito ao protesto é da esquerda. O direito à liberdade de expressão só pode ser exercido se for para exprimir opiniões favoráveis à esquerda. Apenas a esquerda se pode manifestar nas ruas. Tem o exclusivo, devem achar as criaturas. Era assim em setenta e cinco. Pelos vistos querem que assim continue em dois mil e quinze. E isto ainda sem estarem no governo...

Compartilhar no WhatsApp