Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Sim, prefiro fugir com o dito à seringa.

Kruzes Kanhoto, 14.02.21

xxxxxxxxx.jpg

Quando, em gaiato, era atormentado pelas maleitas próprias dessa condição – aquelas doenças que todos apanhamos em inicio de vida – e a minha mãe sugeria a necessidade de recorrer ao médico, a primeira pergunta que me ocorria era, invariavelmente, se o tratamento ia incluir injecções. A segunda, nas ocasiões em que não ouvia um não perentório à primeira, era se o padecimento que me afligia podia levar ao meu falecimento. Sendo a resposta convictamente negativa, o caso complicava-se e a minha resistência em recorrer aos serviços de um clínico aumentava consideravelmente. A lógica era simples. Não existindo o perigo de quinar, não valia a pena correr o risco de o médico receitar qualquer coisa injectável. Um terror, para mim, naquela altura. Tanto, que pouco me importava penar mais um bocado, com os sintomas das maleitas de ocasião, só para não ser picado.

Com o tempo o pânico às agulhas foi-se desvanecendo. Mas, confesso, a inquietação está a voltar. Deve ser por cada vez que ligo a porra da televisão para ver um noticiário, aparecer alguém a ser espetado num ombro. Aquilo repete-se em todo o lado a toda a hora. Sem necessidade, digo eu. Que isto de ver braços a serem trespassados por agulhas, é daquelas cenas que deviam ser anunciadas como podendo ferir a sensibilidade dos espectadores mais sensíveis. Assim tipo eu. Nomeadamente agora, que ninguém me garante a impossibilidade de falecer em consequência da maleita.

13 comentários

Comentar post