Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Rendimento Básico Incondicional

por Kruzes Kanhoto, em 16.02.16

arvore-de-dinheiro2.jpg

Receio não estar a assimilar lá muito bem o conceito daquilo do “Rendimento Básico Incondicional”, ou lá o que é, que aquele partido esquisito dos animais pretende implementar em Portugal. Diz que se trata de um subsidio atribuído pelo Estado a todos os cidadãos. Não em função de qualquer carência, prejuízo ou contrapartida mas apenas porque sim. Por existirmos. À semelhança, ao que parece, do que já acontece na Suíça, Holanda e Noruega. Tudo, como se sabe, países com um nível de riqueza quase igual ao nosso.

Assim por alto, se o meu excel não estiver enganado, isso é capaz de ser coisa para cima de um dinheirão. Fazendo a conta tendo por base um valor modesto – cem euros a cada um, vá – daria a bonita maquia de doze mil milhões por ano. Uma bacatela, convenhamos. Até porque, como gostam de dizer os iletrados em assuntos financeiros, o dinheiro havia de aparecer. Ou, se não aparecesse, a culpa seria do sistema. O que é um excelente argumento que mata pela raiz qualquer discussão minimamente inteligente.

Mas, só para se ter uma ideia do desvario que vai naquelas cabecitas, os valores acima referidos correspondem, sensivelmente, a toda a cobrança de IRS e a mais do triplo do valor do ISP que o governo espera arrecadar em 2016. Uma ninharia.

Compartilhar no WhatsApp

4 comentários

Comentar post