Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

"Refugiados" do nosso contentamento

por Kruzes Kanhoto, em 12.12.19

Andam por aí umas alminhas todas radiantes com a chegada às costas algarvias de meia dúzia de marroquinos, alegadamente refugiados. Nem conseguem – ou não querem – disfarçar a satisfação que lhes enche a alma. Percebo-os. O desembarque desta gente e o seu acolhimento pelas autoridades lusas não constitui apenas um gesto humanitário. Até porque não consta que em Marrocos haja guerra, fome ou outra qualquer espécie de cataclismo. Isso do cataclismo estará reservado para a principal indústria nacional – o turismo – se mais “turistas” destes se lhes seguirem. Como, de resto, já acontece noutros destinos turísticos assolados por esta traficância.

Receber este grupo, mais do que a humanidade do gesto, significa abrir as portas a outros. E, principalmente, a um imenso negócio que está associado a estas movimentações. Os que irradiam felicidade com esta chegada bem o sabem. Também por cá há muita gente com vontade de se atirar aos milhões de euros, provenientes dos nossos impostos, que estes desgraçados fazem movimentar.

Compartilhar no WhatsApp

4 comentários

Comentar post