Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Pobretes, alegretes e outros desconfinados.

por Kruzes Kanhoto, em 03.06.20

Esta cena do vírus chinês está a dar a volta à mioleira de muito boa gente. Desde o pacato cidadão, que antes até parecia uma criatura normal, à classe política. É cada um pior que o outro. Mesmo o primeiro-ministro, que me parecia dos poucos com juízo no meio disto tudo, começa a dar mostras de já estar a variar. Hoje, no parlamento, rejeitou liminarmente a criação de um cerco sanitário na zona de Lisboa. Seria, acrescentou, uma medida discriminatória. Não consta que tenha tido esse tipo de preocupação quando impôs idêntica medida em Ovar e num concelho da Madeira. Se calhar, para resolver o problema da discriminação, o melhor será declarar um cordão sanitário ao resto do país. Assim como assim é só paisagem.

Mas, nisto da maluqueira, os portugueses não estão melhores. Diz que são festas do desconfinamento até mais não. Parece que há até quem faça centenas de quilómetros para ir a uma dessas festanças. E depois, naturalmente, fique “covidado”. O estranho desses festejos é que, muitos deles, ocorrem em bairros ou zonas usualmente designadas como “socialmente desfavorecidas”. Onde, garantem os especialistas da especialidade, há desemprego, miséria e fome. Tudo em simultâneo, presumo. Não vou, naturalmente, discordar quanto aos fracos recursos desses pândegos. Só me questiono, se vivendo na penúria fazem festarolas de arromba, o que seria se estivessem cheios de guito.



Compartilhar no WhatsApp

8 comentários

Comentar post