Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

O Alentejo não tem direito ao desenvolvimento?

Kruzes Kanhoto, 24.04.21

Desde há uns anos a esta parte ouço e leio gente extremamente aborrecida com a nova agricultura que se pratica no Alentejo. Tudo, garantem, está mal. Desde a paisagem em mudança até a uma espécie de tragédia ambiental que não se cansam de profetizar. De caminho lamentam a invasão de migrantes – eles podem lamentar, já eu se o fizer sou racista – que, alegadamente, serão explorados por patrões sem escrúpulos e senhorios gananciosos.

Tenho manifesta dificuldade em perceber o que pretende este pagode ou, sequer, a alternativa que sugerem. Se é que sugerem alguma. Provavelmente desejarão que fique tudo na mesma. Como sempre esteve. Seco, desértico e entregue aos bichos. Preferirão, com certeza, um Alentejo sem pessoas e improdutivo. Por mim prefiro o caminho que está a ser seguido. De preferência percorrido em passo mais acelerado, que já nos chegam as décadas de atraso. Venham mais “culturas intensivas”, venham mais migrantes, venham mais turistas e aqueles que não se sentem cá bem “desamparem a loja”.

Um dos argumentos muito em uso é que este tipo de agricultura não cria postos de trabalho. Para além da evidente contradição, quando lamentam o recurso a mão de obra estrangeira, há que ter em conta a riqueza indirecta que tudo isto gera. A começar nas casas que voltam a ser habitadas por estes trabalhadores e a acabar nos profissionais do activismo, que têm aqui um apreciável nicho de mercado. Que habilmente já estão a explorar, diga-se.

9 comentários

  • Imagem de perfil

    Kruzes Kanhoto 24.04.2021

    A "humanização" deve ser difícil de alcançar onde não existem seres humanos.
  • Imagem de perfil

    Ana Branco 24.04.2021

    É um facto. O Verão aproxima-se e, com ele, o recado camarário: "A água é um bem precioso, não a desperdice. Já agora, pelo sim, pelo não, vai ter de pagar mais qualquer coisa para ajudar nas despesas". Entretanto, ali mais para o lado, 6 a 7 furos por km, bombeiam água para as abençoadas oliveiras.
    Sem água, nem humanos nem oliveiras.


  • Imagem de perfil

    Kruzes Kanhoto 24.04.2021

    O Alentejo finalmente tem água, oliveiras, vinhas e outras novas culturas. Que venham muitas mais. E gente para trabalhar, viver, passear...
  • Imagem de perfil

    Ana Branco 24.04.2021

    Sim, aproveitem.
    Quem vier atrás que feche a porta.
    Independente de serem nossos filhos, ou netos.
  • Imagem de perfil

    Kruzes Kanhoto 25.04.2021

    E a alternativa é...
  • Imagem de perfil

    Ana Branco 25.04.2021

    No Alentejo, ou em qualquer outro lugar do mundo, deveríamos ser conscientes da necessidade de produzirmos e consumirmos de forma sustentável.

    Se for uma questão de lucro, nunca haverá soluções positivas e consensuais. Se for uma questão de nos sustentarmos e de respeito pela vida – a nossa e a dos demais -, podemos apostar na agricultura, na criação de animais, no turismo, na conversão de produtos e numa série de serviços.

  • Imagem de perfil

    Kruzes Kanhoto 25.04.2021

    Não existindo a perspectiva de lucro nunca houve e nunca haverá aposta em coisissima nenhuma. Mas isso é tão óbvio que nem sei porque lho estou a recordar, deve ser coisa que sabe há muito tempo...
  • Imagem de perfil

    Ana Branco 25.04.2021

    Por essa razão, comentei que defendo a humanização.
    Nascer humano, não nos garante humanidade. Aprender a diferença entre valores humanos e valores materiais; aprender que a hierarquia individual de valores, afecta a justiça, ou injustiça, do mundo em que vivemos; aprender que para vivermos em sociedade temos de abdicar do egocentrismo; é mais do que relevante.
    Em última instância, a escolha é nossa. As consequências são, sempre, de todos.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.