Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Não há machado que corte...

Kruzes Kanhoto, 31.10.23

Screenshot_2023-10-31-11-05-36-002_pt.sapo.mobile.

1 - “Plantar árvores é magnífico para o combate as alterações climáticas”, garantem os especialistas da especialidade. Mas nem era preciso. Isso até o meu gato imaginário – o Bigodes - sabe. Contudo é coisa que, cá pelo Alentejo, não levamos muito a sério. Aliás, neste âmbito, vivemos no pior dos dois mundos. Por um lado, nos campos, plantam-se árvores de forma intensiva – e abusiva, diria – e, por outro, nas localidades, o seu número é meramente residual. Sendo que, um número significativo são laranjeiras ou, as plantadas mais recentemente, oliveiras raquíticas. Nem vale a pena reclamar. É disto que os eleitores alentejanos gostam e quem manda faz-lhes a vontade. Coitados. Ambos.

2 – Sustento, desde há muito, que vivemos numa ditadura do politicamente correcto. De outra forma ninguém se sentiria obrigado a pedir desculpa por uma opinião. Ou por pensar diferente da minoria. Sim, porque colocados perante a hipotética possibilidade de casar com alguém do mesmo sexo, mesmo que se assuma do outro, poucos manifestariam essa vontade. Parvo, no entanto, é quem vai na conversa dos wokes da treta. É disso que os novos fascistas do pensamento único se alimentam. Por mim vão de carrinho. Daqueles que vão pagar muito IUC. Não passarão!

3 – Não é meu, mas tenho pena. “Houve um momento qualquer em que passámos a tolerar a intolerância. Dizem que é diversidade cultural. Agora estamos mais à frente. Passámos a promover a intolerância. Dizem que é a defesa dos direitos humanos”. É o que dá fazer caso de malucos.

8 comentários

Comentar post