Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

IRS - É a ignorância que os faz felizes

Kruzes Kanhoto, 22.09.20

Tal como se esperava, a proposta da Iniciativa Liberal visando a criação de uma taxa única de irs não “incendiou” as redes sociais. Um fogaréu aqui ou ali e nada mais do que isso. Ainda se fosse um cão esquelético que urgisse salvar…

A ignorância generalizada relativamente a este assunto não me surpreende. Mas diverte-me. As pessoas não sabem fazer contas nem, a esmagadora maioria, tem sequer a mais pálida ideia do que se está a falar. Mesmo aquelas que, por força dos cargos que ocupam, tinham a obrigação de possuir um conhecimento, ainda que mínimo, daquilo que está em causa. Um bom exemplo foi o debate entre os representantes da Iniciativa Liberal e do Bloco de Esquerda, uma noite destas na SIC Noticias, sobre a taxa única de IRS. Foi algo assim:

(IL) - “Todos os portugueses vão pagar menos”

(BE) - “Isso é mentira, pois quem não paga nada não paga menos”

(IL) - ?!?!?!? (siderado perante a idiotice do argumento)

(BE) - “as pessoas não sabem que não pagam…”

A argumentação do esquerdista radical que sustenta o governo passou depois para as comparações. Para ele o grande beneficiado será um CEO qualquer que ganha dois milhões por ano que verá, de acordo com a proposta da IL, a factura do IRS reduzida de oitocentos mil para “apenas” trezentos mil euros. Já um trabalhador que aufere oitocentos euros mensais terá, segundo os cálculos do extremista, uma redução mensal de cinquenta euros. Curiosa esta maneira de fazer as contas. Ao ano para um e ao mês para outro. Podia ter acrescentado que no segundo caso era quase mais um mês de ordenado. Ou, mas isso já era pedir demasiada honestidade intelectual, quantos trabalhadores ganham por mês oitocentos euros – ou menos – e quantos CEO’s ganham por ano dois milhões – ou mais. E, já que estava com as mãos na massa, podia também ter dito por que raio sustenta no poder um governo que pratica esse tipo de discrepância salarial em entidades sob a sua responsabilidade.

4 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Biltre 22.09.2020

    O valor que refere, 3MM a 4MM, mais nao e que o custo do BPN.

    Custo que e meu e que e seu, que e do Kruzes e da Ana ali de cima. E por aqui que vai muita da receita fiscal.

    Se a medida da IL puder impedir que uma soma dessa natureza saia
    dos bolsos de quem trabalha para tapar buracos criados por trafulhas diversos, entao que venha quanto antes.
  • Sem imagem de perfil

    Makiavel 23.09.2020

    Isso é o típico raciocínio para pobres de espírito, tipo chegófilos. Em que é que a medida iria impedir que se tapassem buracos dos bancos? Menos receita fiscal não implica que os buracos não existam, nem sequer que deixe de haver necessidade de os tapar. Por falar em buracos, o Cotrim não andou a pedir uns dinheirinhos para o BPP quando era lá gestor (ou lá o que ele foi)?
  • Sem imagem de perfil

    Biltre 24.09.2020

    Como até o típico jogral bloquista poderá facilmente perceber, menos receita fiscal não impede a existência de buracos nos bancos. Contudo, até o Makiavel perceberá que menos dinheiro na mão do Estado implica menos capacidade de acudir a tais situações que é como quem diz, de tomar más decisões.

    Diz o Makiavel que há necessidade de tapar esses buracos. Não sei se há. Deve o contribuinte, com o dinheiro que é subtraído ao seu rendimento, ser penalizado por existirem bancos com má gestão, gestão criminosa ou um misto de ambas? Aparentemente o Makiavel acha que sim, que o contribuinte serve para isso. Eu acho que não.

    Mas não se preocupe Makiavel, não está só. O PCP e Bloco estão consigo, esquerda anti-capitalista e revolucionária que salva bancos.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.