Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Investigue-se...e talvez se escrevam menos pantominices!

por Kruzes Kanhoto, em 30.10.17

Quem tem a paciência de me ler sabe que não tenho os jornalistas em grande conta. Nomeadamente aqueles – e são muitos – que comem toda a palha que lhes põem na gamela. Ou, quero eu dizer na minha, que têm como boa e verdadeira qualquer historieta que lhes é contada, não hesitando em transmitir aos seus leitores, ouvintes ou que seja as patranhas que alguém lhes relatou.

Como, por exemplo, um artigo publicado no “Observador” acerca daquilo que a autora intitulou “sexo à moda antiga” e onde relatava as experiências amorosas, sexuais e afins de umas quantas idosas. Num desses relatos uma das velhotas, confidencia que “casei com 22 anos. Conheci-o nas festas e ele estava sentado num muro com outros gajos. E as minhas amigas, a certa altura disseram: “Dou-te 500 escudos para ires ter com aquele rapaz”. Pensei: “Raios, que ainda não namorei nada, vou mesmo ter com aquele gajo”. Ainda por cima 500 escudos já era dinheiro! Então fui lá ter com ele”. Ora, tendo a senhora em questão oitenta e seis anos, isto ter-se-á passado no ano da graça de mil novecentos e cinquenta e três. A outrora intrépida namoradeira pode, agora, estar confusa. Mas, digo eu, a jovem jornalista tinha obrigação de saber – ou, pelo menos, de se informar – quanto valiam então quinhentos escudos. Talvez se surpreendesse se alguém lhe explicasse que valiam muito mais do que dois euros e meio.

E se nisto dos escudos foi assim, imagino as restantes pantominices que as velhinhas contaram à jovencita...

 

Compartilhar no WhatsApp

8 comentários

Comentar post