Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Impostos?! Isso não interessa nada.

Kruzes Kanhoto, 21.09.20

O IRS é um assunto que desinteressa profundamente à maioria dos portugueses. Não admira. Metade não pagam e uma grande parte dos outros não quer saber. Têm outras preocupações. Coisas sérias e importantes como fascismo, racismo, Ventura, Trump, Bolsonaro, extrema-direita, o que cada um faz com o rabo, as diatribes do Vieira ou seja lá o que for que a comunicação social resolva promover como assunto do dia. Isso sim, é que é de preocupar. Agora cá impostos...que perda de tempo.

Pois a mim, que tenho um prazer imenso em ser do contra, é o que mais importa. E aborrece, principalmente. Não gosto nada de olhar para o meu recibo de vencimento e constatar que os valor dos “descontos” representam cerca de cinquenta por cento da coluna do “vencimento liquido”. Ou seja, em termos práticos, em cada mês trabalho vinte dias para mim e dez para o Estado. Isto deixando de lado que do “liquido” que escorre para a minha conta ainda vai verter uma parte significativa para IVA, ISP, IMI, IUC, mais todas aquelas taxas e taxinhas das facturas da luz e da água ou incluidas no preço de muitos outros bens.

Este é um tema que não me traz leitores. Pouco me interessa. Vou escrever sobre ele toda a semana. É que aquela frase que ouvi ontem pronunciada por um dirigente – deputado, ou lá o que é – do Bloco de Esquerda, não me sai da cabeça. “O IRS é o imposto que mais contribui para a eliminação da desigualdade salarial”. Pudera. Até o meu gato imaginário, o Bigodes, sabe porquê.

3 comentários

  • Imagem de perfil

    Kruzes Kanhoto 21.09.2020

    Comentário demasiado extenso. Lamento mas respondo depois de ler.

    Cumprimentos
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 22.09.2020

    Porque não debater uma TSU em função da diferença salarial entre escalões salariais?

    Por exemplo extremo: um CEO (dono de empresa/ gestor/o chefe) que ganhasse o mesmo que o seu funcionário na posição salarial mais baixa pagaria 0% TSU, ou seja se todos ganhassem 1000€ brutos a TSU seria 0% 0€.

    Se a diferença fosse abismal entre o salário mais alto e o salário mais baixo seria aplicada uma TSU elevada.

    Eventualmente e dada as diferenças de responsabilidades podiam ser aplicados niveis salariais com valor de referência para uma TSU 0%.

    Isto é uma ideia no seu bruto (não sou formado em finanças ou economia) mas talvez faria mais sentido na distribuição de riqueza do que um IRS progressivo onde são os trabalhadores prejudicados por isso.

    Espero que algum entendido na matéria queira explorar esta ideia.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.