Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Gozar com quem quer trabalhar...

Kruzes Kanhoto, 28.05.19

Assim de repente, estando previsto na lei como parece que está, não estou a ver qual foi o problema de a Autoridade Tributária ter ido para a estrada cobrar as dividas aos caloteiros. Revela, antes, um elevado espírito de missão da parte do dirigente, director ou seja lá quem for o tipo que tomou a decisão. Não tardou, no entanto, que o diligente servidor público fosse desautorizado por um governante qualquer, mais preocupado com a protecção aos vigaristas do que com os interesses do Estado. Não admira. Eles estão lá para isso. Não fazem, não deixam fazer e ainda aborrecem quem tenta. Depois queixam-se do laxismo dos serviços públicos, da falta de eficiência da máquina fiscal, que os funcionários não são produtivos e mais o raio que os parta.

Mas este secretário de estado não está sozinho. Este modus operandi, não deixar trabalhar, está enraizado na administração pública. Ocorreu-me logo o caso daquele ajudante de autarca que – numa autarquia do norte, tão ao norte que até aborrece de tão norte que é – chamou a atenção de um funcionário por este se mostrar demasiado activo no exercício das suas funções. Por trabalhar demais para os padrões da organização, digamos. Uma chatice, de facto, isso de querer apresentar serviço. Para além de uma longa tradição de mandriice a manter, há uma reputação de ineficácia a defender.

2 comentários

Comentar post