Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Entregues à bicharada

Kruzes Kanhoto, 03.06.21

1622750517368.jpg

As novas gerações de urbano-depressivos, na sua imensa ignorância, pensam que os animais são como eles em pequeninos os viam nos desenhos animados. Só que não é assim. Na vida real eles não falam, não são fofinhos, em grande quantidade constituem uma praga e muitos têm de morrer para que outros continuem a viver.

Depois há também aquela ideia peregrina que o homem – o branco, nomeadamente – invade os habitats da bicharada e que esta, coitada, está em vias de extinção. Por mim, que vivi quase metade da minha vida no campo, não concordo nada. Pelo contrário. O abandono de imensas áreas rurais, hoje completamente despovoadas, deixou todo esse espaço entregue a espécies que antes eram muito mais controladas. Nunca, até há poucos anos, tinha visto ao vivo uma raposa ou um javali. Agora há bicheza dessa que até aborrece. Inclusivamente às portas das zonas urbanas. Com todas as chatices daí decorrentes mas que, obviamente, nada afectam os bichinhos do betão.

O mesmo com a passarada. Agora fazem ninho nas árvores do meu quintal, onde quase lhes chego com as mãos. Coisa impensável lá no monte. Mas, ao que parece, tenho de permitir que me comam as alfaces e as cerejas. Nada que importe aos idiotas que determinaram que não se podem montar armadilhas para caçar animais selvagens. Depois, quando não houver comidinha nos supermercados, queixem-se que têm larica. Ah, espera, nas estufas não entra bicharada. O pior é que essa malta que nem sabe de onde vem a comida, também não gosta de estufas...

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.